fbpx
Teclado de computador com símbolos de Libras, Deficiência Auditiva e Legendagem, ilustrando Setembro Azul 2021: Acessibilidade digital favorece a inclusão do surdo e a defesa da infância.

Setembro Azul 2021: Acessibilidade digital favorece a inclusão do surdo e a defesa da infância

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa ilustrando o texto “Setembro Azul 2021: Acessibilidade digital favorece a inclusão do surdo e a defesa da infância”. Fotografia do teclado de computador, com teclas brancas. Em destaque, três teclas na cor azul, com os símbolos de Língua de Sinais, Deficiência Auditiva e Close Caption (ou legendagem). Créditos: @Alexsl/ Editado

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Conheça iniciativas que favorecem a inclusão de pessoas surdas e a proteção de crianças

No mês da visibilidade da deficiência auditiva, campanhas como Setembro Azul 2021 alertam que menos de 1% dos sites cumprem a lei que prevê ferramentas inclusivas de acessibilidade digital

Setembro é também considerado o mês da conscientização e visibilidade da Comunidade Surda, com celebrações* pelo Dia Mundial da Língua de Sinais (10); Dia Internacional da Língua de Sinais (23); Dia Nacional dos Surdos (26); Dia Internacional do Surdo e do Tradutor Intérprete (30).

*Mais sobre celebrações da comunidade surda em setembro no final do texto.

A cor azul, como mostramos no texto assinado pela Rafaela Costa, é uma simbologia que vem da Segunda Guerra Mundial, quando pessoas surdas e com deficiência eram identificadas com uma fita azul no braço, sendo levadas a asilos, manicômios ou execuções. 

Leia também: 

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

A inclusão de pessoas surdas requer que sites e serviços online garantam a opção de tradução para a Língua Brasileira de Sinais – Libras. O promotor de merchandising Tiago Alves da Silva, que é surdo, enfrentou barreiras digitais para resgatar uma carta de crédito de um consórcio habitacional neste período de pandemia da COVID-19, quando boa parte dos serviços passaram a ser somente virtuais.

Tiago conta – com ajuda do tradutor de Libras Alexander Pimentel – que, muitas vezes, mesmo quando há plataforma de tradução nos sites, ele a solicita, mas não é atendido. “As pessoas que falam comigo não conseguem me entender e fico sem resposta. Para mim, isso é desesperador. Coloque-se no meu lugar (surdo) e veja como se sentiria, neste contexto de pandemia, isolado pela falta de audição”, questiona Thiago.

A LBI – Lei Brasileira de Inclusão (Lei N.º 13.146/2015 ) prevê, no Artigo 63, que os sites de empresas públicas e privadas sejam acessíveis para pessoas com deficiência. Apesar da previsão em lei, apenas 0,89% dos 16,89 milhões de sites ativos no país são completamente acessíveis, de acordo com pesquisa conduzida pela BigDataCorp, em parceria com o Movimento Web para Todos, como também publicamos aqui.

Ilustração dos tradutores virtuais 3D, Hugo e Maya. Hugo é branco e segura o logo da Hand Talk. Maya é negra e está com o braço no ombro de Hugo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustração com fundo multicolorido e o logo da Hand Talk, no canto superior direito. Imagem dos tradutores virtuais 3D, Hugo e Maya. Hugo é branco e tem cabelos pretos curtos. Usa óculos de grau, camisa branca, gravata e calça azuis e tênis vermelho. Ele segura o ícone da Hand Talk: um balão de diálogo laranja, translúcido, com a figura branca de uma “mão”. Maya é uma mulher negra de cabelos pretos curtos. Usa óculos de grau, blusa e tênis azuis e calça branca. Seu braço direito está apoiado no ombro de Hugo. Créditos: Edição JI

Chamado de Setembro Azul, este é o mês de visibilidade da luta da comunidade surda pelos seus direitos, dentre eles, a inclusão digital, que ajuda o cidadão a pagar suas contas, fazer contatos para serviços e receber atendimentos básicos, como saúde e educação. O Brasil tem aproximadamente 10 milhões de pessoas surdas, de acordo com estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Destes, 2,7 milhões têm perda auditiva profunda.

Inclusão em defesa da infância

Há iniciativas que buscam facilitar a inclusão digital. O site Defenda-se (www.defenda-se.com ), que promove a autodefesa de crianças contra a violência sexual, inclui em seu conteúdo vídeos com tradução para Libras, bem como audiodescrição e legendas. O conteúdo audiovisual tem uma linguagem acessível, amigável e preventiva , que apresenta situações do cotidiano em que as meninas e os meninos podem agir para sua autodefesa e segurança. O projeto também busca que as crianças possam reconhecer os seus direitos sexuais.

Imagem de computador e os tradutores virtuais 3D da Hand Talk, ilustrando Setembro Azul 2021. Detalhes abaixo, na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia de um computador laptop, aberto no site da campanha Defenda-se. A página da web mostra um texto com o título: “Últimas Notícias”, e a Maya, tradutora virtual 3D da Hand Talk. Abaixo está a ilustração de duas personagens, com um microfone. Uma criança é negra e tem vitiligo. A outra criança é indígena. No canto esquerdo superior, na parede, atrás do computador, há um quadro com os tradutores virtuais 3D, Hugo e Maya. Na mesa, onde está o computador, há uma revista aberta e um joystick de videogame, além de uma xicara com café. Créditos: Edição JI

Além disso, o próprio site da campanha Defenda-se conta com tradução em Libras. A tradutora virtual Maya facilita a comunicação com a comunidade surda. Para ter acesso a esse recurso é necessário entrar no site e clicar no ícone “Acessível em Libras”, no canto direito da tela. A partir disso, Maya começará a traduzir o conteúdo para a língua dos sinais.

“São ferramentas que ampliam o acesso à informação para as infâncias. Quanto mais efetiva e abrangente a comunicação, maior será o número de crianças que terão acesso a conteúdos educativos que contribuam para seu desenvolvimento integral”, explica Bárbara Pimpão, gerente do Centro Marista de Defesa da Infância (CMDI ), do Grupo Marista, responsável pela campanha Defenda-se.

Ilustração com diversos personagens, adultos e crianças, da Campanha Defenda-se. Descrição detalhada na legenda abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustração colorida com o título, centralizado, no topo: “Campa Defenda-se”. Abaixo, a frase: “Autodefesa de crianças contra a violência sexual”. Ilustração de cinco adultos: Mulher branca de cabelos pretos segurando um lápis; mulher negra de turbante; homem branco de barba e cabelos grisalhos; policial de pele parda; mulher negra com roupa de profissionais da saúde. À frente dos adultos há seis crianças diversas, todas sorrindo. Na lateral esquerda há uma criança com o braço esticado recusando um adulto, na lateral direita há uma mulher sentada no chão, junto de uma criança desenhando em um papel. Créditos: Site Defenda-se/Edição JI

A inclusão digital também está presente em outros conteúdos do CMDI, como o projeto Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar , que promove a qualidade da educação com o fortalecimento do direito ao brincar na infância. No site do Centro de Defesa, é possível filtrar os conteúdos por ferramentas de acessibilidade e, aproximadamente, 40 vídeos sobre direitos de crianças e adolescentes contam com a tradução em Libras .

Representatividade desde a produção

A mestranda Luana Arrial Bastos, do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde (PPGTS) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), diz que é preciso ir além de questões técnicas de programação e incluir as pessoas surdas na produção de sites e aplicativos acessíveis. Para desenvolver produtos e pesquisas por meio do PPGTS, a equipe conta com colaboradores designers e intérpretes surdos, que aplicam funcionalidades após relatos de situações vivenciadas.

Sem as ferramentas de acessibilidade, as pessoas com deficiência não têm informação. É preciso lembrar que boa parte dos surdos não compreende português e se comunica por meio de Libras, uma língua que tem a estrutura de formação de frases muito diferente do português. Uma pessoa que não tem visão precisa de informação com acessibilidade que permita dar detalhes da imagem. Só dessa forma compreende as informações”, exemplifica.

Em função do trabalho de Luana com Libras e tecnologia em saúde, ela já ajudou muitas pessoas a terem acesso a sites. Tiago, com sua carta de crédito, foi uma dessas pessoas.

Setembro Azul 2021 Iniciativas promovem acessibilidade digital para pessoas surdas
Descrição da imagem #PraCegoVer: Print da tela do computador, no site da campanha Defenda-se. A ilustração com texto e o título “A Campanha”, mostra a Maya, tradutora virtual 3D e um grupo com seis crianças diversas. Créditos: Site Defenda-se

SOBRE O CMDI

O Centro de Defesa da Infância (CMDI) do Grupo Marista é uma organização que atua há 11 anos na proteção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes, por meio do fortalecimento da sociedade civil, da qualificação de políticas públicas e do controle social. Desenvolve campanhas e assessoramento sobre o enfrentamento à violência sexual e outros temas referentes aos direitos humanos, como a participação infanto-juvenil e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O CMDI atua também no monitoramento de dados e do orçamento público do estado do Paraná e promove ações de incidência política em articulação com governos, redes, fóruns, comissões e conselhos de Direito. 

Mais informações no link: centrodedefesa.org.br

Celebrações da comunidade surda em setembro

Dia Mundial da Língua de Sinais: O dia 10 de setembro fica marcado pelo Congresso de Milão sobre surdez, realizado entre 6 e 11 de setembro de 1880, que proibiu o uso das línguas de sinais no mundo. A proibição era baseada na impraticável crença de que a leitura labial seria a melhor forma de comunicação para os surdos.

Dia Internacional da Língua de Sinais (International Day of Sign Languages): É celebrado anualmente em todo o mundo em 23 de setembro , juntamente com a Semana Internacional dos Surdos. A escolha do dia 23 é a mesma data em que a Federação Mundial dos Surdos foi criada, em 1951.

Dia Nacional dos Surdos (Lei Nº 11.796/2008 ):  O dia 26 de setembro foi escolhido por ser a data de fundação da primeira escola para surdos do Brasil, atualmente chamado Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), no Rio de Janeiro em 1857.

Dia Internacional do Tradutor Intérprete: A data oficial no calendário de quem trabalha com a Línguas de Sinais é 30 de setembro ou no último domingo do mês de setembro de cada ano, Dia de São Jerônimo. Ele foi o responsável por traduzir a Bíblia do grego antigo e do hebraico para o latim.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi - Founder & Publisher (MTB: 0089466/SP). Jornalista formado em Comunicação Social (2006), Rafael assina como Editor responsável pelo conteúdo, edição geral e publicações. Autor do projeto Jornalista Inclusivo (JI) nas redes sociais e na Web, foi repórter em jornais impressos e em rádio AM, fotógrafo em navios internacionais de cruzeiro e assessor de imprensa. Ativista social, é criador de conteúdo digital acessível, redator web, e estrategista de marketing digital em mídias sociais.

Todos os posts

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.