fbpx

Perda auditiva na trissomia 21: Entenda a relação entre síndrome de Down e a audição

Criança parda com perda auditiva na trissomia 21 – síndrome de Down, sentada na cama e sorrindo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em ambiente interno, de criança com perda auditiva na trissomia 21 (T21, ou síndrome de Down). A criança é parda, está sentada na cama, olhando para o lado com um largo sorriso. Usa uma blusinha azul clara, calça rosa e tem os cabelos castanhos ainda curtos. No canto superior direito, sobreposição do contorno de uma orelha e o símbolo X, dentro de um círculo, indicando problema na audição. (Foto: Editada. Créditos: Kampus Production via Pexels)

Utilize recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão da lateral esquerda. Para tradução em Libras, acione a Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Segundo especialista, um motivo da perda auditiva na trissomia 21 é o maior risco de malformações do sistema auditivo e infecções crônicas do ouvido da criança com a condição

Muitas crianças e adultos com Trissomia do Cromossomo 21 (T21), ou síndrome de Down, têm problemas de audição. Segundo as Diretrizes de atenção à pessoa com Síndrome de Down do Ministério da Saúde, cerca de 75% das pessoas com a trissomia sofrem perda auditiva ao longo da vida. Isso acontece, pois as pessoas com esta síndrome podem apresentar alterações auditivas e otológicas, na deglutição, na fala, na linguagem e também distúrbios do sono.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Crianças com síndrome de Down precisam ter a audição testada regularmente. Todos os bebês recém-nascidos devem ser checados para descobrir se têm um problema de audição, o famoso Teste da Orelhinha. Entretanto os testes de rotina em recém-nascidos não identificam fluido no ouvido, que eles podem vir a desenvolver mais tarde e é bastante comum em pessoas com a síndrome.

A estrutura anatômica do ouvido das crianças com síndrome de Down tem características que podem torná-las predispostas a ter perda de audição. São mais propensos à perda auditiva condutiva secundária, ao impacto do cerume e as patologias do ouvido médio que incluem: secreção no ouvido médio, otite média aguda e perfurações do tímpano2. Por isso é importante realizar nelas um monitoramento para identificar uma possível perda auditiva e obter um diagnóstico a tempo, se for o caso.

Criança com síndrome de down e mãe em momento de descontração.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em ambiente interno, de criança e mãe em momento de descontração. A criança tem pele parda, trissomia do cromossomo 21 e está sentada em cima da mesa. Ela usa blusinha azul e calça rosa e está com os braços esticados para frente batendo palmas. Atrás dela está a mãe, mulher de pele parda e cabelos cacheados longos. Está sorrindo e segurando os braços da filha. Usa camiseta cinza e calça verde. No canto superior direito, sobreposição do contorno de uma orelha e o símbolo X, dentro de um círculo, indicando problema na audição. (Foto: Editada. Créditos: Kampus Production via Pexels)

Em 2011, a Academia Norte-Americana de Pediatria publicou guias de prática de atendimento médico para crianças com a alteração genética. Entre as recomendações, está o monitoramento da perda auditiva, com avaliações auditivas a cada seis meses até a idade escolar e depois anualmente durante a infância. Nos casos em que for detectado qualquer tipo de alteração, os exames podem ser realizados em intervalos menores.

Além das patologias citadas, as pessoas com a síndrome de Down podem desenvolver surdez do nervo auditivo, quando envelhecem. Ocasionalmente também pode ocorrer em bebês e crianças pequenas, porém, torna-se mais comum entre a adolescência e a vida adulta. Por isso, é fundamental que as pessoas com Síndrome de Down tenham a audição verificada ao longo do tempo, já que a deficiência auditiva pode afetar o seu dia a dia e desenvolvimento.

Prevenção e Tratamento

Estima-se que, a cada 700 nascimentos, 1 bebê tenha a condição. As chances aumentam à medida que a mãe envelhece, sendo um dos maiores fatores de risco a gravidez acima dos 35 anos de idade. No Brasil, há cerca de 270 mil pessoas com Síndrome de Down. Trata-se da condição genética e forma de deficiência intelectual mais comum no mundo. Isso torna o acompanhamento e o tratamento um assunto essencial para os pacientes com síndrome de down.

É imprescindível que a criança receba acompanhamento otorrinolaringológico de rotina, com a finalidade de detectar e tratar o aparecimento de otites que podem contribuir para a perda auditiva e comprometimento da função comunicativa. Vale lembrar que a perda auditiva na infância, mesmo que transitória e em diferentes graus, é considerada um risco para o desenvolvimento da linguagem e para as habilidades do processamento auditivo. Isso pode causar atrasos na fala e na linguagem, afetando o aprendizado da criança.

Mesmo os casos leves podem trazer graves consequências para sua percepção da fala, a obtenção da linguagem e a interação social. “As pessoas com Síndrome de Down precisam da comunicação preservada, pois dependem dela para aquisição de outras habilidades. Desta maneira, no caso de apresentarem perdas neurossensoriais e/ou quadros condutivos permanentes, pode ser necessário o uso de aparelhos auditivos.” – explica a fonoaudióloga Andrea Soares, da FONOTOM.

Fonoaudióloga Andrea Soares, mulher branca com cabelos castanhos curtos, responsável pelas dicas para identificar a perda auditiva em crianças.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área interna, com a fonoaudióloga Andréa Soares, especialista em audiologia e sócia da Fonotom. Ela é uma mulher branca com cabelos castanhos curtos. Usa óculos de grau e roupa branca. Créditos: Divulgação/FONOTOM

Os distúrbios da fala podem ser de vários tipos e precisa ser avaliado individualmente para uma proposta terapêutica adequada. De acordo com a Academia Norte-Americana de Pediatria os exames de rotina indicados por faixa etária são:

  • Entre 6 e 12 meses: devem realizar BERA e timpanometria;
  • Entre 01 e 05 anos: devem realizar a cada semestre audiometria comportamental e timpanometria;
  • Maiores de 05 anos: devem realizar audiometria anual.

São exames rápidos e não invasivos realizados pelo fonoaudiólogo e que ajudam a monitorar a audição de pacientes com a síndrome.

Existe uma série de tratamentos e opções diferenciadas, como a reabilitação auditiva, que podem ajudar a dar mais qualidade de vida para a criança, bem como auxiliar na sua autonomia. O tratamento precoce da perda auditiva é vital para estimular o desenvolvimento cognitivo das crianças com síndrome de Down, especialmente no período pré-escolar. Isto é muito importante para a vida saudável e plena que todos os pais desejam para os seus filhos.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo
Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação

Todas

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.