fbpx

SMPED realiza evento ‘Você Nos Vê?’ para celebrar Dia Internacional da Trissomia 21

Banner de divulgação do evento “Você nos Vê – Síndrome de Down?”, com fotos dos participantes e informações na descrição.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte colorida de divulgação, com fotos e título na cor amarela, centralizado na parte superior: “Você Nos Vê? Síndrome de Down”. Sobre o plano de fundo com imagem de prédios em preto e branco, aparecem as fotos dos convidados, em formato de círculo, com moldura amarela: Joana Mocarzel, Dudu do Cavaco com seu irmão e de Tathi Piancastelli. Abaixo, há dois retângulos com moldura amarela, com as informações: “Instituto Olga Kos – Inclusão Cultural, apresentação de Taekwondo e Karatê; Companhia Circodança Suzie Bianchi, Vida de Circo”. (Imagem: Divulgação/Editada. Créditos: Assessoria de Comunicação/Prefeitura de SP)

Utilize recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão da lateral esquerda. Para tradução em Libras, acione a Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Com transmissão no YouTube da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de SP, o ‘Você Nos Vê?’ terá palestras e intervenção artística nessa quinta-feira (24)

Conteúdo do artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Boa leitura!

    No próximo dia 24 de março, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) vai realizar a segunda edição do “Você nos Vê?”, dessa vez dedicado ao Dia Internacional da Trissomia do Cromossomo 21 (síndrome de Down) celebrado anualmente em 21 de março.

    O evento acontece a partir das 10h, na Biblioteca Mário de Andrade, no centro da capital paulista. A programação, de acordo com nota enviada a imprensa, contará com palestras, apresentações artísticas e esportivas.

    CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

    Programação

    Quem abre a celebração são atletas de Taekondo e Karatê do Instituto Olga Kós . Após a abertura, o ciclo de palestras terá início com a atriz Joana Mocarzel . A artista ficou conhecida quando interpretou, em 2006, a personagem Clarinha na novela Páginas da Vida, da TV Globo.

    O próximo a se apresentar é o músico Dudu do Cavaco , conhecido como o primeiro artista com trissomia 21 a gravar um DVD. Ao longo da carreira já realizou mais de 150 palestras musicadas e ultrapassou os 80 shows. Ele e seu irmão Leonardo estão à frente do Instituto Mano Down , ONG mineira que há mais de 10 anos trabalha pela inclusão da pessoa com deficiência intelectual.

    Na sequência, a última palestra do dia fica por conta da atriz, escritora e influenciadora digital Tathi Piancastelli . Ela, que também é modelo, já atuou e teve uma de suas peças apresentada no exterior, o que lhe rendeu o prêmio de ganhadora do Brazilian Press Award 2016, como o melhor espetáculo brasileiro apresentado nos EUA.

    Imagem com fotos dos três participantes, Joana Mocarzel, Dudu do Cavaco e Tathi Piancastelli. Descrição na legenda.
    Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte dividida em três partes, com fotografias e os nomes dos participantes. À esquerda está Joana Mocarzel, jovem mulher de pele clara e longos cabelos castanhos. Está com o queixo levemente apoiado na mão sua mão esquerda. No centro está Dudu do Cavaco, homem branco com cabelos pretos. Está tocando instrumento de percussão. Na sequência, a Tathi Piancastelli, mulher branca com cabelos loiros compridos. Faz pose com a mão direita na cintura. (Imagem: Edição. Créditos: Rede social)

    Todos os palestrantes são militantes da causa pelos direitos da pessoa com deficiência e participam desse dia com o objetivo de compartilhar suas histórias pessoais, mas também informar e conscientizar a importância da inclusão das pessoas com trissomia 21.

    Para fechar o evento, haverá uma apresentação da Cia Circodança Suzie Bianchi , com um espetáculo que faz a união de três grandes artes: o circo, a dança e o teatro. No elenco, artistas circenses e bailarinos, com e sem deficiência.

    SERVIÇO:

    Você Nos Vê? Síndrome de Down

    • Data: Quinta-feira, 24 de março
    • Horário: Das 10h às 12h
    • Onde: Transmissão no Youtube/SMPEDSP
    CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 
    SOBRE O INSTITUTO OLGA KOS

    Fundado em 2007, o Instituto Olga Kos (IOK) é uma organização sem fins lucrativos, que desenvolve projetos artísticos, esportivos e científicos para atender, prioritariamente, crianças, jovens e adultos com deficiência intelectual.

    Também abre espaço para pessoas sem deficiência em vulnerabilidade social, proporcionando trocas de experiências e a inclusão.

    Ao traçar sua rota, o IOK acompanha a trajetória do beneficiário e sua evolução durante a realização das oficinas, adaptando e melhorando as metodologias por intermédio de pesquisas e instrumentos inéditos como o Indicador de Desenvolvimento Olga Kos (Idok) e o Índice Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência Olga Kos (Iniok_pcd).

    Os principais objetivos dos projetos são: estimular a autonomia e o desenvolvimento social da Pessoa com Deficiência por intermédio de suas práticas; melhorar a qualidade de vida, ampliar os canais de comunicação e expressão dos participantes e desenvolver valores como cooperação e solidariedade.

    SOBRE A CIA CIRCODANÇA

    A Cia Circodança Suzie Bianchi, no bairro do Campo Belo, nasceu despretenciosa. Mas como uma criança, cresceu. Desenvolveu. E hoje tornou-se uma das principais referências no ensino e divulgação do circo e da dança no Brasil. Não como artes separadas, mas circodança. Uma palavra, com um único significado. Aqui, circodança, é uma única arte que pode ser praticada por todos: crianças, adolescentes, adultos, idosos, deficientes. Cada um seguindo seu ritmo.

    Hoje a Cia Circodança, que continua no bairro do Campo Belo, conta com três divisões: a escola, a companhia artística e o departamento de eventos corporativos. A escola oferece aulas de circo, dança, yoga, musicoterapia e um desenvolve um trabalho específico para pessoas com deficiência. A mesma estrutura da escola, que conta com profissionais qualificados em cada técnica, pode ser contratada e levada para escolas particulares, como uma disciplina opcional. Em 2011, a Cia Circodança criou um grupo artístico profissional, com um elenco de 14 artistas, dos quais metade possui algum tipo de deficiência.

    O trabalho desenvolvido pela Cia Circodança é reconhecido internacionalmente. Em setembro de 2011, Suzie foi convidada para fazer um workshop de dança inclusiva em Nova York, nos Estados Unidos.

    O departamento de eventos corporativos tem promovido workshops para empresas. É um serviço que tem sido ministro com frequência em vivências e treinamentos promovidos pelos RHs. “É possível utilizar técnicas de circo e dança para atingir resultados nos negócios”, diz Suzie.

    Compartilhar no whatsapp
    Compartilhar no facebook
    Compartilhar no twitter
    Compartilhar no linkedin
    Compartilhar no telegram
    Compartilhar no email
    Jornalista Inclusivo
    Jornalista Inclusivo

    Da Equipe de Redação

    Todas

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Este site usa Cookies

    Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

    Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.