fbpx

Especial Tóquio 2020: Uma dose de adrenalina

Arte com foto de torcedor, o título Especial Tóquio 2020, com descrição na legenda do artigo "Uma dose de adrenalina".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa do artigo “Uma dose de adrenalina”, abrindo a série “Especial Tóquio 2020” (tema sobreposto à imagem, na cor branca). Fotografia de uma pessoa segurando a bandeira Olímpica, com os arcos coloridos – que representam a união dos cinco continentes. A pessoa está de costas, é branca, usa camiseta azul, e segura a bandeira acima da cabeça, com os braços esticados. A imagem ao fundo tem tons de azul e violeta. Na lateral direita aparece o logo oficial (em inglês): “Tokyo 2020, Paralympic Games”. Mais abaixo os nomes com os pictogramas das modalidades: “Triatlo, Ciclismo e Paratletismo”. Créditos: Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Fique por dentro das regras básicas do Paratletismo, Triatlo e Ciclismo Paralímpicos

Iniciando a nova série ‘Especial Tóquio 2020’, da coluna Sem Barreiras, Murilo Pereira explica três importantes modalidades paralímpicas e traz uma dose de adrenalina aos leitores do JI

Hoje, iniciamos no Jornalista Inclusivo, a série de artigos do Especial Tóquio 2020 sobre as modalidades que irão compor o quadro paralímpico no Japão. Aqui, na coluna Sem Barreiras, o objetivo é ser o mais simplificado possível para que você, leitor(a), compreenda as regras dos esportes adaptados e possa torcer por nossos Paratletas na Terra do Sol Nascente.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Para uma boa didática, vamos associar paradesportos com características em comum. Nessa primeira edição, o foco será em Paratletismo, Triatlo e Ciclismo Paralímpicos. O atletismo, por ser um dos esportes pioneiros dos Jogos Olímpicos e por ter uma cobertura maior por parte da mídia é uma das práticas que o público possui mais familiaridade. Contudo, as outras duas modalidades também têm a velocidade e a força como instrumentos de trabalho e constroem uma dinâmica bem interessante.

O Paratletismo divide-se em três subdivisões específicas: Campo, Pista e Paratletismo de Rua. A primeira é representada pela letra F, simbolizando a palavra em inglês Field (campo). Estão englobadas nessa categoria as provas de lançamento de club, dardo, disco e o lançamento de peso.

Já o segundo grupo é sinalizado pela letra T, do inglês Track (pista), para as disputas de velocidade e saltos. Com a finalidade de garantir a lealdade desportiva, ficou estabelecida uma classificação funcional de acordo com as limitações de cada Paratleta. As classes F11, F12 e F13 são destinadas à Pessoas com Deficiência Visual, assim como a T20 abriga as Pessoas com Deficiência Intelectual, por exemplo.

Foto de paratleta correndo com seu atleta-guia, descritos na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Na foto, uma Paratleta está com seu atleta-guia em uma pista de atletismo com piso azul e linhas brancas. Há também cones de sinalização na cor laranja. A corredora usa camiseta regata com tons de azul e verde, com sua credencial presa no abdômen e bermuda térmica verde. Ela também usa óculos de sol espelhado e cabelo preso em rabo de cavalo. O guia usa colete de identificação laranja, bermuda térmica verde e tênis verde fluorescente. Os dois estão conectados pelo braço esquerdo dele e o direito dela. Créditos: Tony Takimoto

Além das duas determinações, também há o Paratletismo de Rua, com a maratona de 42 km e a meia-maratona (21 km). No Brasil, inclusive, as últimas temporadas foram marcadas por nomes já conhecidos que, com frequência, são sinônimos de medalha, como: Claudiney Batista, Alessandro Silva e Petrúcio Ferreira.

Atualmente, o ciclismo é um esporte que ganha cada vez mais amantes ao redor do mundo, principalmente por incentivar a exploração de novos destinos, paisagens e por promover a interação entre os praticantes. Nas Paralimpíadas, ele marca presença e gera bastante rivalidade. Quem tem Paralisia Cerebral, por exemplo, pode correr com bicicletas convencionais ou triciclos, dependendo das dificuldades. Quem tem deficiência visual utiliza o modelo chamado ‘Tandem’  (são dois bancos e quatro pedais), com lugar também para o guia. Já os Paratletas com mais limitações motoras podem usar a Handcycling (ou Handbike), em que o atleta vai quase deitado e pedala com as mãos.

Paratleta de ciclismo em handbike.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Algumas placas de publicidade, nas cores azul e branco aparecem no canto esquerdo da imagem. No asfalto, existem linhas de demarcação brancas. Ao centro, o Paratleta conduz sua Handcycling (ou Handbike) deitado, usando camiseta amarela, calça azul, óculos de sol e capacete de proteção. Créditos: Girohandbike

As provas, que acontecem tanto no velódromo quanto nas pistas, variam na duração. No ambiente fechado, elas vão de 250 a 325 metros. Já nas estradas, a distância pode chegar até 120 quilômetros. E além dessas duas competições, ainda existe o contrarrelógio, em que um participante é liberado de minuto a minuto, no circuito. Sagra-se vencedor(a) quem fizer o menor tempo. Em termos de agrupamento por deficiência, são quatro:

  1. Pessoas com poucas limitações;
  2. Com um dos membros amputados e que utilizam prótese;
  3. Com um dos membros, mas que não usam prótese;
  4. Corredores com maior comprometimento motor.

Todas as classes recebem a marca LC, que remete ao inglês Locomotor Cycling (ciclismo locomotor). Na Rio 2016, por exemplo, Lauro Chaman foi o primeiro medalhista Paralímpico nessa modalidade.

Paratleta de triatlo, de costas para a fotografia. Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: É possível visualizar alguns totens da competição no quadrante direito da imagem. No meio da foto, o Paratleta de costas, usa camiseta regata vermelha e preta. Centralizado e com a fonte branca, está um logotipo com o nome “Triatlon Claveria”. Ele também usa uma viseira branca, com a aba virada para trás e a marca da Adidas. Créditos: Cesar March

Fechando esse primeiro episódio da série Especial Tóquio 2020 a natação em mar aberto. São 5 km de corrida, 20 km de ciclismo e 750 m na água. Podem participar pessoas com deficiências físicas, além de amputados e com deficiências visuais. Os praticantes são organizados em seis classes funcionais: PTWC para cadeirantes, PT2 a PT5 para pessoas com limitações motoras, indo dos casos mais severos aos mais brandos e PTVI para deficiências visuais. A principal figura brasileira no Triatlo é Fernando Aranha.

Esperamos que a nova série de textos promova uma maior identificação da torcida com os Esportes Adaptados e, de alguma forma, possibilite uma plena representatividade da Pessoa com Deficiência.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Murilo Pereira

Murilo Pereira

O Jornalista Murilo Pereira dos Santos é Paratleta pela categoria BC1 de Bocha Paralímpica Ituana. Ele é editor do "Prosa de Gol" (@prosadegol), nas redes sociais, e da página "Sem Barreiras" (@_sem_barreiras), esta última oriunda do seu blog, que também dá nome a sua coluna aqui no site Jornalista Inclusivo, sobre paradesporto e outras questões relacionadas a paralisia cerebral, acessibilidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.