Baixos índices de cobertura vacinal por negligência e desinformação coloca saúde de crianças em risco

Criança sendo vacinada no braço e sobreposição da frase Dia Nacional da Vacinação. Baixos índices de cobertura vacinal coloca saúde de crianças em risco.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida, em ambiente interno, de criança sendo vacinada. Na lateral esquerda da imagem, sobreposição da frase, 17 de outubro, Dia Nacional da Vacinação. A criança é negra e está recebendo a injeção em seu braço direito. À direita da foto aparece parte do rosto de quem aplica a vacina, uma pessoa negra, com jaleco branco e luvas azuis. (Imagem: Edição de arte. Foto: Freepik. Créditos: rawpixel.com)

Especialista em imunologia clínica alerta para os riscos da queda na busca por imunizantes: a volta de doenças já erradicadas como a poliomielite

A cobertura vacinal infantil retrocedeu ao menor nível das últimas três décadas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Dados divulgados em julho deste ano mostram que o Brasil está entre os dez países do mundo com o maior número de crianças com a vacinação atrasada.

Conteúdo do artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Boa leitura!

    Publicidade

    Baixos índices de cobertura vacinal

    A queda nos índices de imunização e a volta de doenças até então erradicadas preocupam as autoridades de saúde pública e tornam pertinentes as discussões deste 17 de outubro, Dia Nacional da Vacinação. Entre 2019 e 2021, o índice de crianças vacinadas contra paralisia infantil caiu de 84,2% para 67,7%. 

    No Brasil, a Campanha Nacional de Vacinação 2022 ficou muito abaixo do esperado. No Paraná, atingiu cerca de 66% do público-alvo, quando a meta era de 95% – percentual alcançado em apenas 32% dos municípios do Estado. Em Curitiba, 36,8% das crianças menores de cinco anos foram vacinadas.

    Especialista em imunologia clínica, Hemerson Bertassoni Alves diz que a vacinação é tida universalmente como uma excelente forma de proteção individual:

    “O principal reflexo da queda na cobertura vacinal é o aumento da prevalência de inúmeras doenças sem que o SUS esteja devidamente preparado para dar conta delas. A poliomielite, por exemplo, não tem cura e afeta crianças que se tornarão adultos com um futuro complicado.”

    Publicidade

    Polio no Pará

    Um caso suspeito de poliomielite supostamente atribuído ao estado do Pará, no início de outubro, já foi descartado pelo Ministério da Saúde. Segundo nota de esclarecimento , não se trata de polio, mas sim de um caso de Paralisia Flácida Aguda (PFA).

    “Ministério da Saúde informa que foi notificado de um caso de paralisia flácida aguda em uma criança de 3 anos de idade residente no município de Santo Antônio do Tauá, no Pará, dois dias após receber a Vacina Oral Poliomielite (VOP)”, diz a nota. “É importante ressaltar que não se trata de poliomielite, mas sim de um caso de Paralisia Flácida Aguda (PFA) suspostamente atribuível à vacina VOP”.

    Problema mundial

    Um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Unicef revela que o baixo índice de vacinação se repete em esfera global: 25 milhões de crianças não completaram o esquema vacinal contra difteria, tétano e coqueluche. No ano passado, a cobertura da primeira dose contra sarampo caiu para 81%, o menor patamar desde 2008. No caso da HPV, o índice na primeira dose é de apenas 15%.

    Só no Brasil, a cobertura contra sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) foi reduzida de 93,1% para 71,49% entre 2019 e 2021. Ou seja, três em cada dez crianças não estão devidamente protegidas. Os dados são do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

    Causas e consequências

    O declínio na cobertura vacinal pode ter resposta na negligência, na desinformação e na disseminação de fake news. “Muitas doenças, as antigas principalmente, foram negligenciadas nos últimos anos por sua baixa frequência, o que causou a falsa sensação de que não ocorreriam mais”, analisa o professor Hemerson, do curso de Biomedicina e Farmácia do UniCuritiba – instituição que faz parte da Ânima Educação, uma das principais organizações educacionais de ensino superior do país.

    Segundo o especialista, além de reforçar medidas profiláticas, as autoridades públicas deveriam ter investido em políticas de esclarecimento sobre a importância das vacinas. “Tudo isso foi agravado pelo efeito ideológico de não acreditar na ciência, somado a muitos devaneios disseminados em nossa sociedade.” 

    Para o professor, as mesmas pessoas que alegam a falta de segurança dos imunizantes não consideram a redução no número de mortes por Covid-19 depois da vacinação. “O movimento antivacina traz prejuízos imensos para a sociedade e provocará novos colapsos nos sistemas de atenção à saúde.”

    Garoto negro mostrando curativo adesivo no braço após ser vacinado.
    Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida, em ambiente interno, de criança negra que já foi vacinada. O garoto está com o braço dobrado e a mão fechada para mostrar o curativo adesivo onde foi aplicada a injeção. Tem cabelos crespos curtos e sorri. (Imagem: Getty Images/iStockphoto. Créditos: PeopleImages)
    Marco histórico

    Descobertas há mais de 200 anos e desenvolvidas para estimular o organismo a criar anticorpos, as vacinas contribuíram para o controle de doenças como caxumba, rubéola, tétano, sarampo, gripe e outras. A Organização Mundial da Saúde estima que 3 milhões de vidas sejam salvas por ano em função da vacinação.

    No Brasil, o SUS oferece mais de 20 vacinas. O Calendário Nacional de Vacinação contempla de recém-nascidos a idosos, gestantes, indígenas e pacientes em condições clínicas especiais. “Quem adere ao movimento antivacina desconhece a história”, afirma Hemerson Bertassoni Alves.

    A solução para que as metas voltem a ser cumpridas, avalia o professor do UniCuritiba, não está na imposição de medidas sanitárias drásticas, mas em campanhas eficientes de vacinação e de conscientização. “O melhor caminho é mostrar os benefícios das vacinas na proteção contra vírus e outros agentes causadores de doenças.”

    Sobre o UniCuritiba

    Com mais de 70 anos de tradição, o UniCuritiba é reconhecido pelo MEC como uma das melhores instituições de ensino superior de Curitiba (PR). Destaca-se por ter um dos melhores cursos de Direito do país, com selo de qualidade OAB Recomenda em todas as suas edições, além de ser referência na área de Relações Internacionais. Conta com mais de 40 opções de cursos de graduação, em todas as áreas do conhecimento, além de cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

    Possui uma estrutura completa e diferenciada, com mais de 60 laboratórios e professores mestres e doutores que possuem vivência prática e longa experiência profissional. O UniCuritiba tem seu ensino focado na conexão com o mundo do trabalho e com as práticas mais atuais das profissões, estimulando o networking e as vivências multidisciplinares.

    Jornalista Inclusivo
    Jornalista Inclusivo

    Da Equipe de Redação

    • Siga nas redes sociais:

    Deixe um comentário