Risco de morte precoce é maior para pessoas com deficiência, alerta OMS

Estudante em cadeira de rodas em quadra poliesportiva. Veste camiseta branca e bermuda azul. Ao fundo, outros alunos com o mesmo uniforme. Créditos UNICEF/UN0592190. Risco de morte precoce por desigualdades na saúde, diz relatório da OMS.
“Desigualdades na saúde elevam o risco de morte precoce em 20 anos.” (Imagem: Reprodução. Foto: UNICEF/UN0592190)

Relatório publicado hoje (02) informa que, por desigualdades na saúde, pessoas com deficiência correm risco de morrer até 20 anos antes do que aquelas sem deficiência

Genebra, 2 de dezembro (WHO) – Um novo relatório da Organização Mundial da Saúde mostra evidências de um risco maior de morte prematura e doenças entre muitas pessoas com deficiência em comparação com outras na sociedade.

Conteúdo do artigo
    Add a header to begin generating the table of contents
    Scroll to Top

    Boa leitura!

    Publicidade

    Desigualdades na saúde: Risco de morte precoce

    O Relatório Global sobre Equidade na Saúde para Pessoas com Deficiência , publicado nesta sexta-feira (02), em inglês, mostra que, devido às iniquidades sistêmicas e persistentes na saúde, muitas pessoas com deficiência correm o risco de morrer muito mais cedo – até 20 anos antes – do que as pessoas sem deficiência. Eles têm um risco aumentado de desenvolver condições crônicas, com até o dobro do risco de asma, depressão, diabetes, obesidade, doenças bucais e derrame.

    “Muitas das diferenças nos resultados de saúde não podem ser explicadas pela condição de saúde subjacente ou deficiência, mas por fatores evitáveis, injustos e injustos”, informa a assessoria da OMS.

    Lançado antes do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, o relatório mostra que o número de pessoas com deficiência significativa em todo o mundo aumentou para 1,3 bilhão (ou uma em cada seis pessoas). Este número reforça a importância de alcançar a participação plena e efetiva das pessoas com deficiência em todos os aspectos da sociedade e incorporar os princípios de inclusão, acessibilidade e não discriminação no setor da saúde.

    Fatores injustos: principais causas de disparidades

    O relatório enfatiza a necessidade de ação urgente para abordar as vastas desigualdades na saúde causadas por fatores injustos e desleais nos sistemas de saúde. Esses fatores – que respondem por muitas das diferenças nos resultados de saúde entre pessoas com e sem deficiência – podem surgir de três formas:

    1. Atitudes negativas dos profissionais de saúde;
    2. Informações de saúde em formatos que não podem ser compreendidos;
    3. Dificuldades de acesso a um centro de saúde devido ao ambiente físico, falta de transporte ou barreiras financeiras.
    “Os sistemas de saúde devem aliviar os desafios que as pessoas com deficiência enfrentam, e não aumentá-los”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Este relatório lança luz sobre as desigualdades que as pessoas com deficiência enfrentam ao tentar acessar os cuidados de que precisam. A OMS está empenhada em apoiar os países com as orientações e ferramentas necessárias para garantir que todas as pessoas com deficiência tenham acesso a serviços de saúde de qualidade.”

    Com cerca de 80% das pessoas com deficiência vivendo em países de baixa e média renda, onde os serviços de saúde são limitados, lidar com as desigualdades na saúde pode ser um desafio. No entanto, mesmo com recursos limitados, muito pode ser alcançado.

    Oportunidades para um setor de saúde inclusivo

    Reconhecendo que todos têm o mesmo direito ao mais alto padrão de saúde possível, o relatório fornece uma importante análise econômica da adoção de uma abordagem inclusiva da deficiência. Isso mostra que investir em um setor de saúde inclusivo para PcDs é rentável.

    A OMS calcula que os governos poderiam esperar um retorno de cerca de US$ 10 (dez dólares) para cada US$ 1 (um dólar) investido na prevenção e tratamento de doenças não transmissíveis incluindo diversas deficiências. Além disso, o planejamento familiar e a vacinação são ‘custo-efetivos’ quando implementados de maneira inclusiva.

    Casal com deficiência, bebê com lábio leporino e garoto segurando bola. Sobreposição dos logos da OPAS e OMS - alertando que desigualdades na saúde elevam o risco de morte precoce de muitas pessoas com deficiência.
    Descrição da imagem #PraGeralVer: Montagem com três fotografias presentes no ‘Relatório Global da OMS’. Na primeira foto há duas pessoas com deficiência abraçadas, um homem em pé e uma mulher em cadeira de rodas. No centro a foto de bebê com lábio leporino e por último a imagem de garoto segurando uma bola. No rodapé, os logos da OPAS e OMS. (Imagem: Edição de arte. Foto: World Health Organization)

    Ações direcionadas e abrangentes em todo o setor da saúde

    O relatório descreve 40 ações em todo o setor da saúde a serem tomadas pelos governos, com base nas evidências mais recentes de estudos acadêmicos, bem como em consultas a países e à sociedade civil, incluindo organizações que representam pessoas com deficiência. Essas ações variam de acordo com o nível de recursos e abordam, desde a infraestrutura física, até o treinamento de profissionais de saúde e assistência social.

    Garantir a equidade na saúde para pessoas com deficiência também trará benefícios mais amplos e poderá promover as prioridades globais de saúde de três maneiras:

    1. Aequidade na saúde para todos é fundamental para alcançar a cobertura universal de saúde;
    2. Intervenções de saúde pública inclusivas que são administradas equitativamente em diferentes setores podem contribuir para populações mais saudáveis;
    3. Oavanço da equidade em saúde para pessoas com deficiência é um componente central em todos os esforços para proteger a todos em emergências de saúde.

    “Abordar as desigualdades de saúde para pessoas com deficiência beneficia a todos”, disse o Dr. Bente Mikkelsen, Diretor da OMS para Doenças Não Transmissíveis. “Pessoas mais velhas, pessoas com doenças não transmissíveis, migrantes e refugiados, ou outras populações frequentemente não alcançadas, podem se beneficiar de abordagens que visam os desafios persistentes para a inclusão da deficiência no setor de saúde.”

    Ela acrescentou: “Pedimos aos governos, parceiros de saúde e sociedade civil que garantam que todas as ações do setor de saúde sejam inclusivas para pessoas com deficiência, para que possam desfrutar de seu direito ao mais alto padrão de saúde”.

    Publicidade

    Contexto atual

    De acordo com a lei internacional de direitos humanos e a legislação interna de muitos países, os governos têm a obrigação de abordar as desigualdades na saúde para que as pessoas com deficiência tenham o mesmo direito de alcançar o mais alto padrão de saúde possível.

    Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência , que tem 185 signatários, compromete os países a fornecer às pessoas com deficiência o mesmo alcance, qualidade e padrão de cuidados de saúde acessíveis prestados a outras pessoas em igualdade de condições.

    A OMS trabalha com os Estados Membros, parceiros globais, organizações representativas de pessoas com deficiência, entre outros, na tradução das recomendações deste relatório em ações nos países. Isso inclui o desenvolvimento de um Guia de ação para a inclusão da deficiência no setor da saúde, que é uma ferramenta de planejamento estratégico nacional para apoiar os países a fazer as mudanças necessárias para alcançar a equidade na saúde para pessoas com deficiência.

    Rafael F. Carpi
    Rafael F. Carpi

    Jornalista, editor nas iniciativas Jornalista Inclusivo e PCD Dataverso. Formado em Comunicação Social em 2006, foi repórter, assessor de imprensa, executivo de contas e fotógrafo. É consultor em acessibilidade e inclusão, ativista dedicado aos direitos da pessoa com deficiência e redator na equipe Dando Flor.

    LinkedIn

    Deixe um comentário