fbpx

Maternidade e a Surdez

Foto mulher grávida - maternidade e a surdez

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Fotografia para o artigo sobre “Maternidade e a surdez” mostra uma gestante em um fundo amarelo mostarda. Ela tem pele branca, e seu rosto não aparece. Está vestindo calça marrom e camiseta branca, que está levemente levantada, e tem as duas mãos na barriga, que está à mostra. Em sua barriga, do lado esquerdo da mulher, está o sinal de Acessível em Libras, e do lado direito, o símbolo de Deficiência Auditiva, ambos como se fossem desenhos ou tatuagens. Fim da descrição | Foto: *Designed by user18526052 / Freepik / *Edited

Entenda a importância do cumprimento das normas de acessibilidade nos serviços de saúde

Sobre maternidade e a surdez, “uma gestante surda deseja ter vínculos de diálogos diretamente com os profissionais de saúde”, afirma a Psicóloga e Doula Acessível em Libras, Rafaela Costa

A maternidade pode ser compreendida como um evento coletivo-singular na vida da mulher, vivenciado por mudanças de diversas ordens – biológicas, somáticas, psicológicas e sociais (PICCININI et al., 2008) – que influenciam a dinâmica psíquica individual e as demais relações sociais da gestante (RUBIN, 1975), mas são mudanças que potencializam a constituição da maternidade e estabelecem a relação mãe-bebê.

Sendo assim, sob uma ótica de inclusão, a maternidade está se tornando uma escolha consciente da mulher Surda (FRANCISCO; SÁ; BOURGUIGNON, 2019), como para qualquer outra mulher.  Diante disso, a surdez não impede que a mulher opte por ser mãe. Entretanto, a assistência da atenção obstétrica oferecida à gestante Surda no ciclo gravídico puerperal, ainda é muito fragilizada e isso ocorre, também, devido à dificuldade na comunicação, seja pelo despreparo dos profissionais quanto ao uso da LIBRAS, ausência de Tradutor Intérprete de Libras (TILS) nos serviços e uso de máscaras pelos profissionais, dificultando a leitura labial.

Uma gestante Surda deseja ter vínculos de diálogos diretamente com os profissionais de saúde” 

Foto mulher profissional da saúde - maternidade e a surdez
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Fotografia de uma profissional da saúde. Ela veste roupa branca, luvas azuis, com o estetoscópio pendurado no pescoço. De pele clara, cabelos longos pretos, usa máscara hospitalar. Uma das mãos está no bolso do jaleco, e outra segurando papéis, para onde está olhando. Fim da descrição | Foto: Designed by KamranAydinov / Freepik

Assim, considerando possível o acolhimento, visando à criação de vínculos por meio de uma escuta empática e aliada a uma prática de comunicação acessível em LIBRAS dos profissionais de saúde junto à mulher Surda, promoverá uma assistência na área de saúde humanizada que atenda às expectativas da mulher e dê a ela a percepção do pertencimento, da reciprocidade e do respeito (BRASIL, 2000). Como também, contribuirá sobremaneira para que ganhem autonomia, vivenciem uma experiência positiva na gravidez, passando a participar da promoção de sua saúde e da saúde do concepto.

“Os cuidados ofertados por profissionais de saúde à uma gestante Surda, podem influenciar na maneira como ela realizará a maternidade”

No que tange ao campo da saúde, há leis vigentes nas esferas federal, estadual e municipal, asseguradas pela constituição brasileira, tendo como referência a Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, e em seu Artigo 8º , efetivando o direito das pessoas com deficiência a acessibilidade, a assistência no Sistema Único de Saúde (SUS), a sexualidade, a constituição familiar, a autonomia doméstica e, também, da maternidade/paternidade (BRASIL, 2015). É possível observar que há muitos desafios para a implementação dessa legislação no Brasil. Porém, é necessário que os entes federativos cumpram as normas de acessibilidade nos serviços de saúde e que os profissionais conscientizem-se das medidas que devem ser tomadas para oferecer uma melhor assistência.

REFERÊNCIAS:

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Presidência da República, Brasília, 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm>. Acesso em: 08 jul. 2020.

FRANCISCO, G. da S. A M.; MILITÃO, T.; BOURGUIGNON, S. C. (Orgs.). Libras em saúde II: divulgação científica de uma área na fronteira do conhecimento. Rio de Janeiro: Do autor, 2019.

PICCININI, C. A.; GOMES, A. G.; NARDI, T.; LOPES, R. S. Gestação e a constituição da maternidade. Psicologia em Estudo, v. 1, n. 13, p. 63-72, 2008.

RUBIN, R. Maternal tasks in pregnancy. Maternal child Nursing, n. 4, p. 143-153, 1975.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Rafaela Costa

Rafaela Costa

Psicóloga Acessível em LIBRAS, em Recife (PE), Rafaela é Tradutora Intérprete de LIBRAS na Secretaria de Educação do Estado de PE. É formada em Psicologia, Especialista em Rede de Atenção Psicossocial, Autismo e Deficiência Visual, formada em Surdocegueira, e Tiflologia. Com Especialização em Educação Inclusiva, e Certificação em Proficiência em LIBRAS e Pedagogia, comanda a coluna "Recortes da Psicologia Inclusiva".

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.