fbpx

Setembro Azul 2020

Ilustração Setembro Azul 2020 - Dia Nacional dos Surdos

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Ilustração colorida em fundo azul escuro e o texto Setembro Azul 2020, 26 de setembro, Dia Nacional dos Surdos. Uma orelha digitalizada formada por vários pontos interligados e com brilho azul claro. Na metade da imagem, da esquerda para direita, uma linha vermelha termina com um pequeno circulo, na mesma cor, inserido na região do ouvido. Imagem: Freepik Premium/ Edição por RFerraz

Um movimento que não para, Setembro Azul. Por Rafaela Costa

Psicóloga e Doula Acessível em Libras fala da luta pela visibilidade, acessibilidade e inclusão da pessoa surda e com deficiência auditiva neste Setembro Azul 2020

No Brasil compreende que hoje o próprio Surdo narra a si mesmo, uma vez que tem a oportunidade de afirmar sua língua, cultura e identidade.

Diante disto, a comunidade surda é um movimento, que não para, evidenciando seus direitos, lutas, estratégias e conquistas atuais, registradas em forma de leis e decretos, apontadas no contexto brasileiro, quanto à acessibilidade e inclusão, visto que não se registraram num processo linear e/ou gradual, mas, influenciadas pelos movimentos sócios políticos, econômicos e linguísticos, vigentes de cada época.

Desse modo, o obstáculo da deficiência auditiva impeliu o sujeito Surdo a compreender e interagir com o mundo por meio de experiências visuais, culminando com o desenvolvimento de uma cultura própria manifestada principalmente pelo uso da LIBRAS.

Logo, para melhor compreensão da questão em foco, apresento a Lei nº 11.796, de 29 de outubro de 2008, onde fica instituído “o dia 26 de setembro de cada ano como o Dia Nacional dos Surdos” (BRASIL, 2008). A data foi escolhida, pois o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), primeira escola de surdos do Brasil, foi fundado em 26 de setembro de 1857, na cidade do Rio de Janeiro – RJ.

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Uma criança criança negra de pele preta e black solto está se comunicando com a Língua de Sinais. Ela está sorrindo e com os olhos fechados. A sua frente está uma pessoa de pele branca, da qual se vê apenas parte de seus cabelos e suas mãos. Foto: Shutterstock

Neste contexto, no período da Segunda Guerra Mundial, o azul era a cor da fita que identificava a pessoa com deficiência. Na época os surdos tidos como “deficientes” também usavam essa fita e eram mantidos em asilos, manicômios e até mesmo, executados. Sendo assim, a cor azul faz uma homenagem memorável.

Contudo, o Setembro Surdo intitulando-o como Setembro Azul, tem como proposta dialogar com o mundo, através da luta pela visibilidade, acessibilidade e inclusão da pessoa surda e com deficiência auditiva.  

Segundo Vygotsky, a surdez, não define o destino das pessoas, mas o resultado do olhar da sociedade sobre a surdez (VYGOTSKY; apud. ANGNES, et al., 2016) Portanto, tem-se como pressuposto teórico que a deficiência não está no Surdo, mas na sociedade que, por meio das múltiplas barreiras que impedem a participação social em igualdade de condições, acaba oprimindo as pessoas com deficiência.

Descrição da Imagem #PraCegoVer: Uma mulher de pele morena e cabelos lisos compridos, presos atrás da cabeça está se comunicando com a Língua de Sinais. Ela está sorrindo. A sua frente está um homem negro, de cabeça raspada. Foto: Shutterstock

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei nº 11.796, de 29 de outubro de 2008. Presidência da República, Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11796.htm Acesso em: 21 set. 2020.

S. ANGNES*, N. A. B. MORÁS, M. L. KLOZOVSKI, K. M. REALI. Um estudo sobre a educação do sujeito surdo na rede estadual de educação de Foz do Iguaçu – Paraná. Holos, ano 32, vol. 08, p. 338-354, 2016.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Rafaela Costa

Rafaela Costa

Psicóloga Acessível em LIBRAS, em Recife (PE), Rafaela é Tradutora Intérprete de LIBRAS na Secretaria de Educação do Estado de PE. É formada em Psicologia, Especialista em Rede de Atenção Psicossocial, Autismo e Deficiência Visual, formada em Surdocegueira, e Tiflologia. Com Especialização em Educação Inclusiva, e Certificação em Proficiência em LIBRAS e Pedagogia, comanda a coluna "Recortes da Psicologia Inclusiva".

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.

Skip to content