fbpx

Crianças autistas e seus direitos

Crianças autistas e seus direitos a tratamento especializado

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Fotografia que ilustra o texto Crianças autistas e seus direitos, com duas pessoas brancas sentadas no chão, e o símbolo com o nome autismo, representado por uma laço colorido. Uma das pessoas, com estatura de uma criança de cabelos loiros longos, segura uma folha com o desenho de rosa de uma carinha triste, como um emoji. Ao seu lado está uma mulher de cabelos pretos longos, com uma prancheta e uma caneta na mão. Na frente delas há alguns lápis de cor, e atrás um sofá. Foto: Designed by Freepik

Famílias de crianças autistas lutam na justiça pelo direito ao tratamento especializado

Ações no Superior Tribunal de Justiça causam incertezas quanto ao futuro de crianças autistas e seus direitos

“Se o meu filho não tivesse feito ABA, posso afirmar que com certeza ele não teria metade das habilidades que tem hoje”. É dessa maneira que a mãe Josiane Mariano define os avanços dos últimos cinco anos do filho Heitor (9). Desde os quatro anos de idade, o menino, que possui o Transtorno do Espectro Autista (TEA) participa de terapias por meio da Análise do Comportamento Aplicada, ABA (Applied Behavior Analysis, termo para a sigla em inglês). As intervenções são baseadas na abordagem da psicologia bastante utilizada na compreensão do comportamento de pessoas com autismo e outros atrasos no desenvolvimento.

Geralmente, a intervenção ABA envolve psicólogos, psicopedagogos, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, que trabalham juntos de acordo com as necessidades de cada paciente. A indicação da terapia é feita por um médico, e a partir de uma avaliação conduzida por um Analista do Comportamento, define-se a quantidade de sessões que deve ser realizada para cada um. Os avanços de cada indivíduo com TEA são acompanhados regularmente pelos profissionais especializados – certificados internacionalmente pelo BACB® (Behavior Analyst Certification Board) e psicólogos licenciados. 

Essa ciência, que teve origem nos Estados Unidos, é amplamente utilizada no país e possui resultados efetivos e reconhecidos para pessoas autistas. Vários centros norte-americanos de pesquisa e programas de formação em universidades auxiliam em estudos acerca dos benefícios que as atividades desenvolvidas pela ABA trazem para os pacientes:

“Por conta de toda a tecnologia ter sido desenvolvida de maneira estruturada e baseada em critérios científicos, a sua eficácia foi repetidamente demonstrada e reportada em periódicos de alto padrão acadêmico. Anos de pesquisa e publicação rendeu às intervenções baseadas na ABA o conceito de práticas baseadas em evidências e a sua aceitação no contexto clínico e escolar”, é o que afirma Andresa de Souza, PhD, BCBA-D, professora na University of Missouri St. Louis, nos Estados Unidos, e coordenadora do programa de pós-graduação em Análise do Comportamento Aplicada.

Além das mudanças percebidas pelas famílias dos pacientes, os benefícios alcançados por meio da ABA também são constatados pela Mestre, Doutoranda e Pesquisadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) em Análise do Comportamento Aplicada, Renata Michel. Ela diz que, enquanto os tratamentos convencionais ainda não demonstram quaisquer benefícios, a ABA constata a melhora dos pacientes “que inclui desde o desenvolvimento da linguagem, habilidades de independência básicas até o ensino de habilidades acadêmicas e a capacitação dos indivíduos para a inserção no mercado de trabalho”, comenta.

Crianças autistas e o direito a tratamento especializado
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Criança negra com black solto. Ela está sozinha, olhando para o lado, e abraçada a um ursinho de pelúcia. Foto: Shutterstock

O autismo no mundo e no Brasil

De acordo com dados do Centro de Controle de Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, uma a cada 54 crianças em todo o mundo terá o Transtorno do Espectro Autista em 2020. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada 160 crianças no mundo é autista, e a própria OMS indica ABA como sendo o tratamento cientificamente comprovado para pessoas com autismo. 

Já aqui no Brasil, o tratamento de pessoas com TEA envolve equipes multidisciplinares e acompanhamento individualizado, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto pelos planos de saúde, porém, a aplicação da ABA ainda não está inserida nos procedimentos oferecidos pelos mesmos e o tratamento é encontrado em clínicas particulares, especializadas na intervenção. 

Para muitas famílias que possuem planos de saúde, como a do Heitor, é nesse momento que começa o drama do tratamento e muitos casos vão parar na justiça, já que ter acesso à ABA não é uma tarefa fácil. Algumas empresas não oferecem atendimento especializado e alegam que a terapia não faz parte do rol de procedimentos obrigatórios da Agência Nacional de Saúde (ANS), negando assim o custeio da intervenção:

“Esse rol é editado a cada 2 anos e representa apenas a referência mínima obrigatória de procedimentos que um plano de saúde deve oferecer para que a sua comercialização seja permitida. Dessa forma, os pacientes com autismo que necessitam de tratamento especializado, não cobertos pelos planos de saúde, precisam ingressar com uma “Ação de Obrigação de Fazer” a fim de que tenham seu direito ao tratamento garantido pela justiça. Hoje em dia, esse tem sido o único meio de garantir o acesso dos autistas a um tratamento de saúde de qualidade”, lamenta a advogada especialista em direito à saúde, Débora Lubke.

shutterstock 508155784
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Um garoto jovem de pele branca e cabelos loiros curtos, está olhando para a câmera. Ele tem um semblante sério, e está com a cabeça dentro de uma gaiola utilizada para passarinhos. Foto: Shutterstock

Em entrevista ao Neuropediatra Dr. José Salomão Schwartzman, para o Site Drauzio Varella, a redatora e revisora Maria Helena Varella Bruna pergunta quais são as características do autismo na adolescência.

No texto publicado em 2011, o especialista em Neurologia Infantil – professor titular de pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento na Universidade Presbiteriana Mackenzie, dá a seguinte explicação:

“Na adolescência, as manifestações do autismo dependem muito de como o indivíduo consegue aprender as regras sociais. O autista de bom rendimento, que tem a síndrome de Asperger, por exemplo, embora tenha dificuldade de interação, é capaz de aprender as coisas através do intelecto.

Confira o texto recém-revisado, em 11 de agosto de 2020, neste link: https://drauziovarella.uol.com.br/entrevistas-2/autismo-na-adolescencia-entrevista/

Ler mais

Crianças autistas e seus direitos: Ações no STJ

A posição sobre a obrigatoriedade de custeio do tratamento por parte dos planos de saúde, mesmo que não façam parte no Rol da ANS, é pacificado entre a maioria dos magistrados de primeira instância e unânime em todas as Súmulas dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. 

Entretanto, em dezembro de 2019, a 4ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) julgou improcedente o direito de uma paciente a uma cirurgia que utilizava técnica não listada no rol da ANS, alegando que o rol é taxativo e, portanto, os planos de saúde não possuem qualquer obrigatoriedade de fornecer procedimentos que ali não estejam listados. Já a 3ª Turma da mesma Corte não compartilha do mesmo entendimento e continua decidindo a favor das famílias, garantindo o direito dos pacientes a ter atendimento por meio da ABA:

 “Isso significa que uma ação judicial que é distribuída na 4ª Turma terá uma decisão negativa ao paciente e seu tratamento será imediatamente interrompido. Dessa decisão desfavorável cabem recursos que podem ser encaminhados às outras Turmas do STJ, caso fique comprovada a divergência nos julgados. Por outro lado, um processo distribuído à 3ª Turma terá uma decisão favorável ao paciente e esse permanecerá recebendo o tratamento pelo plano de saúde”, comenta a advogada Débora Lubke.

A Pesquisadora da PUC-SP, Renata Michel, lamenta:

“Enquanto diversos outros países estabelecem e chancelam a ABA como “padrão ouro” no tratamento do TEA, a decisão da quarta turma no STJ  demonstra um retrocesso no entendimento do judiciário que, claramente, ignora a ciência e se apoia na não presença da ABA no rol da ANS a qual, vale lembrar, não nega a eficácia da ABA, mas tão  somente ainda não a incluiu em seu rol, possivelmente por razões quaisquer que não a apreciação da ciência.”

Crianças autistas e o direito a tratamento especializado
Descrição da Imagem #PraCegoVer: A mãe Josiane Mariano abraçada com o filho Heitor. Ela tem a pele parda e cabelos pretos amarrados atrás da cabeça, usa óculos escuros e está sorrindo. Heitor também tem pele parda e cabelos pretos curtos, e está sorrindo. Foto: Reprodução/ Acervo pessoal

A luta pelo tratamento de Heitor

Foi através de uma ação na justiça que Josiane garantiu o acesso do Heitor ao tratamento, em 2014. A criança foi levada para São Paulo, onde uma perícia constatou a necessidade do menino em fazer a ABA. Só assim os procedimentos foram liberados pelo plano de saúde. Foram dois anos até que saísse a decisão final da justiça, mas as incertezas continuam: 

“Ele não tem fonoaudióloga e terapeuta ocupacional garantidas, tudo é por meio de liminar. Ele só tem garantido o processo do ABA e, apesar disso, eu ainda me sinto insegura, com medo de que acabe mudando alguma coisa e eu venha a perder. E disso depende o futuro do meu filho. É extremamente aterrorizante”, lamenta Josiane.

Renata Michel comenta que a interrupção de um tratamento de uma criança autista pode acarretar severos prejuízos ao paciente:

“Os riscos envolvem desde a regressão/perda de habilidades aprendidas e o surgimento de comportamentos inadequados, que impossibilitam a integração social e independência do mesmo. É algo realmente muito sério.”

E a mãe Josiane Mariano finaliza, indignada com essa situação:

“É revoltante ver que isso é questionado. É um direito que o meu filho tem a ter saúde, então, é super revoltante e, ao mesmo tempo, dá medo porque a gente fica à mercê das decisões das quais a gente não participa.”

Da Assessoria de Imprensa
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.

Skip to content