fbpx

Artista cego reverencia a mãe nos palcos com dança e teatro

Arte com foto e texto descritos na legenda do texto "Artista cego reverencia a mãe nos palcos com dança e teatro".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte de capa da notícia “Artista cego reverencia a mãe nos palcos com dança e teatro” é uma fotografia com texto na lateral esquerda: “Cartas para Irene”. Abaixo aparece o mesmo texto em Libras. Na sequência, aparece a frase, em português: Sexta e sábado, 25 e 26 de junho, via YouTube Cia Ananda. Logo abaixo, os ícones de audiodescrição e tradução em Libras. Na imagem aparece o ator e dançarino Oscar Capucho, protagonista do espetáculo. Ele é um homem branco, com cabelos castanhos cacheados pouco acima dos ombros. Usa barba e bigode, blazer vermelho, e segura um arranjo de flores. Créditos: Juliana Cancio | Divulgação | Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Cia Ananda apresenta “Cartas para Irene”, peça protagonizada pelo ator e dançarino Oscar Capucho

Em espetáculo de dança e teatro acessível da Ananda Cia. de Dança Contemporânea, artista cego reverencia a mãe, falecida em 2012, através de cartas escritas ao longo de seis meses

A Ananda Cia. de Dança Contemporânea estreia “Cartas para Irene”, um espetáculo de dança e teatro que fala sobre memória e saudade, e se estrutura a partir das cartas escritas pelo dançarino e ator Oscar Capucho à sua mãe, falecida em abril de 2012. Ele ficou cego aos 9 anos devido a um descolamento de retina. Neste espaço-tempo que marca a transição entre o mundo permeado por imagens e outro, de início obscuro, permeado de incertezas, o artista com deficiência visual descreve com emoção o papel que Irene, sua mãe, teve em sua vida.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Serão duas apresentações virtuais, na sexta-feira e no sábado, 25 e 26 de junho, às 20h e às 19h, respectivamente. Para assistir com audiodescrição na sexta (25) e com tradução em Libras no sábado (26), basta acessar o canal do YouTube, através do link: www.youtube.com/CiaAnanda . A direção é de Anamaria Fernandes e a codireção de Duna Dias.

Segundo a assessoria, “Cartas para Irene” nasceu de uma conversa entre Oscar e Anamaria, quando o artista contou sua história e as marcas deixadas pela mãe, em sua trajetória. A diretora, diz o texto, propôs que o artista escrevesse cartas à mãe durante seis meses, em processo iniciado em julho de 2020. “Este é o princípio norteador e fundante da criação da montagem”, informa.

Ainda de acordo com a divulgação, as cartas, guardadas individualmente em envelopes selados, foram abertas de maneira aleatória. Cada carta, de conteúdo desconhecido pela diretora e assistente, instigou processos de improvisação nos quais o artista, na revelação do íntimo que a carta trouxe, transitou entre a escrita e a dança.

Fotografia com o ator e dançarino Oscar Capucho, o artista cego reverencia a mãe nos palcos com dança e teatro".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida, em ambiente interno, com o dançarino e ator Oscar Capucho. Ele é um homem branco, com cabelos castanhos cacheados pouco acima dos ombros. Usa barba e bigode, camiseta preta e camisa branca com estampa colorida. Ele está com as mãos na altura dos ombros, com o rosto inclinado para cima enquanto interage com balões de ar, coloridos. Créditos: Juliana Cancio | Divulgação | Edição JI

As cartas foram o alicerce da peça. Tudo partiu desta escrita, das linhas em braile que cruzam e marcam as folhas de papel. É um trabalho que propõe uma tessitura, no campo da intimidade, da escrita, da dança e da interpretação.

“Das palavras, emana-se um dizer do corpo, uma manifestação particular do íntimo que se desvela ao outro.”

“Nós buscamos fazer uma criação que captasse os sentimentos, as lembranças e emoções contidas nas cartas, de forma não literária. Trouxemos as palavras para o universo da dança, como matéria a ser esculpida pelo corpo, como um mergulho dentro do corpo. O atravessamento dessas emoções foi um processo difícil e delicado. Mas acredito que deste quarto íntimo, conseguimos criar algo sensível, tocante e compartilhável”, explica a diretora.

Irene era uma mulher pequenina no tamanho, mas grandiosa no caráter. Dona de casa, mulher forte e guerreira, nascida em Sabará/MG, criada desde os 3 anos pelos avós que trabalhavam na roça, plantando café. Oscar conta que a influência de Irene em sua vida foi e é fundamental em cada uma de suas escolhas. Desde então, muitas coisas a lhe dizer. Muitas já ditas no espaço íntimo desse artista, em cada lembrança, em datas comemorativas, em muitos silêncios. Algumas ainda não ditas, guardadas dentro do peito. Através das cartas, vamos conhecendo um pouco da história de Oscar e Irene. 

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

A montagem traz essa mulher que vê, aos poucos, seu filho perder a visão. Uma mulher que faz a escolha de não ter dó de seu filho, de não o inferiorizar. Uma mulher que faz a escolha de tornar seu filho independente, de acreditar em suas potencialidades, de ter confiança em sua força. Uma mulher que aceita, sem preconceito, a homossexualidade do seu filho e sua escolha em ser artista.

Banner de divulgação do espetáculo "Cartas para Irene".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Banner quadrado em fundo vermelho. Centralizado no topo está escrito: “Cia Ananda apresenta: Cartas para Irene”. Abaixo do título, letras em Braile aparecem em tons degradês. No centro, a imagem de uma pessoa coberta por um tecido nas cores vermelho e verde escuro e com os braços entrelaçados. Datas: 25/06 às 20h/ 26/06 às 19h, pelo YouTube da Cia Ananda, acompanhado dos símbolos "AD" e "Libras" espetáculo com audiodescrição no dia 25 e com tradução em Libras no dia 26. No rodapé estão as logomarcas da Cia Ananda e dos apoiadores: Secretaria de Minas Gerais, Secretaria da Cultura e Turismo, Ministério do Turismo e Governo Federal. Créditos: Divulgação | Reprodução/Facebook

Oscar Capucho revela que o espetáculo reverencia a sua mãe, que sempre o apoiou, independente da sua condição. 

“Cartas para Irene é uma homenagem à minha mãe, essa mulher sábia e forte, que me educou, cuidou bem de mim e me colocou para o mundo. Ela permitiu que eu pudesse voar, alçar voos grandes, porque ela sempre acreditou em mim. A educação dela foi sempre neste lugar, na orientação que eu podia alcançar tudo o que eu almejava ou desejasse, sempre com caráter e respeito ao próximo. A forma dela me tratar foi importante porque eu fiquei cego aos nove anos e ela, ao invés de me colocar num lugar de vulnerabilidade, ela potencializava os meus pontos positivos. Ser cego nunca foi uma limitação para Irene. Ela dizia: 

“Tudo para você vai ser difícil, então, faça algo que você goste”. 

Devo a ela minha formação de ator e dançarino, esse homem que me tornei, pela condução dela. Quero eternizar Irene, contando a nossa história”, define Oscar Capucho.

A peça também traz esse homem, que vive sozinho, que luta pela sua sobrevivência, que luta para fazer o que escolheu como profissão. Um homem cego que, no mundo dos videntes, corre múltiplos riscos ao fechar o portão da sua casa. Um homem homossexual que, num país de homofobia, corre, a cada dia, risco por ser quem é. Um ator dançarino que se equilibra numa corda bamba e que, por suas características, sofreu e sofre diversos tipos de preconceitos.

Oscar Capucho reproducao site Cia Ananda
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do dançarino e ator Oscar Capucho. Usa camiseta regata bordô. Créditos: Reprodução/ ciaananda.com.br

“O processo foi difícil e doloroso, por trazer muita memória e lembrança. Eu chorava muito na abertura das cartas, enquanto eu estava desenvolvendo as cenas e as dramaturgias. Por mexer neste lugar de memória, da saudade da minha mãe. Aos poucos, eu fui controlando a emoção. No processo de criação, com o tempo, a gente vai amadurecendo essas relações do corpo e dos sentimentos. Não que eu não chore mais, ainda tem choro e tem emoção transmitida pelo meu corpo”, revela Capucho. 

SOBRE OSCAR CAPUCHO

Artista formado em teatro pela UFMG, iniciou sua carreira atuando e, já com experiência, recebeu convites para dirigir trabalhos teatrais. Um curioso pesquisador do movimento, sempre se inspirou na dança, a qual lhe proporcionou diversas experiências com importantes artistas e uma relevante participação na cerimônia de abertura das Paraolimpíadas Rio-2016. Hoje, componente da cia. Ananda, compartilha sua pesquisa ministrando workshops e residências artísticas pelo Brasil e Europa.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

FICHA TÉCNICA: 

  • Intérprete-criador: Oscar Capucho 
  • Direção artística: Anamaria Fernandes
  • Co-direção: Duna Dias
  • Preparador corporal: Alex Dias
  • Filmagem: Gilberto Goulart
  • Assistente de câmera: Juliana Cancio 
  • Figurino: Daise Guimarães
  • Direção de arte: Taísa Campos 
  • Iluminação: Anna Paula Santos
  • Trilha sonora e técnico de som: Admar Fernandes 
  • Contra-regra: Marrony Gualberto
  • Intérprete de Libras: Uziel Ferreira
  • Audiodescrição: Ver com Palavras
  • Produção: Jo Caravelli, Juliana Cancio e Samuel Carvalho
  • Assistência de produção: Duna Dias, Eduardo Henrique e Luana Magalhães

Projeto realizado com recursos da Lei Aldir Blanc , viabilizado por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais – Edital 18/2020.

Foto do elenco da Cia Ananda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em preto e branco com todo o elenco da Ananda Cia. de Dança Contemporânea. São 20 pessoas, a maioria mulheres, posando para a foto, lado a lado. Algumas das pessoas estão agachadas e outras em pé. Abaixo da fotografia foi adicionada a imagem da capa do Facebook da companhia, com metade em amarelo e outra laranja, com o nome Ananda Cia. de Dança Contemporânea. Créditos: Reprodução/ site ciaananda.com.br | Facebook | Edição JI

SERVIÇO:

Cia Ananda apresenta “Cartas para Irene”

  • Data: Sexta-feira (25/06), às 20h (com transmissão e audiodescrição ao vivo)
  • Link da exibição: https://youtu.be/PZ52ssN0FAg
  • Data: Sábado (26/06), às 19h (com transmissão e tradução em Libras ao vivo, sem audiodescrição)
  • Link da exibição: https://youtu.be/MK5JDmbcNNI
  • Duração: 45 minutos
  • Classificação: livre

LINKS ÚTEIS:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi - Founder & Publisher (MTB: 0089466/SP). Jornalista formado em Comunicação Social (2006), Rafael assina como Editor responsável pelo conteúdo, edição geral e publicações. Autor do projeto Jornalista Inclusivo (JI) nas redes sociais e na Web, foi repórter em jornais impressos e em rádio AM, fotógrafo em navios internacionais de cruzeiro e assessor de imprensa. Ativista social, é criador de conteúdo digital acessível, redator web, e estrategista de marketing digital em mídias sociais.

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.