fbpx

Um movimento que não para: Setembro Azul 2020, por Rafaela Costa

Ilustração Setembro Azul 2020 - Dia Nacional dos Surdos
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Ilustração colorida em fundo azul escuro e o texto Setembro Azul 2020, 26 de setembro, Dia Nacional dos Surdos. Uma orelha digitalizada formada por vários pontos interligados e com brilho azul claro. Na metade da imagem, da esquerda para direita, uma linha vermelha termina com um pequeno circulo, na mesma cor, inserido na região do ouvido. Imagem: Freepik Premium/ Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Um movimento que não para, pelo Dia Nacional dos Surdos

Psicóloga e Doula Acessível em Libras fala da luta pela visibilidade, acessibilidade e inclusão da pessoa surda e com deficiência auditiva neste Setembro Azul 2020

No Brasil compreende que hoje o próprio Surdo narra a si mesmo, uma vez que tem a oportunidade de afirmar sua língua, cultura e identidade.

Diante disto, a comunidade surda é um movimento, que não para, evidenciando seus direitos, lutas, estratégias e conquistas atuais, registradas em forma de leis e decretos, apontadas no contexto brasileiro, quanto à acessibilidade e inclusão, visto que não se registraram num processo linear e/ou gradual, mas, influenciadas pelos movimentos sócios políticos, econômicos e linguísticos, vigentes de cada época.

Desse modo, o obstáculo da deficiência auditiva impeliu o sujeito Surdo a compreender e interagir com o mundo por meio de experiências visuais, culminando com o desenvolvimento de uma cultura própria manifestada principalmente pelo uso da LIBRAS.

Logo, para melhor compreensão da questão em foco, apresento a Lei nº 11.796, de 29 de outubro de 2008 , onde fica instituído “o dia 26 de setembro de cada ano como o Dia Nacional dos Surdos” (BRASIL, 2008). A data foi escolhida, pois o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), primeira escola de surdos do Brasil, foi fundado em 26 de setembro de 1857, na cidade do Rio de Janeiro – RJ.

Fotografia de uma criança negra usando Libras para se comunicar - Setembro Azul 2020
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Uma criança criança negra de pele preta e black solto está se comunicando com a Língua de Sinais. Ela está sorrindo e com os olhos fechados. A sua frente está uma pessoa de pele branca, da qual se vê apenas parte de seus cabelos e suas mãos. Foto: Shutterstock

Neste contexto, no período da Segunda Guerra Mundial, o azul era a cor da fita que identificava a pessoa com deficiência. Na época os surdos tidos como “deficientes” também usavam essa fita e eram mantidos em asilos, manicômios e até mesmo, executados. Sendo assim, a cor azul faz uma homenagem memorável.

Contudo, o Setembro Surdo intitulando-o como Setembro Azul, tem como proposta dialogar com o mundo, através da luta pela visibilidade, acessibilidade e inclusão da pessoa surda e com deficiência auditiva.  

Segundo Vygotsky, a surdez, não define o destino das pessoas, mas o resultado do olhar da sociedade sobre a surdez (VYGOTSKY; apud. ANGNES, et al., 2016) Portanto, tem-se como pressuposto teórico que a deficiência não está no Surdo, mas na sociedade que, por meio das múltiplas barreiras que impedem a participação social em igualdade de condições, acaba oprimindo as pessoas com deficiência.

Mulher branca e homem negro conversando em Libras
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Uma mulher de pele morena e cabelos lisos compridos, presos atrás da cabeça está se comunicando com a Língua de Sinais. Ela está sorrindo. A sua frente está um homem negro, de cabeça raspada. Foto: Shutterstock

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei nº 11.796, de 29 de outubro de 2008. Presidência da República, Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11796.htm Acesso em: 21 set. 2020.

S. ANGNES*, N. A. B. MORÁS, M. L. KLOZOVSKI, K. M. REALI. Um estudo sobre a educação do sujeito surdo na rede estadual de educação de Foz do Iguaçu – Paraná. Holos, ano 32, vol. 08, p. 338-354, 2016.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Rafaela Costa

Rafaela Costa

Psicóloga Acessível em LIBRAS, em Recife (PE), Rafaela é Tradutora Intérprete de LIBRAS na Secretaria de Educação do Estado de PE. É formada em Psicologia, Especialista em Rede de Atenção Psicossocial, Autismo e Deficiência Visual, formada em Surdocegueira, e Tiflologia. Com Especialização em Educação Inclusiva, e Certificação em Proficiência em LIBRAS e Pedagogia, comanda a coluna "Recortes da Psicologia Inclusiva".

Todos os posts

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.