Recode Pro 2022: Formação online e gratuita de programadores amplia inscrições até 6 de março

Nayara Suelen, formada no Recode Pro, é uma mulher branca com cabelos longos castanhos escuros. Segura o celular e sorri.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em área externa, da Nayara Suelen, formada no Recode Pro. Ela é uma mulher branca com cabelos longos castanhos escuros. Exibe na tela do celular, o site da Recode, ONG de empoderamento digital. Sorri e usa camiseta cinza com estampa. Atrás dela há muros e casas. (Foto: Divulgação. Créditos: Recode)

Com foco em empregabilidade, o Recode Pro atende pessoas em situação de vulnerabilidade entre 18 e 39 anos, com renda familiar de até um salário mínimo e ensino médio completo

A ONG Recode , que desenvolve projetos voltados ao empoderamento digital, ampliou até o dia 06 de março as inscrições para o Recode Pro , formação 100% online e gratuita de programadores full stack. Voltada a pessoas em situação de vulnerabilidade social, a capacitação com foco em empregabilidade já atraiu mais de 11 mil candidatos na edição 2022.

“Vivemos um contexto peculiar em todo o planeta, e a mudança da data limite para as inscrições é mais uma oportunidade para que as pessoas possam fazer parte desse programa que já mudou a vida de tanta gente. Acreditamos na tecnologia como caminho para  transformar a realidade de jovens, e o Recode Pro é exemplo concreto disso”, diz Rodrigo Baggio, fundador e CEO da Recode.

O Recode Pro é uma formação para pessoas com faixa etária entre 18 e 39 anos, ensino médio completo e renda familiar de até um salário mínimo. Um de seus principais diferenciais é a taxa de empregabilidade, que tem se mantido acima de 65% desde que o programa foi criado, em 2019.

Outro diferencial da formação é o nível das oportunidades geradas. Seis meses após o término do primeiro ciclo, o salário médio dos concluintes era de R$ 4.985. O número é consideravelmente mais alto do que a média das pessoas empregadas no Brasil em 2021, segundo o IBGE, que estava em torno de R$ 2.459.

Processo e Hackathon

Diversas pessoas sentadas frente a frente, em duas fileiras, utilizando computadores.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em área interna, com várias pessoas em sala de aula da ONG Recode. Estão sentadas em duas fileiras, uma de frente a outra, onde cada pessoa utiliza um computador. Há mulheres e homens de diferentes idades. (Foto: Reprodução. Créditos: Recode)

De 14 de janeiro até 13 de março, os inscritos serão submetidos a uma qualificação que inclui 40 horas dos cursos online na plataforma da Recode e um teste de raciocínio lógico. Os mais bem avaliados receberão o convite para um hackathon virtual – evento determinante para apontar os 420 classificados para a formação, de maio a dezembro, com quatro horas diárias de aula, de segunda a sexta-feira.

“O hackathon é uma oportunidade para que eles apliquem suas ideias, mostrem criatividade e iniciem uma rede de contatos que posteriormente é fundamental para gerar oportunidades de mercado”, explica Rodrigo Baggio.

O hackathon também é uma das atividades que conectam o Recode Pro com um forte pilar de empreendedorismo social. A proposta da formação é que os alunos desenvolvam projetos com perspectiva de impactar suas realidades e transformar o ambiente em que vivem, e essa diretriz prática acaba funcionando como um diferencial.

Política de diversidade e preferência para pessoas LGBTQIA+

Além da taxa de empregabilidade, um diferencial do Recode Pro é a política de diversidade. Em 2022, pelo menos 51% dos participantes da formação serão pretos ou pardos e 40% das vagas estão reservadas para mulheres. Além disso, pessoas que se identificam como LGBTQIA+ terão preferência em caso de empate nas etapas classificatórias.

Nayara Suelen, formada no Recode Pro, é uma mulher branca com cabelos longos castanhos escuros. Está sentada em frente ao computador e sorrindo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, em área interna, da Nayara Suelen. Está sentada em frente a um monitor e um laptop, olhando para a foto e sorrindo. Suas mãos estão no teclado do computador. (Foto: Divulgação. Créditos: Recode)

Formação gratuita em programação com foco em empregabilidade:

A vida financeira de Nayara Suelen andava complicada com a falta de oportunidades. Sem emprego e fonte de renda, estava morando de favor e sem perspectivas de melhora. Até que ela descobriu o programa gratuito da Recode, para se formar como desenvolvedora full stack.

Aprovada no processo seletivo, a jovem moradora do Jardim São Carlos, periferia de São Paulo, se dedicou à formação, virou programadora e conquistou um emprego no Itaú, após feira de talentos promovida pela Recode. Hoje, vive com a esposa e já enxerga um futuro mais promissor.

Confira o depoimento da Nayara, no vídeo abaixo:

SERVIÇO:

  • O que é: Recode Pro 2022 – Formação online em programação full stack
  • Inscrições: Até 06/03, no site oficial do Recode Pro
  • Duração da formação: Até dezembro de 2022
  • Carga horária: De segunda a sexta-feira, com 4 horas de duração por dia
  • Quem pode se inscrever: Pessoas com renda familiar per capita de até um salário mínimo e ensino médio completo que morem em São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Recife, Salvador, Fortaleza, Curitiba, Belo Horizonte, Florianópolis, Porto Alegre e Manaus
  • Faixa etária: 18 a 39 anos
  • Custo: Gratuito

SOBRE A RECODE

Fundada há 26 anos pelo empreendedor social Rodrigo Baggio, a Recode é uma ONG que está presente em nove países por meio de mais de mil centros de empoderamento digital (CED). 

Com o objetivo de promover a inclusão digital, a Recode desenvolve metodologias para ampliar o impacto das ações de ONGs, bibliotecas e escolas públicas parceiras que tenham interesse em desenvolver nos jovens habilidades digitais e competências socioemocionais, estimulando o protagonismo e o potencial da nova geração como agentes de transformação social. 

“Mais de 1,8 milhão de pessoas já foram impactadas e os números seguem aumentando a cada dia”

Jornalista Inclusivo
Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação

• Siga nas redes sociais:

Deixe um comentário