fbpx

Maternidade e a Surdez

Foto mulher grávida - maternidade e a surdez

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Fotografia de uma mulher gestante em um fundo amarelo mostarda. Ela tem pele branca, e seu rosto não aparece. Está vestindo calça marrom e camiseta branca, que está levemente levantada, e tem as duas mãos na barriga, que está à mostra. Em sua barriga, do lado esquerdo da mulher, está o sinal de Acessível em Libras, e do lado direito, o símbolo de Deficiência Auditiva, ambos como se fossem desenhos ou tatuagens. Fim da descrição | Foto: *Designed by user18526052 / Freepik / *Edited

Entenda a importância do cumprimento das normas de acessibilidade nos serviços de saúde

“Uma gestante Surda deseja ter vínculos de diálogos diretamente com os profissionais de saúde”, afirma a Psicóloga e Doula Acessível em Libras, Rafaela Costa

A maternidade pode ser compreendida como um evento coletivo-singular na vida da mulher, vivenciado por mudanças de diversas ordens – biológicas, somáticas, psicológicas e sociais (PICCININI et al., 2008) – que influenciam a dinâmica psíquica individual e as demais relações sociais da gestante (RUBIN, 1975), mas são mudanças que potencializam a constituição da maternidade e estabelecem a relação mãe-bebê.

Sendo assim, sob uma ótica de inclusão, a maternidade está se tornando uma escolha consciente da mulher Surda (FRANCISCO; SÁ; BOURGUIGNON, 2019), como para qualquer outra mulher.  Diante disso, a surdez não impede que a mulher opte por ser mãe. Entretanto, a assistência da atenção obstétrica oferecida à gestante Surda no ciclo gravídico puerperal, ainda é muito fragilizada e isso ocorre, também, devido à dificuldade na comunicação, seja pelo despreparo dos profissionais quanto ao uso da LIBRAS, ausência de Tradutor Intérprete de Libras (TILS) nos serviços e uso de máscaras pelos profissionais, dificultando a leitura labial.

Maternidade e Surdez

Uma gestante Surda deseja ter vínculos de diálogos diretamente com os profissionais de saúde” 

Foto mulher profissional da saúde - maternidade e a surdez
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Fotografia de uma profissional da saúde. Ela veste roupa branca, luvas azuis, com o estetoscópio pendurado no pescoço. De pele clara, cabelos longos pretos, usa máscara hospitalar. Uma das mãos está no bolso do jaleco, e outra segurando papéis, para onde está olhando. Fim da descrição | Foto: Designed by KamranAydinov / Freepik

Assim, considerando possível o acolhimento, visando à criação de vínculos por meio de uma escuta empática e aliada a uma prática de comunicação acessível em LIBRAS dos profissionais de saúde junto à mulher Surda, promoverá uma assistência na área de saúde humanizada que atenda às expectativas da mulher e dê a ela a percepção do pertencimento, da reciprocidade e do respeito (BRASIL, 2000). Como também, contribuirá sobremaneira para que ganhem autonomia, vivenciem uma experiência positiva na gravidez, passando a participar da promoção de sua saúde e da saúde do concepto.

“Os cuidados ofertados por profissionais de saúde à uma gestante Surda, podem influenciar na maneira como ela realizará a maternidade”

No que tange ao campo da saúde, há leis vigentes nas esferas federal, estadual e municipal, asseguradas pela constituição brasileira, tendo como referência a Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, e em seu Artigo 8º, efetivando o direito das pessoas com deficiência a acessibilidade, a assistência no Sistema Único de Saúde (SUS), a sexualidade, a constituição familiar, a autonomia doméstica e, também, da maternidade/paternidade (BRASIL, 2015). É possível observar que há muitos desafios para a implementação dessa legislação no Brasil. Porém, é necessário que os entes federativos cumpram as normas de acessibilidade nos serviços de saúde e que os profissionais conscientizem-se das medidas que devem ser tomadas para oferecer uma melhor assistência.

REFERÊNCIAS:

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Presidência da República, Brasília, 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm>. Acesso em: 08 jul. 2020.

FRANCISCO, G. da S. A M.; MILITÃO, T.; BOURGUIGNON, S. C. (Orgs.). Libras em saúde II: divulgação científica de uma área na fronteira do conhecimento. Rio de Janeiro: Do autor, 2019.

PICCININI, C. A.; GOMES, A. G.; NARDI, T.; LOPES, R. S. Gestação e a constituição da maternidade. Psicologia em Estudo, v. 1, n. 13, p. 63-72, 2008.

RUBIN, R. Maternal tasks in pregnancy. Maternal child Nursing, n. 4, p. 143-153, 1975.

Rafaela Costa

Rafaela Costa

Psicóloga Acessível em LIBRAS, em Recife (PE), Rafaela é Tradutora Intérprete de LIBRAS na Secretaria de Educação do Estado de PE. É formada em Psicologia, Especialista em Rede de Atenção Psicossocial, Autismo e Deficiência Visual, formada em Surdocegueira, e Tiflologia. Com Especialização em Educação Inclusiva, e Certificação em Proficiência em LIBRAS e Pedagogia, comanda a coluna "Recortes da Psicologia Inclusiva".

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.

Skip to content