fbpx

Saiba como lidar com o idoso com perda auditiva

Foto de pessoa idosa, ilustrando "Como lidar com o idoso com perda auditiva", com descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa da reportagem sobre “Como lidar com o idoso com perda auditiva” é uma fotografia com o texto: “IDOSOS” (com fonte grande e transparente) e, “Combate à Violência” (em fonte menor, cor branca). Logo abaixo, sobre uma tarja azul, o texto: 15 de Junho – Conscientização. Fotografia de perto do rosto de pessoa idosa, mostrando seus olhos, nariz e testa, com marcas de expressão na pele. Créditos: Unsplash/ Glen Hodson (Foto) | Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Familiares, muitas vezes, agridem e humilham verbalmente aqueles que já não escutam tão bem

Neste 15 de junho – Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa – saiba como lidar com o idoso com perda auditiva não tratada, que muitas vezes é vítima de violência psicológica

Hoje, 15 de junho é o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi criada em 2006 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa (INPES). No Brasil, já são mais de 30 milhões de brasileiros idosos e é urgente o debate em torno do tema.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Uma das principais dificuldades na vida de um idoso é conviver com a perda auditiva, que ocorre em consequência do processo natural de envelhecimento. E essa deficiência auditiva, quando não é tratada, é mais uma causa, dentre tantas, de violência contra os mais velhos. São inúmeros os casos de agressões verbais e maus-tratos, principalmente por parte de familiares.

A violência psicológica é uma realidade. Ela é caracterizada por atos de humilhação, desvalorização moral ou deboche, que abalam a autoestima do idoso e podem desencadear situações de isolamento, bem como depressão e distúrbios nervosos.

Estudo conduzido pela socióloga Maria Cecília Minayo, pesquisadora emérita da Fundação Oswaldo Cruz, mostrou que, em todo o mundo, mais de 60% dos casos de violência contra idosos ocorrem dentro nos lares.

“Normalmente os agressores vivem dentro de casa com a vítima. Dois terços desses agressores são filhos, que agridem mais do que as filhas, seguidos por noras ou genros, e cônjuges, nesta ordem. Os idosos quase não denunciam, por medo e para proteger os familiares”, revelou Minayo, acrescentando que “a violência faz parte da comunicação, quando se fala gritando, desprezando, abusando”, lembrou a pesquisadora.

“Violência, abuso e negligência de pessoas na terceira idade foram colocados em foco durante crise global de saúde; até 2030, o número de cidadãos com 60 anos ou mais deve crescer 38%, passando de 1 bilhão para 1,4 bilhão”. (ONU News)

Fotografia de mulher idosa, descrita na legenda, via ONU News.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente interno, mostra uma mulher idosa, com semblante de tristeza. Tem cabelos grisalhos curtos e usa roupa branca com flores. À sua frente aparece uma parte de um andador. E ao fundo, uma janela aberta. Créditos: Pnud/Vladimir Valishvili | Via ONU News

Como lidar com o idoso com perda auditiva não tratada

A perda de audição não tratada ainda é bastante comum. Por isso, para o familiar, o mais importante é exercitar a paciência. Com frequência, o idoso que não ouve bem pergunta “o quê?” várias vezes durante uma conversação. E é preciso repetir quantas vezes for necessário, com frases curtas, até que ele compreenda. Isso vale, inclusive, no caso dos idosos que estão na fase de adaptação do aparelho auditivo. Não grite ou fale muito alto. Ao invés de ajudar, isso acaba dificultando o entendimento. O melhor é falar pausadamente. Além disso, gesticular também pode ajudar muito.

É fundamental também que crianças e adolescentes que convivem com esse idoso sejam educadas para que tenham paciência e carinho com ele. O apoio dos netos e sobrinhos é fundamental para que ele se sinta bem à vontade em família. Os adultos devem ensinar as crianças, desde pequenas, a respeitar os mais velhos. E serem firmes quando eles chegam na fase da adolescência, quando tendem à impaciência e rebeldia. Antes de tudo, dê você mesmo o exemplo!

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

É preciso ter paciência também para convencer o idoso, muitas vezes, a buscar tratamento. Enfatize que o que vai resguardá-lo de todas essas dificuldades e chateações é voltar a ouvir! E que isso é possível! O primeiro passo é buscar a orientação de um médico otorrinolaringologia e/ou fonoaudiólogo para avaliar o tipo e o grau de perda auditiva. Na maioria dos casos, o uso de aparelhos auditivos é a opção para a reabilitação auditiva.

Pessoa de cabelos grisalhos, com aparelho auditivo, ilustrando texto sobre "Como lidar com o idoso com perda auditiva".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área externa, mostra em detalhes a orelha de uma pessoa com aparelho auditivo na orelha direita. A pessoa tem cabelos grisalhos curtos, e está com o rosto levemente lateralizado, mostrando sua máscara de proteção fácil. Créditos: Shutterstock

“Atualmente, há no mercado uma diversidade de modelos de aparelhos auditivos que, por serem pequenos, discretos e com design moderno, estão ajudando a derrubar resistências e preconceitos. É extremamente importante que a pessoa com perda auditiva se beneficie da tecnologia para voltar a ouvir os sons da vida, retomando a autoconfiança e a alegria do convívio em sociedade”, diz a fonoaudióloga Marcella Vidal, Gerente de Audiologia Corporativo, Telex Soluções Auditivas .

Por isso, é imprescindível que aos primeiros sinais de dificuldade para ouvir se busque tratamento. Além de proporcionar melhoria no relacionamento com amigos e parentes, voltar a ouvir vai garantir maior confiança e segurança no dia a dia, em situações dentro de casa e nas ruas. Após a avaliação audiológica, caberá ao fonoaudiólogo indicar o tipo de aparelho auditivo mais apropriado para cada paciente.

Lembre-se de que o idoso que tem dificuldade para ouvir é um ser humano, com seus medos e angústias. Familiares relatam que muitos são impacientes e zangados. A maioria, no entanto, não quer causar incômodo. Eles precisam apenas de apoio, compreensão e ajuda para voltarem a ouvir.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo

Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação JI
Editor responsável (MTB: 0089466/SP)

Todos os posts

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.