Especialização e Afetividade na Educação Inclusiva, por Renata Ubugata

Aluno com deficiência em sala de aula e o título: Especialização e Afetividade na Educação Inclusiva.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte colorida com foto e sobreposição de texto, alinhado à direita, sobre fundo azul: “Especialização e Afetividade na Educação Inclusiva”, nas cores branca e verde. À esquerda, fotografia de um garoto com deficiência, em cadeira de rodas. Está em sala de aula e com o caderno sobre a carteira, à sua frente. Ele usa camiseta vermelha, tem pele branca e cabelos pretos. Ao seu lado está a professora, em segundo plano, e seu rosto não aparece. (Imagem: Edição de arte. Foto: iStock. Créditos: FG Trade)

Utilize recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão da lateral esquerda. Para tradução em Libras, acione a Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Professora de Educação Infantil, estudante de Educação Especial e mãe de dois meninos autistas apresenta artigo sobre os desafios da especialização e afetividade na Educação Inclusiva

Por Renata Ubugata*

Descobri que meu filho é autista graças ao olhar atento e a sensibilidade de uma professora. Na época ele tinha três anos e estava no CEI (Centro de Educação Infantil), também conhecido como creche. Hoje, eu sou professora de Educação Infantil e quero proporcionar às famílias o mesmo acolhimento atencioso e sensível que recebi anos atrás. 

Como professora, um dos meus princípios é a necessidade constante de pesquisa, estudos e atualização na área da educação. Como mãe, estou sempre em busca de informações, intervenções e atividades relacionadas ao Autismo (Transtorno do Espectro Autista – TEA) e neurodiversidade. 

No meu dia a dia na escola, utilizo duas ferramentas que julgo muito importantes para a educação de forma geral e, fundamentais para a educação inclusiva: especialização e afetividade. São tão importantes para mim, que escolhi este tema para minha pesquisa de conclusão de curso da pós-graduação, e gostaria de compartilhar com vocês alguns pontos sobre este trabalho.

Foto colorida, recortada em círculo, de Renata Ubugata, autora do artigo Especialização e Afetividade na Educação Inclusiva.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, recortada em círculo, de Renata Ubugata. Mulher de pele branca e cabelos escuros. Usa blusa cinza clara, segura uma pequena flor e sorri. (Foto: Reprodução. Créditos: Acervo pessoal)

O autismo é um transtorno que está cada vez mais presente em nossa sociedade e, diferente de algumas décadas atrás, hoje as pessoas com deficiência têm o direito garantido por lei de frequentarem escolas regulares, por exemplo. A constante busca por especialização e novos saberes é importante para que os educadores possam ajudar no desenvolvimento de seus alunos de forma eficiente e significativa, e para isso existem diversas fontes de informação e conhecimento, gratuitas e confiáveis, como o site Jornalista Inclusivo.

Pesquisadores contemporâneos compartilham a opinião sobre a importância da especialização para uma efetiva Educação Inclusiva nas escolas, de acordo com a Professora Carla Silvestre: 

“A educação com a perspectiva inclusiva, entende a singularidade do aluno e utiliza de uma didática adequada, tanto no trato com as famílias, que muitas vezes têm dificuldade de entender a deficiência, como nas propostas pedagógicas que visam os alunos com e sem deficiência¹”.

A especialização, ou formação continuada, está presente nos documentos: Padrões Básicos de Qualidade da Educação Infantil Paulistana² e Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva³, reafirmando a sua importância e necessidade para os profissionais da área de educação.

Na questão da afetividade, não me refiro me apenas ao cuidado e carinho com os bebês e as crianças, mas também a paciência e respeito aos processos, olhar atento, escuta ativa às suas necessidades e empatia, isso auxilia a criança a desenvolver confiança e segurança em si mesma e no adulto de referência (pais, cuidadores, educadores), auxilia também no desenvolvimento psicomotor, no desenvolvimento cognitivo e no desenvolvimento social.

educacao inclusiva fg trade istock
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em ambiente interno, do mesmo garoto com deficiência da arte de capa deste artigo. Ele é branco, tem cabelos pretos, usa camiseta vermelha e cadeira de rodas. À sua frente está a professora, mulher negra com cabelos black grisalhos. Usa calça jeans, blusinha cinza, coletinho rosa e óculos de grau. Passa a mão direita na cabeça do aluno e com a outra mão segura um modelo corporal anatômico do corpo humano. (Imagem: Edição de arte. Foto: iStock. Créditos: FG Trade)

A afetividade no processo de desenvolvimento humano é apresentada por renomados teóricos da educação como Jean Piaget, Lev Vygotsky e Henri Wallon, cujas teorias têm em comum o ambiente e a socialização como fatores fundamentais para o desenvolvimento e aprendizagem. 

Nesse sentido, segundo Vygotsky , “Todas as crianças podem aprender e se desenvolver… As mais sérias deficiências podem ser compensadas com ensino apropriado, pois, o aprendizado adequadamente organizado resulta em desenvolvimento mental.

O educador que estiver preparado para acolher uma criança com alguma deficiência ou necessidade especial, e contribuir para o seu desenvolvimento atípico, ajudará não apenas na formação de um cidadão de direito, mas também de uma sociedade melhor e mais inclusiva.

*Autora: Renata Ubugata é Professora de Educação Infantil em São Paulo, estudante de Educação Especial e mãe de dois meninos autistas.

REFERÊNCIAS:

1. SILVESTRE, C. A. S. C. Roda rítmica e transtorno do espectro autista: movimento, música e poesia no desenvolvimento do aluno com deficiência. Ensaios sobre Educação, São Paulo (SP), v. 4, 1 ed., p. 20-26, 2018.

2. SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Padrões básicos de qualidade da Educação Infantil Paulistana: orientação normativa nº 01/2015 / Secretaria Municipal de Educação. São Paulo: SME / DOT, 2015.

3. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994. 20p.

4. COSTA, D. A. F. Superando limites: a contribuição de Vygotsky para a educação especial. Rev. Psicopedagogia, Belo Horizonte (MG), v. 23, ed. 72, p. 232-240, 2006. 

Deixe um comentário

Este post tem um comentário