fbpx

Aquilo De Que Não Se Pode Falar: Espetáculo bilíngue, português e Libras, estreia hoje (8)

Banner de divulgação do espetáculo Aquilo de que não se pode falar. A descrição detalhada está na legenda, abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustração com plano de fundo amarelo claro, e título centralizado, no topo: “Aquilo de que não se pode falar”. Abaixo aparecem as informações: “Direção – Vinicius Armeiro; Dramaturgia – Diogo Liberano; a partir da novela Vaca de Nariz Sutil de Campos de Carvalho; Jhonatas Narciso; Marcelo William da Silva. Na lateral direita, de cima para baixo, se um antebraço e uma aberta sem o dedo indicador. No rodapé, apoio: Este é um projeto selecionado Rumos Itaú Cultural; realização: Roda Produtiva. Créditos: Reprodução Rede Social

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Espetáculo leva à cena dramaturgia pensada na coexistência da língua portuguesa e de sinais

Projeto bilíngue segue em cartaz até 15 de dezembro e faz coabitar duas culturas que pouco dialogam histórica e artisticamente, jogando luz em reflexões sobre a cultura surda

Baseado no livro Vaca de Nariz Sutil – que completou 60 anos em 2020 –, escrito por Campos Carvalho, Aquilo de Que Não se Pode Falar parte da premissa de fazer coexistir, em um mesmo processo de criação, duas línguas e culturas que pouco conversam entre si: Língua Brasileira de Sinais (Libras) e o Português. A dramaturgia textual e a cena lidam com duas formas e forças de linguagem. Deste modo, a encenação projeta uma comunhão peculiar entre ambas as línguas e acolhe possíveis colisões entre elas.

O espetáculo foi contemplado pela edição 2019-2020 do programa Rumos Itaú Cultural e tem temporada de estreia on-line de 8 a 15 de dezembro, sempre às 19h, gratuitamente, com ingressos retirados e exibição pelo Sympla .

Aquilo de que não se pode falar é uma obra que responde a um longo processo. O projeto que dá origem a ela se iniciou em 2016, quando me deparei com o livro Vaca de nariz sutil, de Campos de Carvalho, e o imaginei se tornando espetáculo em um solo de teatro-dança, onde eu viveria o soldado esquizofrênico avassalado pela guerra”, conta Filipe Codeço, idealizador do projeto em parceria com Vinicius Arneiro.

Cena do espetáculo com descrição detalhada na legenda, abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente interno, de um trecho da apresentação do espetáculo. À esquerda, no canto inferior, aparece uma pessoa dentro de um retângulo escuro – como em apresentações com intérprete de Libras. A pessoa está olhando para cima, onde está outro personagem, acendendo um cigarro. Créditos: Andrea Capela/Divulgação

“Foi aí que Vinícius, diretor do espetáculo, lançou a proposta de reavaliarmos o processo e convidarmos um ator surdo para compartilhar a cena comigo, dando corpo a Aristides, personagem que divide um quarto de pensão com o soldado”, complementa o idealizador acrescentando que se encantou com a ideia.

Na obra de Carvalho, embora compartilhem o mesmo quarto, os personagens nada sabem um do outro. No romance, Aristides é um personagem episódico, sempre narrado e apresentado de forma um tanto pejorativa por parte do soldado. “Após conversas com a Erika Rettl, integrante do grupo Moitará, que tem um belo projeto com artistas surdos, reformulamos o projeto”, recorda o idealizador.

Aquilo De Que Não Se Pode Falar é interpretado pelo ator surdo Marcelo William, cuja língua materna é Libras. Codeço é o ator ouvinte e tem o português como matriz.  Ao gerar duas linhas narrativas que se desdobram mutuamente, a dramaturgia se desenvolve sem hierarquia linguística e abre diversas leituras. A peça é um retrato contundente da devastação subjetiva operada pela guerra, além de um convite à reflexão sobre os perigos presentes no discurso e no militarismo em âmbito local e global.

Cena do espetáculo com descrição detalhada na legenda, abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente interno, de trecho da apresentação do espetáculo. À esquerda há uma pessoa em pé, com o rosto escondido atrás da cúpula de um abajur. À direita, no canto inferior, há um monitor onde aparece outro personagem. Em segundo plano, ao fundo, uma grande cortina vermelha. Créditos: Andrea Capela/Divulgação

“Trata-se de um projeto que se orienta pelo desejo de fazer confluir as experiências e os modos de vida por meio das suas diferenças e por intermédio delas. É um caminho sinuoso e de constante aprendizado, por isso revela muito sobre a urgência de buscarmos maneiras de fazer conviver aqueles que diferem entre si. O funcionamento das coisas deste mundo, da forma como elas são, pouco diz respeito às necessidades básicas de uma cidadã ou cidadão surdo, por exemplo”, afirma Arneiro.

Para ele, o termo acessibilidade, hoje em dia, é corrente e é importante que seja assim. Mas também é de grande importância a consciência de que a acessibilidade em si é apenas um passo na busca por equidade de oportunidades, considerando o quanto pessoas surdas são desfavorecidas no acesso à esfera social. “O desafio e o desejo deste projeto é assimilar de maneira artística LIBRAS, criando uma obra em diálogo direto com a cultura surda, que tem para nós uma importância fundante”, conclui o diretor.

Aquilo De Que Não Se Pode Falar

A obra narra o regresso de um soldado que, em campo de batalha, é diagnosticado com esquizofrenia e afastado de suas funções. Ele chega na cidade e aluga uma vaga em um quarto de pensão próximo ao cemitério. Ao entrar no recinto, se depara com um desconhecido, um homem surdo com quem vai dividir o quarto. Na falta de diálogo, ambos se tornam um enigma diante do outro, fazendo com que especulem sobre seus pensamentos e os motivos de serem como são. 

A dramaturgia surda foi criada em um processo de transcriação, compartilhado entre o dramaturgo Diogo Liberano, o ator Marcelo William e os intérpretes de LIBRAS Jhonatas Narciso e Lorraine Mayer. A partir daí absorveu-se, na tessitura dramatúrgica, todo um campo de percepção desse mundo, antes ignorado.

“Como autor, por desconhecer a Língua Brasileira de Sinais, o que fiz foi simplesmente escrever esta narrativa tal como sempre escrevi: por meio da língua portuguesa escrita-falada”, conta Liberato. “Digo ‘simplesmente escrevi’ porque o exercício da encenação esteve o tempo inteiro atento às traduções: tradução das palavras da dramaturgia para a escrita em língua brasileira de sinais; tradução do texto para imagens, ações, movimentos e gestos; penso que este projeto, guiado pelo diretor Vinicius Arneiro, tornou-se um texto feito de muitos textos, um emaranhado de múltiplas línguas e que, nesse sentido, também a dramaturgia é um dos textos que compõem esse emaranhado”, completa.

Banner de divulgação do espetáculo Aquilo de que não se pode falar. A descrição detalhada está na legenda, abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustração com plano de fundo rosa, silhueta de busto e informações. Sobre a silhueta, no centro, texto: Aquilo de que não se pode falar. À esquerda, aparecem as informações: “a partir da nivela Vaca de Nariz Sutil de Campos de Carvalho. Direção de Vinicius Arneiro; dramaturgia de Diogo Liberano; elenco: Felipe Codeço, Jhonatas Narciso, Marcelo William da Silva. Obra concebida em formato bilíngue: Libras/português”. Na lateral direita, texto: “Exibição da peça-filme, 8 a 15 de dezembro de 2021. 15 de dezembro, 19h, conversa com diretor, dramaturgo e elenco. Ingressos gratuitos via Sympla. Faixa etária: 16 anos. Créditos: Reprodução Sympla

As línguas de sinais foram internacionalmente banidas dos ambientes educativos por mais de 100 anos a partir de resoluções de uma conferência de educadores de pessoas surdas – formada, em sua maioria, por ouvintes –, realizada em 1880 em Milão. Os ecos dessa resolução são sentidos até hoje, se manifestando em um quase desconhecimento das línguas de sinais por parte da população ouvinte.

William ressalta sua satisfação com o processo e o resultado que tiveram. “Foi enriquecedor, como ator, viver todo esse dia a dia de trabalho, mesmo que remoto a maior parte do tempo. O texto era muito grande e denso, não foi nada fácil construir essa trajetória”, diz ele contando que, como iniciativa de buscar estratégias que pudessem contemplar a todos de uma forma mais igualitária, foi criado para além dos ensaios, um espaço nomeado GT de LIBRAS.

Ele foi o pontapé fundamental para a compreensão de todo conteúdo que estava em língua portuguesa e com isso pudemos transcriá-lo em LIBRAS. Antes, todo o texto foi traduzido e depois transcrito, com trocas e construções que iam muito além da tradução de um sinal para uma palavra, passava também pela cultura de cada língua e como elas eram estabelecidas. Só depois desse trabalho é que pude estar em cena”, declara.

Rumos 2019 2020 Inscricoes em Libras
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia desfocada com sobreposição do logotipo do edital privado de financiamento de projeto cultural, o Programa Rumos Itaú Cultural. Créditos: Divulgação

SOBRE O RUMOS ITAÚ CULTURAL

Um dos maiores editais privados de financiamento de projetos culturais do país, o Programa Rumos, é realizado pelo Itaú Cultural desde 1997, fomentando a produção artística e cultural brasileira. A iniciativa recebeu mais de 75,8 mil inscrições desde a sua primeira edição, vindos de todos os estados do país e do exterior. Destes, foram contempladas 1,5 mil propostas nas cinco regiões brasileiras, que receberam o apoio do instituto para o desenvolvimento dos projetos selecionados nas mais diversas áreas de expressão ou de pesquisa.

Os trabalhos resultantes da seleção de todas as edições foram vistos por mais de 7 milhões de pessoas em todo o país. Além disso, mais de mil emissoras de rádio e televisão parceiras divulgaram os trabalhos selecionados.

Na última edição, de 2019-2020, os 11.246 projetos inscritos foram examinados, em uma primeira fase seletiva, por uma comissão composta por 40 avaliadores contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país. Em seguida, passaram por um profundo processo de avaliação e análise por uma Comissão de Seleção multidisciplinar, formada por 23 profissionais que se inter-relacionam com a cultura brasileira, incluindo gestores da própria instituição. Foram selecionados 92 projetos.

SERVIÇO:

*Na estreia, excepcionalmente, após a exibição haverá uma breve conversa online, aberta ao público com a presença do elenco e equipe. Acessível em LIBRAS.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo

Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação JI
Editor responsável (MTB: 0089466/SP)

Todos os posts
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.