fbpx

COVID-19 na deficiência intelectual: Prioridade na imunização

Pessoa sendo vacinada, com descrição na legenda, sobre imunização da COVID-19 na deficiência intelectual.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Publicação sobre imunização da COVID-19 na deficiência intelectual é ilustrada por fotografia colorida com duas pessoas. Mulher idosa de pele parda, usando gorro e máscara hospitalar está com os olhos fechados no momento em que recebe a vacina. No canto da fotografia, aparece a profissional de saúde, usando luvas azul, blusa, máscara e óculos de grau. Créditos: Kelly Wilkinson/IndyStar

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na barra da lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione o intérprete virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Abrasco publica carta sobre vacinação contra COVID-19 para pessoas com deficiência intelectual

Documento sobre imunização da COVID-19 na deficiência intelectual foi redigido por membros do GT Deficiência e Acessibilidade, da ABRASCO e apresentado em Audiência Pública na Câmara dos Deputados em 12 de abril

• Comunicação Abrasco

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO ) e seu Grupo Temático Deficiência e Acessibilidade cumprimentam a todes presentes e agradecem à Câmara dos Deputados e à Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência pelo convite para participar dessa Audiência Pública (realizada de forma virtual, dia 12 de abril, e disponível em vídeo ao final do texto).

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Primeiramente, reiteramos a defesa da vacinação para todas as pessoas. A Abrasco reconhece que o gerenciamento das demandas decorrentes da pandemia de COVID-19 produziu um cenário de escassez de vacinas para imediata cobertura nacional. Entendemos que o Estado deve atuar de forma prioritária sobre tais aspectos, de modo que a expansão da vacinação seja garantida imediatamente, pois a ausência de medidas nesta direção tornará inviável a ampliação de públicos prioritários, além de aumentar a ocorrência de disputas por um direito que é de todes brasileires.

Como foi divulgado em 06 de abril, pela Frente pela Vida, integrada pela Abrasco, o Manifesto em Defesa da Vida, propõe quatro eixos para atuação coordenada que juntos podem contribuir para uma melhora nos índices de mortalidade e infecção pela doença no país. As medidas propostas são: lockdown de 21 dias com auxílio emergencial, ampla vacinação da população pelo SUS, fortalecimento da vigilância da saúde, da atenção básica, da assistência hospitalar e da assistência farmacêutica e um financiamento adequado para o SUS.

Atentamo-nos também para o necessário reconhecimento de populações vulneráveis frente a esta crise sanitária e, dentre os diversos públicos especialmente atingidos, destacamos as pessoas com deficiência. A pluralidade desta população implica diferentes matizes que atravessam a situação de vulnerabilidade. Tais diferenças não são apenas encarnadas em cada pessoa, mas também estão presentes no modo como o Estado as reconhece. Esse reconhecimento passa por aspectos: sociais, biomédicos e biopsicossociais. Por esta razão, defendemos a prioridade na vacinação para todas as pessoas com deficiência, considerando critérios de gravidade da deficiência e vulnerabilidade.

Imagem descrita na legenda sobre imunização da COVID-19 na deficiência intelectual.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem com fundo amarelado mostra uma mão com luva azul segurando uma seringa, em posição de ação, com o dedão no embolo da mesma. No canto esquerdo do rodapé, sobre faixa branca, o texto: Especial Coronavírus. No canto direito, o logo ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Créditos: Pexels/Ed. JI

Outro fator importante na tomada de decisão a respeito dessa população é a ausência de monitoramento em relação ao adoecimento e morte de pessoas com deficiência por Covid-19. Após um ano de pandemia, não sabemos quantas pessoas com deficiência foram infectadas, hospitalizadas, recuperadas ou mortas em decorrência da doença. Ademais, a carência de estudos epidemiológicos brasileiros sobre o tema também evidencia a ‘invisibilização’ das pessoas com deficiência na produção científica, somando mais uma dificuldade à tomada de decisões sobre o tema.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Diante do exposto, pontuaremos outros elementos que consideramos importantes à discussão sobre a vacinação de pessoas com deficiência, compreendendo que o debate de hoje se dedica especialmente às pessoas com deficiência intelectual.

Questionamos como serão abordadas situações limítrofes entre deficiência intelectual, transtornos e sofrimento mentais, incluindo TGD, considerando os entrelaçamentos que permitem acesso a laudos médicos a algumas pessoas e impedem o acesso de outras. As pessoas com deficiência intelectual encontram-se, majoritariamente, na faixa-etária que compreende infância e adolescência. Levando em conta que este público ainda não está sendo vacinado, sua dificuldade em cumprir medidas individuais de proteção, bem como a necessidade de cuidado por parte de muitos adultos com deficiência intelectual, dentre outras deficiências, ressaltamos a importância de considerar cuidadoras/es no respectivo grupo prioritário.

COVID-19 em Pessoas com deficiência em SP
Descrição da Imagem #PraCegoVer: Duas pessoas utilizando Equipamento de Proteção Individual (EPI) estão fazendo teste da COVID-19 em uma pessoa em cadeira de rodas. Ela tem pele parda, cabelos pretos e curtos, usando máscara hospitalar. Foto: Divulgação/ Governo de SP

Assim, é necessário entender o modo como serão definidos os indicadores de vulnerabilidade que embasarão a priorização do acesso à vacina. Neste caso, reiteramos a importância de um modelo único de avaliação da deficiência, conforme preconizado na Lei Brasileira de Inclusão. Este instrumento jurídico também demarca a vulnerabilidade das pessoas com deficiência frente a situações de risco ou de emergência, tal como a pandemia de COVID-19, e ressalta o dever do Estado na adoção de medidas para sua proteção e segurança (Art. 10). Finalmente, é preciso considerar ainda o cruzamento da deficiência com características de classe, gênero, território, raça, etnia e geração, pois isto é também determinante na demarcação de vulnerabilidades e não pode ser desconsiderado.

Em síntese, a ausência de dados brasileiros, sobre as pessoas com deficiência, que subsidiem políticas públicas neste momento de enorme gravidade, constitui uma barreira para a tomada de decisão sanitária. A presença de deficiência intelectual em conjunto com outras deficiências, como no caso da paralisia cerebral, é uma das muitas possibilidades que nos fazem defender a vacina para todas as pessoas com deficiência e seus cuidadores. Assumir a definição da deficiência em sua complexidade biopsicossocial nos faz olhar para o exercício da funcionalidade e das relações de interdependência com o meio, os critérios pessoais – como raça, renda, severidade da deficiência, lugar de moradia e necessidades de reabilitação, que a faz precisar se deslocar e não permanecer em casa – e a necessidade de não esquecer do cuidador em relação direta com essa pessoa. Por exemplo, a criança com deficiência intelectual tem dificuldades para o uso de máscara, e nesse caso vacinar o cuidador é garantir o direito à proteção da criança.

Em síntese, reiteramos:

  1. Vacina para todes como investimento público através do SUS, exclusivamente, considerando o direito à saúde e dever do Estado.
  2. Pessoas com deficiência constituem um segmento populacional vulnerável frente à Covid-19, o que implica em necessidade de priorizar sua vacinação, inclusive de seus familiares e cuidadores;
  3. A consideração das pessoas com deficiência como grupo prioritário implica na adoção de estratégias que não reproduzam ou ampliem as desigualdades de acesso conforme renda, gênero, raça e territorialidades e devem considerar a classificação de funcionalidade.

Redigida por membros do GT Deficiência e Acessibilidade, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e apresentada em Audiência Pública na Câmara dos Deputados sobre vacinação para pessoas com deficiência intelectual, realizada em 12 de abril de 2021.

Audiência Pública Ordinária (virtual) – 12/04/2021 

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo

Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação JI
Editor responsável (MTB: 0089466/SP)

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.