fbpx

Os desafios do autista adulto: Dicas para o dia-a-dia e o trabalho

Filho beijando o rosto da mãe. Descrição na legenda da reportagem sobre "Os desafios do autista adulto".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Reportagem sobre “Os desafios do autista adulto” ilustrada por fotografia colorida com duas pessoas, mãe e filho. À esquerda da imagem, um jovem adulto de pele branca e cabelos pretos está beijando o rosto da mãe. Ele está de perfil, com os olhos fechados e usa camiseta colorida. Ao seu lado está uma mulher branca de cabelos pretos na altura dos ombros, usando óculos escuros. Ela está sorrindo e com a mão direita no rosto do filho. Usa blusa sem mangas, nas cores rosa e azul. Créditos: Shutterstock

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na barra da lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione o intérprete virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Geriatra do Albert Einstein propõe "melhor formação dos médicos generalistas" e "mais informações às famílias"

Implicações do diagnóstico inexistente ou tardio, a falta de estímulos na infância e até medicamentos inadequados reforçam a importância de discutir sobre os desafios do autista adulto na sociedade

Quase todo mundo conhece uma criança que foi diagnosticada com autismo. Mas, quando se trata de adultos, é mais difícil encontrar alguém. É claro que eles existem. Estudos apontam que a prevalência no Brasil pode chegar a 1 em cada 59 pessoas, mas, muitas vezes, os adultos ficam “invisíveis” por não terem sido avaliados corretamente.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

“É muito comum autistas terem passado boa parte da vida como esquizofrênicos, por exemplo”, diz o geriatra Marcelo Altona, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e coordenador do Programa de Envelhecimento do Instituto Serendipidade, que atua com inclusão de pessoas com deficiência intelectual na sociedade.

Por conta do diagnóstico inexistente ou tardio, os desafios dos adultos com TEA (Transtorno do Espectro Autista) podem ser grandes. Afinal, são pessoas que muitas vezes não tiveram sua condição diagnosticada e como consequência, não foram estimuladas durante a infância. Podem até mesmo terem recebido medicamentos inadequados. Por isso, é importante discutir o tema e pensar como profissionais de saúde, a família e a sociedade como um todo podem ajudar aqueles que já deixaram a infância e a adolescência e apresentam esta condição.

“É preciso olhar para essa população de forma diferenciada”, diz Marcelo, que propõe, entre as ações que devem ser seguidas, uma melhor formação dos médicos generalistas para que possam buscar elementos que contribuam para a identificação do autismo ainda que tardiamente. Adicionalmente, diz, é necessário oferecer mais informações às famílias para que sejam capazes de respeitar as individualidades de seus filhos, estimulando-os e explorando as possibilidades que todos têm – e não é diferente com o adulto que apresenta este transtorno neurobiológico.

Grupo de mulheres com deficiência intelectual sobre "os desafios do autista adulto".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área externa, durante o dia, de um com sete mulheres com deficiência intelectual e autismo, com uma cuidadora. Elas estão juntas, lado a lado, em pé sobre um gramado. A fotografia é da ação beneficente na República Tcheca “Days of Smiles”. Créditos: Shutterstock

“Por conta de diagnósticos errados, muitas famílias, em vez de ajudar o autista, dão remédios que não trazem benefícios. Com isso, não conseguem ajudar na inclusão destas pessoas na sociedade, no mercado de trabalho nos estudos, impedindo-as de serem protagonistas da própria história”, critica Marcelo, que, durante a pandemia, tem feito vídeos para orientar famílias de pessoas com dificuldades intelectuais atendidas pelo Instituto Apoie , parceiro do Serendipidade.

Segundo a neuropsicóloga Joana Portolese, da Faculdade de Medicina da USP, estudos apontam que apenas entre 10 e 20% dos autistas considerados leves chegam ao mercado de trabalho ou à universidade. E, quando conseguem, encontram ambientes inadequados. “Eles podem apresentar sensibilidade à luz ou ao barulho. É preciso fornecer meios para que se sintam mais confortáveis”, diz ela citando o uso de fone de ouvidos ou até mesmo a realocação do autista no espaço físico para deixá-lo em um local com menor movimentação de pessoas. Joana destaca que, em diversos aspectos, pessoas com autismo podem ser mais eficientes em certas funções do que pessoas fora do espectro.

“Com a propensão ao hiperfoco (estado de concentração intensa), eles respondem muito bem quando têm um planejamento. São excelentes executores quando recebem um roteiro”, diz Joana, frisando ainda que metas a curto prazo também são bem-vindas.

Estimular a autonomia do adulto autista também é fundamental, diz a neuropsicóloga. “Quanto mais os adultos conseguem sair sozinhos, dirigir, ir à farmácia ou ao mercado sem acompanhamento, mais fácil se resolvem nas relações pessoais, que são um ponto de dificuldade, já que os autistas não são bons na leitura social”.

Os desafios do autista adulto atividades diarias Jornalista Inclusivo
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida em área externa e sob a luz do sol, mostra um homem dentro do carro. Ele é branco, está sentado no assento do motorista e com o braço esquerdo na porta, com o vidro aberto. Está olhando para o fotógrafo e veste camiseta verde. Créditos: Shutterstock

Professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Rosane Lowenthal diz também ser importante que as empresas enxerguem a diversidade entre os autistas adultos. Nem todos terão hiperfoco, por exemplo. “Alguns gostam muito de detalhes. É importante que o empregador saiba disso, que dê tarefas de classificação, de elaboração de planilhas˜. Ela lembra que também é necessário dar o tempo necessário para eles se organizarem. “Às vezes, a pessoa autista precisa falar sozinha, precisa ir a algum lugar sem pessoas ao redor”. Ela diz ainda ser preciso intervir na habilidade social, mas frisa que não há um manual. “Tem que ter apoio, oferecer uma intervenção individualizada, não pode falar ‘você age assim ou assado’, cada caso é diferente”.

CEO da Specialisterne , empresa social que intermedia a contratação de pessoas com TEA, Marcelo Vitoriano diz que empregar alguém com o transtorno tem vantagens em várias frentes. “A primeira dela é que a empresa verdadeiramente valoriza a diversidade e inclusão e abre oportunidades para pessoas com diferentes características. Boa parte das pessoas autistas possuem alta concentração nas atividades, raciocínio lógico apurado, são detalhistas e metódicos e podem trazer soluções inovadoras”.

Marcelo diz que a principal iniciativa para uma inclusão com qualidade é a adaptação dos processos de recrutamento e seleção. Não é possível ter uma seleção onde a pessoa seja “reprovada por dinâmicas de grupos ou porque não conseguiu olhar para os olhos do entrevistador”, diz, recomendando ainda que seja dada muita informação para as empresas sobre a realidade das pessoas com autismo e suas características, pois isso facilita o acolhimento adequado.

Canal Diario de um Autista YouTube Jornalista Inclusivo
Descrição da imagem #PraCegoVer: Print da tela do computador no canal do YouTube “Diário de um Autista”. A capa do canal tem a ilustração do contorno de uma lâmpada com um cérebro dentro, sobre imagem colorida, o nome do canal e o logo da plataforma. Abaixo, a foto em círculo do responsável e o nome do canal. E mais abaixo aparecem as thumbnails, ou miniaturas, das capas dos vídeos do canal. Créditos: Reprodução/ YouTube

Diagnosticado com TEA quando criança, Marcos Petry, que hoje tem um canal no YouTube intitulado Diário de um Autista e capacita professores para atender crianças com o diagnóstico, acrescenta ainda uma outra lição: “É importante se aproximar do indivíduo autista, e não do autismo no indivíduo”, diz.

Além de produtor de conteúdo no YouTube, onde tem 144 mil inscritos, Marcos, que é da cidade Vidal Ramos, em Santa Catarina, também é escritor, palestrante e músico, e divulga seus vídeos e outras informações sobre o Espectro do Autismo no Facebook @marcos.petry1 , no Instagram @petrym5  e em seu site, no link www.marcospetry.com.br /.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.