Acessibilidade no aplicativo ‘Celular Seguro’ é falha, alerta especialista

Mão segurando um smartphone que mostra o aplicativo Celular Seguro aberto, mostrando opções para entrar com o Google e registrar ocorrência.
O novo aplicativo do Governo Federal, que permite bloquear aparelhos roubados, apresenta falhas de comando e de acessibilidade que dificultam sua utilização. (Foto: Vectonauta)

Análise da Acessibilidade do Aplicativo ‘Celular Seguro’ pelo CEO da Biomob e um Guia Passo a Passo para Instalação e Uso.

O programa ‘Celular Seguro’, lançado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em dezembro de 2023, completou pouco mais de um mês de operação. Durante esse período, foram registrados 12.163 alertas de bloqueios de aparelhos, o que representa uma média de 393,4 solicitações por dia. Até o momento, mais de 1,2 milhão de pessoas se cadastraram no programa, com um total de 954 mil telefones inscritos.

Índice do conteúdo


Boa leitura!

Publicidade

Adesão ao aplicativo Celular Seguro

Embora o volume de cadastros no aplicativo Celular Seguro seja considerado satisfatório, Valmir de Souza, empresário, palestrante e consultor em acessibilidade, afirma que os números poderiam ser ainda maiores se o aplicativo fosse ajustado para facilitar seu uso. Segundo ele, pessoas idosas, por exemplo, que são um dos públicos mais necessitados deste tipo de serviço, encontram dificuldades na navegação.

Comandos e Navegabilidade

Valmir de Souza, CEO da Biomob, uma startup especializada em consultoria e soluções de acessibilidade , que também leciona ‘acessibilidade digital’ no Programa de Residência de Software do SERRATEC (Parque Tecnológico Região Serrana) no Rio de Janeiro, alerta que o aplicativo apresenta problemas em áreas como comandos, autenticação e navegabilidade.

“Os comandos devem respeitar as regras de contraste e possuírem textos alternativos para leitores de tela. Além disso, as autenticações devem prever alternativas para pessoas com baixa visão ou cegas enquanto a navegabilidade precisa ser intuitiva e respeitar uma ordem lógica”, avalia.

Acessibilidade para Pessoas com Deficiência

O especialista considera o aplicativo Celular Seguro uma excelente iniciativa para aumentar o nível de segurança em um problema crônico, que é o roubo e furto de celulares. No entanto, o projeto enfrenta os mesmos problemas de sempre no que se refere à acessibilidade.

Ele acrescenta que, embora o Brasil tenha evoluído nas questões de acessibilidade, é de suma importância que os órgãos públicos sirvam de exemplo para que a iniciativa privada siga as diretrizes previstas desde a Constituição Federal de 1988, bem como na Lei Brasileira de Inclusão (Lei Nº 13.146/2015) , entre outras.

Publicidade

Acessibilidade Web no Brasil

O CEO da Biomob apresenta estudos que quantificam o tamanho do desafio. Por exemplo, a pesquisa TIC Web Acessibilidade / Ceweb.br revelou que apenas 0,7% dos portais e páginas sob o domínio gov.br (usados por órgãos governamentais federais, estaduais e municipais, que deveriam ser os melhores exemplos) eram totalmente acessíveis.

Além disso, outro estudo realizado pela BigDataCorp e pelo Movimento Web Para Todos, que também foi publicado aqui, constatou que apenas 0,46% dos 21 milhões de websites do país estavam livres de barreiras para pessoas com deficiência.

Conhecendo o Programa Celular Seguro

Com o objetivo de proteger a população e combater o roubo e o furto de aparelhos celulares em todo o país, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) debateu com entidades setoriais, agências regulatórias e empresas de telefonia e de tecnologia.

Uma das soluções propostas pelo MJSP para reduzir esse tipo de crime é a utilização da própria tecnologia para comunicar o roubo ou o furto e, simultaneamente, garantir o bloqueio do aparelho, dos aplicativos bancários e de eventuais acessos disponíveis no dispositivo móvel.

Para isso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Instituições Financeiras e as Operadoras de Telefonia colaboraram com o Ministério da Justiça e Segurança Pública para desenvolver o projeto, que foi lançado em 19 de dezembro de 2019.

A parceria resultou no Programa Celular Seguro. A partir dele, as instituições que aderiram à iniciativa são alertadas para tomar as providências necessárias para evitar problemas ainda maiores e inutilizar os celulares que são fruto de roubo, furto ou perda.

Publicidade

Passo a Passo para Utilizar o Aplicativo ‘Celular Seguro’

Para garantir a segurança dos seus dispositivos móveis com uma conta de celular, o primeiro passo é baixar o aplicativo oficial do governo federal, chamado ‘Celular Seguro’.

Onde Baixar o Aplicativo

Qualquer pessoa pode baixar o aplicativo ‘Celular Seguro’ na loja de aplicativos do seu celular (Google Play: Link  – App Store: Link ). O aplicativo é gratuito e compatível com os sistemas Android e iOS.

Como se Cadastrar

Após baixar o aplicativo, é necessário realizar o login. Para isso, use o botão ‘Entrar com gov.br’. Você será redirecionado para a página inicial do site gov.br, onde deverá realizar o login usando seu CPF e senha.

Em seguida, você deve ler o documento com a lista de instituições que participam do projeto e aceitar os Termos de Uso e de Privacidade de dados. Clique na opção ‘Concordo’.

Página Inicial do App

A primeira página do aplicativo “Celular Seguro” apresenta três opções principais: “Pessoas de Confiança”, “Registrar Telefone” e “Registrar Ocorrência”. (Primeira imagem mostrada abaixo).

Telas do aplicativo ‘Celular Seguro’ mostrando as funcionalidades de registro e cadastro.
Descrição da imagem: Imagem de três smartphones exibindo diferentes telas do aplicativo ‘Celular Seguro’. Cada tela mostra uma funcionalidade diferente do aplicativo, incluindo opções para registrar telefone, cadastrar contatos e outras funcionalidades relacionadas à segurança do celular. (Foto: Zlatko Plamenov/Freepik)
  • Pessoas de confiança: Ao acessar esse ícone, você terá a opção de cadastrar suas pessoas de confiança. Em casos de roubo, furto ou perda do seu dispositivo, elas poderão criar ocorrências em seu nome.

  • Registrar telefone: O segundo ícone dessa página é onde você deverá registrar seus aparelhos e associá-los diretamente ao seu CPF.

  • Registrar ocorrência: No terceiro ícone, em casos de eventos ou incidentes, você ou a pessoa de confiança cadastrada podem criar as ocorrências de maneira simples e eficaz.

Publicidade

Cadastrar Pessoas de Confiança

Quando você acessa o aplicativo pela primeira vez, perceberá que não há nenhuma pessoa registrada. Para começar, use a opção ‘Cadastrar Contato’.

Assim que você cadastra uma pessoa de confiança, seu aparelho é exibido no perfil do aplicativo dela. Dessa forma, caso algo aconteça com o seu celular, essa pessoa poderá registrar uma ocorrência em seu nome através do aplicativo dela. Portanto, escolha com cuidado!

Para realizar o registro, você deverá preencher o ‘Nome’, o número do ‘CPF’ e do ‘Telefone’, o ‘Email’ do contato escolhido e clicar em ‘Cadastrar’.

Registrar Telefone

No primeiro acesso, você verá a informação ‘Nenhum registro encontrado’, pois ainda não registrou nenhum aparelho. Para começar, escolha a opção ‘Cadastrar Telefone’.

Você poderá registrar quantos dispositivos desejar, sem limite de quantidade. No entanto, é importante lembrar que a linha de cada aparelho deve estar cadastrada no seu CPF. Caso contrário, o ‘Celular Seguro’ não emitirá o alerta caso você precise recuperar o aparelho.

Registrar Ocorrência

Em qualquer caso de roubo, furto ou perda de aparelho celular, tanto você quanto a pessoa de confiança poderão criar uma ocorrência usando o Site ou o Aplicativo. Para isso, siga os próximos passos abaixo.

  1. Acessando o botão ‘Registrar Ocorrência’, você deve selecionar em qual aparelho deseja registrar uma ocorrência, na opção ‘Meus Telefones’ ou em ‘Telefone de Confiança’.

  2. Logo em seguida, você verá uma lista com todos os aparelhos cadastrados. Selecione como opção aquele celular que teve o problema. Aparecerão as informações registradas, como ‘Nome’, ‘Modelo’, ‘Serial’, ‘IMEI’, ‘Número’ e ‘Operadora’, além da ‘Situação’.

Observação: Para informar o número do IMEI – um código de identificação único de cada celular –, você pode encontrá-lo na caixa do produto, na nota fiscal ou digitando *#06# no seu celular.

  1. Para criar uma ocorrência, é necessário clicar no botão ‘Alerta’. Na sequência, para emitir o alerta, você deverá preencher a ‘Data’ do ocorrido, eleger o ‘Tipo de situação’, ‘Hora’, ‘Estado’ e ‘Cidade’. Clique em ‘Emitir’.

ATENÇÃO: Assim que uma ocorrência é emitida, será exibido o ‘Número de Protocolo’. É muito importante guardar esse número com você, pois ele será solicitado durante todo o processo e nos próximos passos.

De acordo com o site do Ministério da Justiça e Segurança Pública , o número de protocolo gerado na emissão do alerta é formado por três partes: a ‘data do registro’, o ‘número do telefone’ que foi solicitado o bloqueio e o ‘CPF da pessoa solicitante’.

Publicidade

Ao finalizar o registro de alerta e clicar em ‘OK’, o aplicativo ‘Celular Seguro’ iniciará a integração com as instituições participantes. Isso permitirá o compartilhamento de dados com as operadoras de telefonia brasileiras, resultando na imediata suspensão do dispositivo e dos serviços financeiros associados às instituições bancárias.

Rafael F. Carpi
Rafael F. Carpi

Jornalista, editor nas iniciativas Jornalista Inclusivo e PCD Dataverso. Formado em Comunicação Social em 2006, foi repórter, assessor de imprensa, executivo de contas e fotógrafo. É consultor em acessibilidade e inclusão, ativista dedicado aos direitos da pessoa com deficiência e redator na equipe Dando Flor.

LinkedIn

Deixe um comentário