fbpx

Espetáculo infantil acessível, ‘O Musical da Passarinha’ estreia em SP no próximo dia 19

Imagem de divulgação de “O Musical da Passarinha” e foto da atriz Júlia Sanchez, uma das personagens, mulher negra de pele morena, cabelos cacheados.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de divulgação do espetáculo “O Musical da Passarinha”, com foto e informações em texto: Agência Dramática e Governo do Estado de SP; nome dos atores; texto e direção de Emílio Rogê, música de Eric Jorge e Kiko Pessoa, dramaturgia de Ana Carolina. Na sequência aparecem as informações: Espetáculo acessível em Libras e audiodescrição. Protocolos de segurança. Estreia em 19 de fevereiro, no Teatro Sérgio Cardoso, Sala Paschoal Carlos Magno. Sábado e domingo, 15h, R$40/R$20 – Classificação livre”. Fotografia da atriz Júlia Sanchez, uma das personagens, mulher negra de pele morena, cabelos cacheados e volumosos. Está sorrindo e apoia o queixo nas mãos, que estão fechadas. Usa blusinha de crochê azul e saia marrom. (Foto: Reprodução/Site. Créditos: Rubens Crispim Jr)

Elenco estudou como tornar artes cênicas acessíveis e inclusivas para ‘O Musical da Passarinha’, sobre encontros e despedidas, sonhos e a descoberta da própria voz

Pensado para discutir e promover o acesso a todas as pessoas – com ou sem deficiência – ao teatro, ‘O Musical da Passarinha’, com texto, letras e direção geral de Emílio Rogê, estreia presencialmente no Teatro Sérgio Cardoso, no dia 19 de fevereiro. Os arranjos e a direção musical são de Eric Jorge, que assina as músicas ao lado de Kiko Pessoa.

O espetáculo segue em cartaz até 10 de abril, com sessões aos sábados e domingos, às 15h (exceto nos dias 26 e 27 de fevereiro, quando não há espetáculo). Às sextas, estão programadas apresentações gratuitas, exclusivas para escolas e instituições que atendam crianças com deficiência

“Estamos contando uma história que leva em consideração a vontade de chegar ao maior número de crianças possível, pensando em suas singularidades e necessidades. Foi preciso inventar uma nova gramática teatral, em que nenhum sentido seja destacado em detrimento de outro. Como cantar para quem não ouve? Aprendemos Libras! Como mostrar a encenação para quem não vê? Estamos conhecendo e entendendo a audiodescrição. Assim, formatamos o texto para todas essas linguagens, que, para nós artistas, são pouco conhecidas. E é nosso dever aprendê-las”, conta Rogê.

O professor de Libras, inclusive, tornou-se parte do elenco. Harrison Adams é um ator surdo, muito apaixonado pelas artes cênicas, que tem sido fundamental no processo de criar um espetáculo totalmente inclusivo. Juntam-se a ele os atores e atrizes Júlia Sanchez, Ananza Macedo, Stacy Locatelli, Felipe Hideki, Luísa Grilo e Daniel Costa. 

Foto de duas personagens de O Musical da Passarinha, atrizes negras trocando olhares.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, com duas personagens da peça. À esquerda, personagem feminina, negra, com cabelos black e roupa colorida. Ela interpreta a mãe chamada Carmen, e está olhando para outra pessoa sentada à sua frente, que faz o papel da filha Rita. A personagem que está sentada também é negra, tem longos cabelos cacheados e volumosos e usa roupa azul. Está olhando para cima, oferecendo um pequeno ramalhete de flores e sorrindo. (Foto: Divulgação. Créditos: Rubens Crispim Jr)

Na trama, o público conhece personagens delicados e sonhadores: a menina Rita deseja conhecer o teatro, mesmo vivendo em uma cidade onde não existe o palco; sua mãe Carmen gostaria de voar; e seu melhor amigo Miguel, que é surdo, quer dançar. 

Certo dia, algo milagroso acontece, e esse trio recebe a visita de uma cantora de ópera. Depois desse encontro, a vida ganha outros contornos e voos, convidando os espectadores a descobrir e a imaginar novas possibilidades. 

Por meio de uma narrativa delicada, o musical evoca questões sobre a acessibilidade no teatro. Afinal, quais elementos básicos são necessários para que uma peça aconteça? O ponto de partida para a construção do espetáculo foi uma reflexão do escritor português José Saramago (1922-2010):

“E se as histórias para crianças passassem a ser de leitura obrigatória para os adultos? Seriam eles capazes de aprender realmente o que há tanto tempo têm andado a ensinar?”

Ao mesmo tempo, “O Musical da Passarinha” é uma declaração de amor ao teatro. “Eu acredito muito nessa linguagem, que mudou os rumos da minha vida. Falar de teatro com as crianças é falar de uma esperança crítica. Uma reflexão sobre quem somos e o que podemos ser. Quero que elas desejem de coração estar no teatro, sentindo-se em casa dentro dele, sem qualquer tipo de exclusão”, completa. 

E, em um país onde apenas 23,4% das cidades possuem teatros, sendo que a maioria delas fica na região Sudeste – de acordo com dados da Pesquisa de Informações Básicas Municipais divulgada pelo IBGE em 2015 –, é preciso discutir essas questões. Emílio Rogê está interessado em atrair as pessoas para esse lugar. 

“Quero que todos e todas enxerguem o teatro como esse espaço anárquico das vozes que vão ser ouvidas e enxergadas, cada uma a sua maneira. É um tempo de narrativas singulares, mas que se nutrem em comunidade”, afirma.

Foto com três personagens, um homem e duas mulheres, o nome "O Musical da Passarinha e as logos da produção, apoio institucional e realização.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto colorida, com três personagens da peça e o nome “O Musical da Passarinha”. À esquerda aparece o personagem Miguel, homem branco de cabelos loiros na altura dos ombros. Veste um casaco e está sorrindo. À direita estão as duas personagens Carmen e Rita. No rodapé da imagem, com sobreposição de uma tarja azul estão as logos da produção, apoio institucional e realização. (Foto: Reprodução/Site. Créditos: Rubens Crispim Jr)

EMÍLIO ROGÊ

Mineiro, natural de Luz, Emílio Rogê está em São Paulo desde 2016. Seus últimos trabalhos incluem a direção de movimento do musical “Bertoleza” (Prêmio APCA de Melhor espetáculo do ano – 2020), da Gargarejo Cia Teatral, que cumpriu temporada no SESC Belenzinho. A direção, ao lado de Luiza Gottschalk, de “[ENTRE]” (2019) – peça percurso que cumpriu temporada na Escola Estadual Alarico Silveira. Na Cia. de Teatro Os Satyros (2017/2018), dirigiu e assinou a dramaturgia do espetáculo infantil “Hora de Brincar” e foi coreógrafo dos espetáculos “Pink Star” e “Cabaret Trans Peripatético”. Foi também assistente do diretor Rodolfo García Vázquez nos espetáculos “O Incrível Mundo dos Baldios”, “Pink Star” e “Cabaret dos Artistas”. Pelo núcleo experimental Satyros LAB dirigiu “Sonho de uma noite de verão”, espetáculo em que assinou também a coreografia.  

ERIC JORGE

Compositor, arranjador e operador de mesa, atua como educador e profissional da música há mais de 10 anos. Formado em Música e Musicoterapia, concluiu o curso de sonoplastia na SP Escola de Teatro e participou, como diretor musical, do espetáculo “Bertoleza”, que recebeu o APCA de melhor espetáculo de 2020. Atualmente, está se especializando em engenharia de mixagem e masterização.   

SINOPSE

A história da Passarinha acontece em uma pequena cidade do interior que não tem teatro. Lá mora uma menina que quer muito conhecer essa arte, uma mulher que tem o nome de ópera e sonha em voar e um menino surdo que quer dançar. Um dia, quase que por milagre, eles recebem a visita de uma cantora de ópera. Depois dessa visita-ave-música, a vida ganha outros contornos, outros voos.

SERVIÇO:

  • O Musical da Passarinha’
    (temporada popular)
  • Local: Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno – Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paulo (SP)
  • Temporada: 19 de fevereiro a 10 de abril, aos sábados e aos domingos, às 15h
    (Não acontecem apresentações nos dias 26 e 27 de fevereir)
  • Projeto Escola: Às sextas-feiras, as sessões são gratuitas e exclusivas para escolas e instituições que atendem crianças deficientes.
    (Agendamentos são feitos pelo e-mail agenciadramatica@gmail.com )
  • Ingressos: R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada)
  • Classificação: Livre
  • Informações: https://www.omusicaldapassarinha.com.br/
*Haverá interpretação de libras e audiodescrição em todas as apresentações
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
RFerraz Carpi
RFerraz Carpi

Editor criador do Jornalista Inclusivo. Responsável pelo conteúdo (MTB: 0089466/SP). Formado em Comunicação Social (2006), repórter em jornais impressos, rádio AM, assessor de imprensa e fotógrafo em navios de cruzeiro. Especialista em conteúdo digital acessível, ativista socioambiental e consultor em diversidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.