fbpx

Todos Estão Surdos e você tá de calça, Roberto. Por Dani Rorato

Roberto Carlos, 80 anos, com descrição na legenda do artigo ‘Todos Estão Surdos’ e você tá de calça, Roberto.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Artigo ‘Todos Estão Surdos’ e você tá de calça, Roberto é ilustrado por fotografia colorida do cantor e o título: 80 anos, Rei Roberto Carlos. Em cima do número 80, foi adicionada a imagem de uma coroa. Roberto é um homem branco de cabelos pretos e usa camisa azul. Créditos: Samuel Sánchez/ Ed. JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na barra da lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione o intérprete virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na barra da lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione o intérprete virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

“Roberto Carlos é uma pessoa com deficiência, mas ele nunca falou sobre isso”

Em seu novo artigo para o JI, a ‘mãelitante’ Dani Rorato vai além da homenagem pelo aniversário de 80 anos do Rei: “Todos Estão Surdos” e você tá de calça, Roberto

Hoje é aniversário de Roberto Carlos, um ídolo que compartilho pela vida afora com a minha mãe. A memória da infância vem com as capas de vinis onde aquele cara cabeludo, tinha um lenço amarrado no pescoço e um cachimbo na boca, numa pose de galã blasé, misturada com o som de muitas canções do Rei em todos os momentos alegres e até tristes.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Aos nove anos ganhei um violão do meu pai e a primeira música que aprendi a tocar foi Ternura, do Rei. Eu e minha única irmã – que também faz aniversário hoje, 19 de abril – crescemos vendo meu pai presentear a minha mãe com os discos de Roberto Carlos , o que logo virou uma tradição: foi o primeiro presente de namoro e cada ano, era lançado um novo disco e papai não furava. Trinta anos depois havia comprado todos os LPs e CDs, que foram a trilha sonora de uma vida juntos. Até vir aquelas músicas que nem rasgavam tanto o coração, falando de forma pitoresca da mulher de óculos, gordinha ou baixinha. Aí eu acho que papai passou a colocar no MP3. Já nem parecia mais ou mesmo compositor daquelas letras apaixonadas e sensuais das canções antigas, que embalaram muitas paixões. A gente até se espantava com as músicas novas, mas cada um pensava sobre isso em silêncio, afinal, Rei é Rei.

Como não se impactar com Detalhes, Se você Pretende ou Nas Curvas da Estrada de Santos? Fera Ferida, O Côncavo e o Convexo ou Falando Sério, só pra citar as minhas preferidas…

Aproveito o dia deste ícone para puxar assunto sobre a pauta da minha vida, sobre a qual eu me debruço a debater e, às vezes, a escrever sobre, como agora, na intenção de desbravar um novo e mais inclusivo mundo. Roberto Carlos é uma pessoa com deficiência, mas, como um tabu, ele nunca falou sobre isso.  Perdeu a perna ainda criança, num acidente e sempre escondeu a sua perna.

Não tô aqui pra passar régua na dor de ninguém e cada “Fera Ferida” sabe onde seus sentimentos apertam. Também nem posso imaginar o tamanho da pressão que Roberto enfrentou numa época onde a deficiência era escondida, e as pessoas com deficiência eram tratadas como coitados, fracassados e a rudeza grosseira e capacitista da sociedade forçava a muitos a esconder as suas características ou até esconder seus filhos.

Fotografia colorida do cantor Roberto Carlos, durante recente apresentação. Está com o braço direito dobrado, e mão fechada, como pose de celebração ou conquista. Usa camisa azul e blazer branco. Créditos: Reprodução/ Metro
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida do cantor Roberto Carlos, durante recente apresentação. Está com o braço direito dobrado, e mão fechada, como pose de celebração ou conquista. Usa camisa azul e blazer branco. Créditos: Reprodução/ Metro

Por uma (ou seriam duas gerações?) a deficiência ainda era escondida e repudiada. Enquanto Roberto estourava seu novo hit na rádio, as pessoas com deficiência ainda eram proibidas de acessar a escola, eram escondidas e institucionalizadas.

Uma pena, pois se Roberto tivesse feito um único show de bermuda (azul e branca) teria representando tanta gente! Seria o empoderamento e a genialidade contra o capacitismo estrutural.  Uma quebra total de paradigmas.

Roberto estourava seu hit nas rádios de todo o Brasil na Jovem Guarda e dizia que “era terrível”, enquanto isso, uma luta social se iniciava no mundo e entrava em pauta o conceito de aceitar o “deficiente paratleta e superador”. Foi quando as pessoas com deficiência começaram a ser humanizadas ao demonstrarem sua funcionalidade e superação, e, como paratletas, passaram a pertencer socialmente. Foi uma forma de reabilitar militares feridos e amputados na Segunda Guerra Mundial, que, aposentados encontraram no esporte uma ressignificação da vida e da autoestima.

Fotografia preto e branco, descrita na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia antiga, em preto e branco, do cantor Roberto Carlos parado em frente a um carro. Está com os braços cruzados, uma perna esticada e outra levemente dobrada. Tem os cabelos volumosos, usa calça jeans e casaco. Créditos: Arquivo

Hoje Roberto fez 80 anos e ainda não falou sobre sua deficiência. Dudu Braga, um dos seus filhos, que é cego, e, ao contrário do pai, é super engajado na pauta da inclusão e acessibilidade, deu uma entrevista recente onde comentou sobre o acidente do pai, destacando que “acredita que um dia, Roberto Carlos falará sobre o assunto”.

Hoje, além de dar os parabéns para Roberto por tudo que ele é, eu também gostaria de dizer que acho que a sua deficiência não o define. Como é apenas uma característica sua, poderia, sim, ter feito parte da sua história: com autoestima, com autoamor, com empoderamento e aceitação, ajudando a derrubar milhares de barreiras atitudinais e capacitistas deste mundo.

Sei, Roberto, que eram outros tempos. Tempos, onde o politicamente incorreto era humor, e o capacistismo, que associa a deficiência ao que há de ruim, permitia ainda, que você colocasse um nome tão ruim como “Todos Estão Surdos” numa canção de letra tão linda. 

Ser artista também é o desafio de ser uma voz dissonante. E nisto, eu, como sua fã, ainda te aguardo, Roberto. Quero ver se você é “O cara”.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Daniela Rorato

Daniela Rorato

Mãe do Guto, empreendedora social e gestora da Soluções Inclusivas (@sejainclusivo ). Ativista em defesa dos direitos das pessoas com deficiência (PcDs), é especializada em políticas públicas para as PcDs e já trabalhou na assessoria da Frente Parlamentar em Defesa das PcDs do Estado de Pernambuco. Foi Vice-Presidente fundadora da ONG AMAR e já recebeu prêmios pelo trabalho em prol dessas pessoas em Pernambuco, como a Medalha do Mérito Heroínas do Tejucupapo, a mais alta comenda do estado de Pernambuco, na categoria Ação Social, e o Prêmio Tacaruna Mulher. Criou o projeto “mãelitante” onde busca, através da sororidade, ajudar e unir mães de crianças com deficiência.

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.