fbpx

Especial Tóquio 2020: Alvos Paralímpicos

Imagem de capa do artigo “Alvos Paralímpicos”, quarta edição da série “Especial Tóquio 2020” (tema sobreposto à imagem, na cor branca). Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa do artigo “Alvos Paralímpicos”, quarta edição da série “Especial Tóquio 2020” (tema sobreposto à imagem, na cor branca). A fotografia de uma pessoa segurando a bandeira branca Olímpica, com os arcos coloridos – que representam a união dos cinco continentes. A pessoa é branca, usa camiseta azul, e segura a bandeira com os braços esticados, acima da cabeça. A imagem de fundo tem tons de azul e violeta. Na lateral direita aparece o logo oficial (em inglês): “Tokyo 2020, Paralympic Games”. Mais abaixo os nomes e os pictogramas das modalidades: “Tiro Esportivo, Tiro com Arco e Bocha Paralímpica”. Créditos: Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

A precisão necessária para conquistar o pódio em Tóquio

Nesta nova edição, Murilo Pereira compartilha conhecimentos sobre três Paradesportos que envolvem a precisão nos alvos paralímpicos

Como telespectadores, estamos habituados com esportes de velocidade e que utilizam a força em suas disputas. No entanto, as modalidades dominadas pela concentração e precisão também podem entregar um alto grau de emoção. Hoje, falaremos do Tiro com Arco Paralímpico, Tiro Esportivo Paralímpico e a Bocha Paralímpica.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

As armas não são somente sinônimos de violência. No universo do Esporte Adaptado , elas protagonizam duas atividades tradicionais para o Brasil. No caso do Tiro com Arco Paralímpico, ele abrange várias deficiências: amputados, paralisados, paralisados cerebrais, doenças disfuncionais e progressivas e lesionados da coluna. Esses praticantes são divididos em três grupos:

  • ARST, envolvendo pessoas sem deficiência nos braços, mas com limitações leves nas pernas, que podem atirar em pé ou sentados;
  • ARW1, com participantes que tem deficiências nos braços e pernas, com limitação de movimento e pouco ou nenhum controle de tronco;
  • ARW2, para indivíduos que necessitam do uso diário de cadeira de rodas, competindo juntamente com o ARST.
Fotografia do atleta Paralímpico de Tiro com Arco e Tiro Esportivo, Helcio Perillo. Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do atleta Paralímpico de Tiro com Arco e Tiro Esportivo, Helcio Perillo. Homem calvo de pele parda. Na imagem, durante a II Copa Brasil de Tiro Esportivo 2015, Hélcio está de costas, prestes a disparar a carabina. Ele usa agasalho azul, preto e vermelho. Créditos: Tomás Faquini/CPB/mpix

As regras de jogo são as mesmas da versão olímpica, sendo que o alvo fica a 70 metros do atirador e seu diâmetro é de 1,22 m. Dentro dele, existem 10 círculos, os quais têm uma pontuação específica. O mais externo vale um ponto e o central vale 10 pontos. No Brasil, alguns dos principais praticantes do Tiro com Arco são: Helcio Perillo (que também pratica o Tiro Esportivo/foto acima) e Jane Karla Rodrigues.

Além dos arcos, outro equipamento que realiza disparos rumo às medalhas é a pistola. Ela é a ferramenta de trabalho no Tiro Esportivo Paralímpico. O Paradesporto abre espaço para pessoas com dificuldade de mobilidade das mais diversas formas, mas as separa em três classes funcionais, a fim de manter a lealdade esportiva:

  • SH1, para os atiradores necessitam de apoio para sua arma;
  • SH2, para aqueles que não precisam de auxílio;
  • SH3, é exclusiva para atletas com deficiência visual.
Fotografia do atleta Paralímpico de Tiro Esportivo, Geraldo Von Rosenthal. Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do atleta Paralímpico de Tiro Esportivo, Geraldo Von Rosenthal. Na imagem, durante a II Copa Brasil de Tiro Esportivo 2015, ele aparece de costas, segurando a pistola com o braço esquerdo esticado, em momento de concentração para acertar o alvo. Tem a pele branca e cabelos castanhos, usa agasalho da Seleção Brasileira, na cor amarela, óculos de proteção e protetor auricular. Créditos: Tomás Faquini/CPB/mpix

Para as disputas, os atiradores usam pistolas ou carabinas, dependendo da distância do alvo, que pode ser de 10, 25 ou 50 metros. Todos os confrontos podem ocorrer em pé ou deitado. No Tiro Esportivo Brasileiro, algumas referências são: Alexandre Augusto Galgani e Geraldo Von Rosenthal (foto acima).

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Outra modalidade que vem garantindo pódios seguidos para nosso país é a Bocha Paralímpica. Ela parte do mesmo princípio do esporte convencional: o de aproximar as bolas coloridas da bola alvo, sinalizada pela cor branca. As partidas podem acontecer de forma individual, em pares ou equipes. A prática engloba Pessoas com Deficiência Física, divididas em três categorias:

  • BC1, para jogadores que conseguem lançar as bolas sem auxílio de objeto externo, mas que precisam de ajuda para locomover a cadeira de rodas ou pegar o material;
  • BC2 é uma classe semelhante à anterior, mas os Paratletas não precisam de nenhum tipo de auxílio;
  • BC3, aos competidores com maior nível de comprometimento e que, por isso, fazem o uso de uma calha para executar os lançamentos. Tal acessório é administrado pelo calheiro, um profissional que fica de costas para o jogo e comunica-se com o praticante apenas pelo gestual;
Treino de Bocha no CT Paralimpico Ale CPB
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do atleta de Bocha Paralímpica, Maciel Santos. Homem de pele cor parda e cabelos pretos curtos. Na imagem, durante Treino de Bocha no CT Paralímpico, em São Paulo, Maciel está realizando o lançamento da bola colorida, que deve se aproximar da bola alvo. Ele usa camiseta amarela e está sentado na cadeira de rodas. Créditos: Ale Cabral/CPB
  • BC4 é para os indivíduos com lesões não cerebrais e que também não precisam de ajuda para jogar. José Carlos Chagas (BC1), Maciel Santos (BC2), Evani Soares (BC3) e Eliseu dos Santos (BC4), são representantes da modalidade.

Símbolos de esperança no Esporte Paralímpico, nossos Paratletas irão com concentração total em cada movimento nas disputas em Tóquio, garantindo a permanência no topo das modalidades de precisão.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Murilo Pereira

Murilo Pereira

O Jornalista Murilo Pereira dos Santos é Paratleta pela categoria BC1 de Bocha Paralímpica Ituana. Ele é editor do "Prosa de Gol" (@prosadegol), nas redes sociais, e da página "Sem Barreiras" (@_sem_barreiras), esta última oriunda do seu blog, que também dá nome a sua coluna aqui no site Jornalista Inclusivo, sobre paradesporto e outras questões relacionadas a paralisia cerebral, acessibilidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.