fbpx

Escrevendo sua história no Vôlei Sentado

Quando a coluna Sem Barreiras foi inaugurada, o objetivo principal era justamente apresentar as modalidades paralímpicas, através de histórias que pudessem servir de espelho e construir uma identificação sólida das Pessoas com Deficiência com o Esporte Adaptado.

Descrição da imagem #PraCegoVer: Na imagem de capa para o artigo “Escrevendo sua História” está a Seleção Brasileira masculina de Vôlei Sentado nos Jogos Parapanamericanos Lima 2019, contra a Seleção do Peru. Na imagem, o jogador Leandro Santos está com seu braço direito para o alto, dividindo a bola com o jogador adversário, próximo a rede. Ele está apoiado com a esquerda no chão. Ao seu lado há outro jogador, e a sua frente aparecem dois adversários. A Seleção usa uniforme amarelo, e o Peru nas cores branca e vermelha. Créditos: Daniel Zappe/EXEMPLUS/CPB

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Leandro Santos, paratleta do Vôlei Sentado, conta como explorou seus bloqueios por meio do Paradesporto

A realidade de quem vem escrevendo sua história, entre percalços e conquistas, é foco do novo artigo da coluna Sem Barreiras, com final surpreendente, por Murilo Pereira

Poucas pessoas conhecem sua própria força, sua capacidade de reagir a certas peças que a vida prega e suas verdadeiras potencialidades. O destino, analisado sem uma reflexão profunda e sem a desejável habilidade de prever o futuro, é cruel. Entretanto, quando se encontra um caminho no qual o indivíduo se enxerga enquanto cidadão, tudo se encaixa, como um quebra-cabeças com milhares de peças e encaixes distintos.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Quando a pauta tange a inclusão social, na mídia contemporânea, constrói-se quase que uma regra a qual nos empurra para o sensacionalismo raso, ainda mais quando esses enredos envolvem dramas pessoais ou mudanças bruscas na trajetória de alguém. A partir do momento que nasceu a oportunidade da produção deste artigo, com a participação de Leandro Santos, paratleta do Vôlei Sentado do Sesi Suzano (SP) e da Seleção Brasileira, a única e útil intenção foi discutir por quais meios o Paradesporto permitiu que ele retomasse e além disso, lapidasse, seu lugar na sociedade.

Vindo de família simples, Leandro ingressou na Polícia Militar do Estado de São Paulo no ano 2006. Uma grave depressão o dominou e esteve ligada, diretamente, ao acidente de moto sofrido por ele em 2013. A consequência dessa fatalidade foi a amputação transtibial de membro inferior esquerdo. Então, em 2014, conheceu o vôlei sentado por meio de um amigo. Rapidamente, sentiu-se parte da nova realidade e, assim, surgiu a identificação com a modalidade.

Leandro Santos, paratleta do vôlei sentado, escrevendo sua história. Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Leandro está de braços abertos, vestindo uniforme de mangas curtas, branco, com o logotipo do Sesi (SP) no peito. Ao seu redor, há algumas pessoas e um microfone da TV Globo colocado à sua frente. Atrás, alguém despeja uma garrafa de água sobre sua cabeça. O jogador está com expressão de satisfação. Sua pele é clara e seus cabelos são pretos. Créditos: Acervo Sesi (SP)

“O Esporte Adaptado me possibilitou enxergar novas oportunidades em minha vida, inclusive perceber o quanto eu precisava valorizar mais a vida espiritual, o convívio familiar e o social. Descobri minha resistência para enfrentar novos desafios, suportar condições adversas para ser um vencedor”, respondeu o jogador quando questionado sobre em que o Paradesporto contribuiu para sua evolução como pessoa. De fato, a prática desportiva acaba tratando questões extremamente complexas de uma maneira mais leve e, consequentemente, apresentando outras formas, antes não imaginadas, de superar dilemas.

Embora toda a carreira descrita já atribua um significado ímpar para o personagem, o ser humano necessita de momentos que materializem sua luta, a fim de ter certeza dos resultados obtidos. Tal episódio para o paratleta é específico: “O ponto principal da minha carreira é, sem dúvidas, o Parapanamericano, onde conquistamos a medalha de ouro e pude sentir a satisfação e a superação muito presentes em mim. Todos os obstáculos que enfrentei até ali valeram a pena”, compartilhou o Tricampeão Brasileiro.

Leandro Santos, Jogos Parapanamericanos de Lima 2019.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Leandro está exibindo sua medalha de ouro, conquistada nos Jogos Parapanamericanos de Lima 2019. Ele usa camiseta branca com mangas verdes, com o logotipo do Comitê Paralímpico Brasileiro do lado esquerdo do peito. O Paratleta está sorrindo e o fundo da imagem é azul escuro. Créditos: Acervo pessoal

Além destes títulos, Leandro conquistou por três vezes o Campeonato Paulista de Vôlei Sentado. Atualmente, está pré-convocado para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, que acontecerão no segundo semestre de 2021. Na capital japonesa, o paratleta terá mais uma oportunidade de escrever outro capítulo de sua história, baseado em seu talento e confiança. A cada dia que passa, o Movimento Paralímpico ganha mais representantes que aumentam seu público-alvo e, por consequência, fortificam o propósito inclusivo.

Quando a coluna Sem Barreiras foi inaugurada, o objetivo principal era justamente apresentar as modalidades paralímpicas, através de histórias que pudessem servir de espelho e construir uma identificação sólida das Pessoas com Deficiência com o Esporte Adaptado. Hoje, com alguns artigos já publicados e outros no campo das ideias, é possível afirmar com tranquilidade que o desejo se materializou e, acima de tudo, trouxe um aprendizado imensurável tanto para o emissor quanto para os receptores das mensagens.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Murilo Pereira

Murilo Pereira

O Jornalista Murilo Pereira dos Santos é Paratleta pela categoria BC1 de Bocha Paralímpica Ituana. Ele é editor do "Prosa de Gol" (@prosadegol), nas redes sociais, e da página "Sem Barreiras" (@_sem_barreiras), esta última oriunda do seu blog, que também dá nome a sua coluna aqui no site Jornalista Inclusivo, sobre paradesporto e outras questões relacionadas a paralisia cerebral, acessibilidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.