Musicistas com deficiência participam de testes da OPESP nos dias 15 e 20 de junho

Naiala usa órtese na perna esquerda e toca violino. Sobreposição de texto: Testes da OPESP, dias 15 e 20 de junho. Musicistas com deficiência ou não, entre 18 e 48 anos.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida, com sobreposição de informações em texto, no canto direito inferior: Testes da OPESP, dias 15 e 20 de junho. Musicistas com deficiência ou não, entre 18 e 48 anos. No canto esquerdo superior, o nome da “OPESP – Orquestra Parassinfônica de São Paulo”. Na foto está a violinista Naiala Oliveira, durante apresentação, no palco. Ela é uma jovem mulher de pele branca e cabelos longos escuros. Usa blusinha e saia e usa uma órtese na perna esquerda. (Foto: Editada. Créditos: Divulgação)

Fase de testes da OPESP será presencial na Praça Júlio Prestes, das 8h às 13h; “Vamos acolher preferencialmente sempre as pessoas com deficiência”, diz idealizador da orquestra

A Orquestra Parassinfônica de São Paulo (OPESP) realiza nos próximos dias 15 e 20 de junho a fase de audições presenciais para os selecionados que se inscreveram online. A etapa acontece no Auditório da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, localizado na Praça Júlio Prestes, entre 8h e 13h, com o objetivo de formar, desenvolver e promover a primeira orquestra do mundo protagonizada por musicistas com deficiência física.

Conteúdo do artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Boa leitura!

    CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

    Empoderando musicistas com deficiência

    “A missão da OPESP é empoderar musicistas com deficiência para que possam desempenhar seu efetivo protagonismo na sociedade”, explica Igor Cayres, mestre em atividades culturais e artísticas, idealizador e produtor da OPESP. “Com a fase de inscrições encerrada, agora damos início à etapa presencial, na qual teremos o prazer de ouvir pessoalmente o trabalho incrível que essas pessoas têm realizado apesar das tantas dificuldades socialmente impostas a elas”, completa.

    No entanto, ainda há esperança para quem perdeu a fase de inscrições, mas sonha em participar da experiência de integrar uma orquestra sinfônica. “Sabemos que quanto mais se amplia a visibilidade da OPESP, que ainda está na sua fase de concepção, mais musicistas passam a conhecer e se interessar. Então criamos uma lista de interessados de reserva, como uma repescagem, para garantir que iremos acolher preferencialmente sempre as pessoas com deficiência”, celebra o idealizador do projeto.

    Participarão das audições musicistas com experiência musical em cordas (violinos, violas, violoncelos, contrabaixos), madeiras (flautas, oboés, clarinetes, fagotes), metais (trompetes, trompas) e percussão (tímpanos).

    Contexto PcD

    O levantamento mais recente do IBGE aponta que 8,4% da população brasileira acima de dois anos, o que representa 17,3 milhões de pessoas, tem algum tipo de deficiência. A pesquisa detalha que 7,8 milhões, ou 3,8% da população acima de dois anos, apresenta deficiência física nos membros inferiores, enquanto 2,7% das pessoas têm nos membros superiores. Além disso, 3,4% dos brasileiros possuem deficiência visual; 1,1%, deficiência auditiva.

    Foi contrapondo esses números com a representatividade dessa população na música brasileira que Igor Cayres, mestre em atividades culturais e artísticas e produtor cultural, construiu o projeto da OPESP para criação, desenvolvimento e promoção da primeira orquestra do mundo protagonizada por músicos com deficiência.

    Violino e partituras. OPESP – Orquestra Parassinfônica de São Paulo.
    Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida com sobreposição do nome OPESP – Orquestra Parassinfônica de São Paulo, no canto direito superior. Imagem mostra parte de um violino e do arco em cima de folhas de partitura musical. (Imagem: Edição de arte. Foto/créditos: Facebook OPESP)

    Candidatos e Jurados

    Ao todo, 30 pessoas passarão pelo processo de teste presencial, sob avaliação de uma banca examinadora formada por professores e coordenação pedagógica educacional da OPESP, incluindo o maestro Roberto Tibiriçá – titular da cadeira de nº 5 da Academia Brasileira de Música e Membro Honorário da Academia Nacional de Música.

    Os aprovados nas audições seguirão para um período de três meses de aulas de aperfeiçoamento e ensaios para, por fim, participarem de um grande concerto a ser realizado no dia 03 de dezembro de 2022, na Sala São Paulo.

    O corpo de professores e coordenadores pedagógicos educacionais da OPESP é composto por Aída Machado, Horácio Schaefer, Davi Graton, Rogério Wolf, Joel Gisiger, Fernando Dissenha, Elizabeth Del Grande, Ana Valéria Poles, Sérgio Burgani, Nikolay Genov, Romeu Rabelo e Marialbi Trisolio.

    A OPESP é uma realização da produtora ProArte, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Janssen, Vale, Minerva Foods, Marisa, Syngenta, Drogasil, Alfa Impacta Mais e apoio do Instituto Alfa de Cultura.

    Serviço

    Orquestra Parassinfônica de São Paulo | Audições

    • Data: Dias 15 e 20 de junho
    • Horário: Entre 8h e 13h
    • Local: Auditório da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo
    • Endereço: Rua Mauá, 51 – Luz, São Paulo (SP)

    Deixe um comentário