fbpx

Alzheimer e a COVID-19 são destaques da AAIC de 2021

Imagem de capa ilustrando a matéria sobre “Alzheimer e COVID-19”, com fotografia e o logo da AAIC 2021, descritos na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa ilustrando a matéria sobre “Alzheimer e a COVID-19”, com fotografia e o logo da AAIC 2021, sigla em inglês para “Alzheimer’s Association International Conference”. A fotografia mostra um casal de idosos, formado por um homem e uma mulher, ambos de pele negra. Eles estão de braços dados, sorrindo, em um jardim. O homem tem cabelos grisalhos, usa blusa escura e calça clara. A mulher também tem cabelos grisalhos, usa óculos de grau e um xale marrom. Ao fundo há uma casa. Créditos: Divulgação/ AAIC 2021

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Conheça os principais dados apresentados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer

A relação Alzheimer e a COVID-19, que tem sido associada a disfunção cognitiva de longo prazo e aceleração dos sintomas da doença de Alzheimer, está entre as principais pesquisas inéditas apresentadas na conferência deste ano

Pesquisas apresentadas na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer  (AAIC) de 2021 sugerem que a COVID-19 está associada à disfunção cognitiva de longo prazo e à aceleração da patologia e dos sintomas da doença de Alzheimer. Esses estudos estavam entre várias pesquisas inéditas apresentadas na AAIC de 2021.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

“Esses novos dados apontam para tendências perturbadoras que mostram que infecções pela COVID-19 resultam em danos cognitivos duradouros e até mesmo sintomas da doença de Alzheimer”, disse Heather Snyder, PhD, vice-presidente de relações médicas e científicas da Associação de Alzheimer. “Com mais de 190 milhões de casos e quase quatro milhões de mortes em todo o mundo, a COVID-19 causou uma devastação mundial. É essencial que continuemos a estudar o que esse vírus está fazendo com nossos corpos e cérebros.”

Outros novos dados relatados na AAIC de 2021 incluem:

  • Melhorar a qualidade do ar pode reduzir o risco de demência;
  • Estima-se que a prevalência mundial de demência quase triplique, chegando a mais de 152 milhões de casos até 2050;
  • Adultos transgêneros e de gênero não-binário nos Estados Unidos apresentam maior probabilidade de relatar redução de memória e de raciocínio, limitações funcionais e depressão do que indivíduos cisgêneros;
  • Comunidades negras, historicamente sub-representadas em pesquisas de demência, são mais dispostas a participar se forem convidadas, querem contribuir para o objetivo do estudo ou têm um membro da família com demência.

Com a aceleração da aprovação do aducanumabe (Aduhelm, Biogen/Eisai) pela Agência de Medicamentos e Alimentos dos EUA (FDA) para deficiência cognitiva leve (MCI, na sigla em inglês) e doença de Alzheimer leve, há nova energia e interesse em outros tratamentos no pipeline terapêutico de Alzheimer/demência. Os relatórios da AAIC de 2021 incluíram novos dados e análises dos medicamentos anti-amiloide mais avançados em estágio experimental –donanemabe (Eli Lilly) e lecanemabe (Biogen/Eisai) – além de uma ampla variedade de outras abordagens, como estratégias anti-Tau, metas anti-inflamatórias, neuroproteção e medicina regenerativa.

Fotografia em área interna, de Maria C. Carrillo, diretora científica da Alzheimer’s Association.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área interna, de Maria C. Carrillo, diretora científica da Alzheimer’s Association, dando as boas-vindas aos mais de 10.000 participantes presenciais e virtuais da AAIC 2021. Mulher branca de pele parda, cabelos pretos na altura dos ombros, no palco da conferência. Usa casaco vermelho e discursa ao microfone. Créditos: Divulgação/ AAIC 2021

“Como a principal organização voluntária de saúde na pesquisa, tratamento e apoio do Alzheimer, a Associação de Alzheimer acredita que estamos vivendo em uma nova era de avanços. Estamos vendo, na AAIC deste ano, dezenas de abordagens de tratamento inovadoras que estão ganhando impulso em ensaios clínicos”, disse Maria C. Carrillo, PhD, diretora de ciência da Associação de Alzheimer. 

Ainda na apresentação, Maria C. Carrillo explica que “o Alzheimer é uma doença cerebral complexa e, provavelmente, precisará de diversas estratégias de tratamento que abordem a doença de várias maneiras diferentes ao longo de sua evolução. Esses tratamentos, uma vez descobertos e aprovados, podem ser combinados e se tornar terapias combinadas poderosas.”

A conferência AAIC é o principal fórum anual para apresentação e discussão das pesquisas mais recentes sobre a doença de Alzheimer e demência. O evento híbrido da conferência deste ano foi realizado tanto virtual quanto presencialmente em Denver e contou com mais de 11 mil participantes e mais de três mil apresentações científicas.

Fotografia em área interna, onde estão reunidos os participantes da sessão híbrida da AAIC 2021.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área interna, onde estão reunidos os participantes da sessão híbrida da AAIC 2021, realizada entre 26 e 29 de julho, em Denver, nos EUA. Em um grande salão, diversas pessoas estão sentadas, com distanciamento, acompanhando os trabalhos presenciais e online. Créditos: Divulgação/ AAIC 2021
CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

COVID-19 associada à disfunção cognitiva de longo prazo e à aceleração dos sintomas da doença de Alzheimer

Muito se tem aprendido sobre o SARS-CoV-2, o vírus que causa o novo coronavírus, desde o início da pandemia da doença COVID-19. No entanto, ainda há dúvidas sobre o impacto de longo prazo do vírus em nossos corpos e cérebros. Novos dados apresentados na AAIC de 2021 pela Grécia e pela Argentina sugerem que adultos mais velhos frequentemente sofrem de deficiência cognitiva de longo prazo, incluindo falta de olfato persistente, após recuperação da infecção pelo SARS-CoV-2.

Esses novos dados são os primeiros relatórios de um consórcio internacional – que inclui a Associação de Alzheimer e equipes de quase 40 países – que estão pesquisando os efeitos de longo prazo da COVID-19 sobre o sistema nervoso central.

Melhorar a qualidade do ar reduz o risco de demência, de acordo com vários estudos

Melhorar a qualidade do ar pode melhorar a função cognitiva e reduzir o risco de demência, de acordo com vários estudos relatados na AAIC de 2021. Entre as principais descobertas estão:

  • A redução do material particulado fino (PM2.5) e de poluentes relacionados ao tráfego (NO2) ao longo de dez anos foi associada a reduções de 14% e 26%, respectivamente, no risco de demência e na perda cognitiva mais lenta em mulheres idosas dos EUA, de acordo com os resultados do Estudo de Memória da Iniciativa de Saúde Feminina-Epidemiologia dos Resultados Cognitivos da Saúde (WHIMS-ECHO).
  • Em um estudo francês, a diminuição da concentração de PM2.5 ao longo de dez anos foi associada a uma redução de 15% no risco de demência por todas as causas e 17% no risco de doença de Alzheimer.
  • A exposição de longo prazo a poluentes do ar foi associada aos níveis mais altos de beta-amiloide em uma grande coorte dos EUA, mostrando uma possível ligação biológica entre a qualidade do ar e alterações físicas no cérebro que definem a doença de Alzheimer, de acordo com uma equipe da Washington University.
Médico avalia ressonância de cérebro com Alzheimer.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia mostra a mão de uma pessoa branca, segurando uma caneta, enquanto avalia a ressonância magnética de um cérebro acometido pela doença de Alzheimer. Créditos: iStock

Casos mundiais de demência com previsão de triplicar até 2050

Estima-se que tendências positivas no acesso global à educação diminuam a prevalência mundial de demência em 6,2 milhões de casos até o ano de 2050. Entretanto, estima-se que as contratendências previstas no aumento do tabagismo, alto índice de massa corporal e alto nível de açúcar no sangue aumentem sua prevalência quase na mesma medida, com 6,8 milhões de casos. Uma equipe da University of Washington modelou essas projeções sobre dados de saúde coletados e analisados por um consórcio mundial de pesquisadores entre 1990 e 2019 como parte do estudo Global Burden of Disease. Também foi reportado na AAIC 2021 que:

  • A cada ano, estima-se que 350 mil indivíduos desenvolvam demência com início precoce (antes dos 65 anos) em todo o mundo, de acordo com pesquisadores da Holanda. Para atender à necessidade de serviços para essa população, a Associação de Alzheimer ajudou a lançar o Estudo Longitudinal da Doença de Alzheimer com Início Precoce (LEADS)  para analisar a progressão do início precoce da doença.
CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 
  • De acordo com pesquisadores da Emory University, de 1999 a 2019, a taxa de mortalidade dos EUA em decorrência da doença de Alzheimer na população em geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100 mil habitantes, um aumento de 88%. Entre todas as regiões dos EUA, as taxas de mortalidade por Alzheimer foram mais altas nas zonas rurais da região centro-sudeste dos EUA, onde a taxa de mortalidade por Alzheimer é de 274 por 100 mil habitantes com mais de 65 anos. A mortalidade por Alzheimer mais baixa foi encontrada na região do Meio-Atlântico.

Adultos transgêneros com maior probabilidade de sofrer perda cognitiva subjetiva e depressão

Adultos transgêneros e de gênero não-binário nos Estados Unidos têm maior probabilidade de relatar redução da memória e do raciocínio, limitações funcionais e depressão, em comparação com adultos cisgêneros (não transgêneros), de acordo com dois estudos relatados na AAIC de 2021. Os resultados principais incluem:

  • Adultos transgêneros – indivíduos que se identificam com um gênero diferente daquele atribuído a eles no nascimento – foram quase duas vezes mais propensos a relatar piora na confusão mental ou perda de memória (perda cognitiva subjetiva, ou SCD, na sigla em inglês) e mais do dobro da probabilidade de relatar limitações funcionais relacionadas à SCD, como redução da capacidade de trabalhar, voluntariar-se ou socializar, de acordo com pesquisadores da Emory University.
Participantes da AAIC de 2021, com destaque para a relação do Alzheimer e a COVID-19.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área interna, com duas participantes vendo pôsteres durante a conferência. São duas mulheres, uma negra e outra branca, usando máscaras de proteção e crachá da AAIC de 2021. Créditos: Divulgação/ AAIC 2021
  • A prevalência de depressão foi significativamente maior para adultos transgêneros e de gênero não-binário (indivíduos que se identificam fora do binário masculino/feminino) (37%), em comparação com adultos cisgêneros (19,2%), de acordo com uma equipe da Wisconsin University.
  • Pouco se sabe sobre demência e deficiência cognitiva entre indivíduos transgêneros. No entanto, adultos transgêneros apresentam um maior número de disparidades de saúde consideradas fatores de risco para a demência, como doenças cardiovasculares, depressão, diabetes, tabagismo/alcoolismo e obesidade. As desigualdades sociais também podem desempenhar um papel no aumento do risco de deficiência cognitiva.

Abordando a diversidade nos estudos clínicos da doença de Alzheimer

Na AAIC de 2021, o Instituto Nacional sobre o Envelhecimento (NIA), que faz parte dos institutos nacionais de saúde dos EUA, lançou uma nova ferramenta online, a Outreach Pro, para ajudar pesquisadores e médicos a aumentar a conscientização e a participação em estudos clínicos sobre a doença de Alzheimer e outras demências, principalmente entre as comunidades tradicionalmente sub-representadas. Outros resultados importantes relatados primeiramente na AAIC 2021 incluem:

  • Historicamente, indivíduos sub-representados estão mais dispostos a se voluntariar para um estudo clínico se forem convidados a participar (85%), querem contribuir para o objetivo das pesquisas (83%) ou têm um membro da família com a doença (74%), de acordo com uma equipe da Wisconsin University.
Medico com paciente foto Alzheimers Association
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em área interna, com três pessoas, sentadas à mesa. Na imagem um médico calvo, de pele negra, apresenta um panfleto a outra pessoa. O médico usa óculos de grau, jaleco branco e um estetoscópio pendurado no pescoço. Ao seu lado há uma mulher de cabelos grisalhos, na altura dos ombros. Parte do braço de uma terceira pessoa aparece no canto da imagem. Créditos: Alzheimer’s Association
  • Também ficou constatado que os entrevistados afro-americanos, hispânicos/latinos e índios americanos são significativamente mais propensos a se voluntariar se convidados por uma pessoa do mesmo grupo étnico e estão mais preocupados do que os brancos com a interrupção do trabalho e das responsabilidades familiares, com a disponibilidade de transporte e com os cuidados com os filhos.
  • De acordo com os pesquisadores do NIA, os critérios de exclusão de estudos clínicos de Alzheimer comumente utilizados têm o potencial de afetar desproporcionalmente os afro-americanos e hispânicos/latinos, o que pode explicar seu número reduzido de inscrições em pesquisas.
CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores do mundo voltado para a doença de Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC atua como catalisadora para a geração de novos conhecimentos sobre a demência e promoção de uma comunidade de pesquisa vital e coletiva.

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer é uma organização mundial de saúde voluntária dedicada ao cuidado, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Nossa missão é liderar o caminho para acabar com a doença de Alzheimer e com todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, impulsionando a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a qualidade dos cuidados e do apoio. 

Nossa visão é um mundo sem Alzheimer e todas as outras demências.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi

Rafael Ferraz Carpi - Founder & Publisher (MTB: 0089466/SP). Jornalista formado em Comunicação Social (2006), Rafael assina como Editor responsável pelo conteúdo, edição geral e publicações. Autor do projeto Jornalista Inclusivo (JI) nas redes sociais e na Web, foi repórter em jornais impressos e em rádio AM, fotógrafo em navios internacionais de cruzeiro e assessor de imprensa. Ativista social, é criador de conteúdo digital acessível, redator web, e estrategista de marketing digital em mídias sociais.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.