fbpx

Apresentando a Moda Inclusiva

Apresentando a Moda Inclusiva
Descrição da Imagem: #PraCegoVer - Imagem para o artigo Apresentando a Moda Inclusiva é formada por três fotografias mostra uma modelo em cadeira de rodas, calçando sandália Anabela, saia azul escuro e camiseta azul escuro com listras vermelhas, do lado esquerdo. No centro uma modelo usando prótese de perna, vestindo sandália de salto, calça jeans, bata e casaco. E do lado esquerdo um modelo masculino está sentado, vestindo tênis branco, calça jeans escura e camiseta polo cinza. Fim da descrição | Foto: Divulgação by Tommy Hilfiger

Você conhece a Moda Inclusiva?

Pode parecer engraçado, quanto mais estudamos e entendemos de um assunto, mais aumenta a nossa responsabilidade, orgulho e claro, o amor pelo tema abordado. Esse é o meu caso! 

Em primeiro lugar, vou me apresentar: meu nome é Izabelle Marques, tenho 27 anos e atualmente sou Gestora da Moda Inclusiva, que é a protagonista desse artigo. 

A moda inclusiva nada mais é do que a chance de uma pessoa com algum tipo de deficiência pertencer ao mundo da moda e do mundo em geral, pois muitas vezes a Pessoa com Deficiência (PcD) não é vista como consumidora economicamente ativa, o que é um grande engano.  

Você sabia que cerca de 69% das PcD’s são capazes, no mais amplo sentido da palavra, e não só podem como desejam consumir moda – essa mesma moda tão divulgada –, porém com algumas adaptações que facilitem o seu dia a dia?  

Conforto, independência, livre arbítrio e a tão falada e, extremamente necessária autoestima, são alguns dos inúmeros benefícios relacionados à possibilidade de podermos escolher uma simples peça de roupa.

As adaptações são sutis, mas necessárias para democratizar a moda, tornando-a viável para todas as pessoas. Tenho certeza de que enquanto estiver lendo este texto você irá pensar: 

“Eu também gostaria dessas adaptações, pois tornariam minha vida mais fácil”.

Modelos apresentando a Moda Inclusiva
Descrição da Imagem: #PraCegoVer - Fotografia com seis modelos, de diferentes idades, sexo e condições físicas. Há um homem com braço amputado, outro que é cadeirante, duas crianças e duas mulheres. Todos vestindo roupas da marca Tommy Hilfiger. Fim da descrição | Foto: Divulgação by Tommy Hilfiger

Algumas das mudanças são:

• Ao invés de zíper, a calça pode ter um velcro.

• O cós da calça deve ser alto. (A cintura baixa incomoda bastante gente!) 

• A barra da calça deve ter uma elasticidade maior, pois em alguns casos a pessoa pode ter uma sonda uretral com coletor de perna e precisa de espaço para acomodá-lo por debaixo da calça.

Já a parte de cima, como blusas, camisas, paletós femininos e masculinos, devem ser um pouco mais curtas para não sobrar tecido e atrapalhar na hora de tocar a cadeira de rodas, no caso de um cadeirante. 

Se a pessoa tiver um membro amputado, seria interessante que se considere o local da amputação com o tamanho correto, para não sobrar ou faltar pano. 

Por falar em tecidos, os melhores são aqueles que não fazem o corpo suar tanto, pois o calor excessivo pode causar feridas de atrito, as famosas e nada amigáveis escaras.

Em um próximo texto explicarei com mais detalhes as adaptações específicas para cada necessidade da pessoa com deficiência, afinal somos diferentes mesmo tendo aparentemente a mesma patologia.

O mais importante é o reconhecimento de que, antes de termos alguma deficiência, somos pessoas. E se isso ficar claro para todos, estaremos indo no caminho certo.

Logicamente existe uma cultura a ser construída, que tem por objetivo promover a moda inclusiva como direito e possibilidade de expressão da identidade das pessoas. Tenho sido defensora e conhecedora desses benefícios, visto que cadeirante que sou, defendo esses conceitos todos os dias.

Tommy Hilfiger Apresentando a Moda Inclusiva
Descrição da Imagem: #PraCegoVer - Os mesmos três modelos da primeira imagem estão juntos, na mesma fotografia, dessa vez acompanhados por um jovem e duas crianças, todos vestindo roupas da marca Tommy. Fim da descrição | Foto: Divulgação by Tommy Hilfiger

Sabe por que tenho certeza absoluta que a moda inclusiva vai longe?

Porque ela surge da necessidade real de um determinado grupo de pessoas. Uma curiosidade sobre mim que ainda não contei é que sou apaixonada por moda, tanto quanto sou apaixonada por inclusão e, para mim o resultado da equação Inclusão + Necessidade é Moda inclusiva. 

Talvez, com alguma outra variação, Coco Channel  também tenha tido suas próprias necessidades quando começou a desenhar suas roupas para poder trabalhar, encantando o mundo da moda com suas criações.

Termino esse pequeno texto deixando uma afirmação que precisa ser considerada para que possamos tornar a moda acessível e diversificada para todos: moda inclusiva é moda, nunca em hipótese nenhuma se esqueçam disso!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Belly Palma

Belly Palma

Izabelle é formada em administração de empresas, ativista na causa da Pessoa com Deficiência, e Gestora do programa de Moda Inclusiva da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo (SEDPcd). Consultora de Negócios Inclusivos, é responsável pela coluna “Inclusão & Moda, um Match Perfeito!”, aqui no site Jornalista Inclusivo.

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.