fbpx

Síndrome de Down e doenças respiratórias

Otorrinolaringologista explica que distúrbios respiratórios são mais comuns em pessoas com Síndrome de Down, devido malformações inerentes à trissomia do 21, como desproporção craniofacial, aumento exacerbado das amígdalas e faríngea (adenoide), hipertrofia da língua, aumento desproporcional do parênquima pulmonar e desproporção do alvéolo pulmonar e tecido adjacente, além de uma alteração no sistema imunológico.

Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustra o texto “Síndrome de Down e doenças respiratórias”, a fotografia de um casal com a trissomia do cromossomo 21 (Síndrome de Down). Eles estão de braços dados, têm pele branca e usam máscara hospitalar coloridas. Do lado esquerdo, o rapaz tem cabelo preto raspado, e usa camisa branca com linhas azuis e marrons. A mulher é loira e usa blusa de listras vermelhas e cinzas. Créditos: AdobeStock

Médico especialista explica a relação entre a Síndrome de Down e doenças respiratórias

Otorrinolaringologista esclarece porquê pessoas com trissomia do cromossomo 21 sofrem mais com distúrbios respiratórios e o que pode ser feito para minimizar quadros infecciosos

A Síndrome de Down – trissomia do cromossomo 21 – está presente em 1 a cada 700 nascimentos no Brasil, de acordo com dados da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD). Desde sua descoberta, em 1866, por John Langdon Down, a medicina evoluiu muito, aumentando a expectativa e a qualidade de vida dessas pessoas com deficiência intelectual. Porém, ainda é comum que quem tenha a síndrome sofra com distúrbios respiratórios.

Otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Dr. Cícero Matsuyama explica que “isso acontece, pois existem malformações inerentes à trissomia do 21, tais como desproporção craniofacial, aumento exacerbado das amígdalas e faríngea (adenoide), hipertrofia da língua, aumento desproporcional do parênquima pulmonar e desproporção do alvéolo pulmonar e tecido adjacente, além de uma alteração no sistema imunológico”.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Em entrevista ao JI, questionado sobre a incidência desses casos, Dr. Matsuyama disse que pelo fato do Hospital CEMA abordar distúrbios específicos da via respiratória superior, os pacientes com a síndrome habitualmente os procuram queixas a respeito destes órgãos.

“Podemos dizer que do ponto de vista otorrinolaringológico, os pacientes com a trissomia de 21 que procuram nosso hospital, na sua grande maioria possuem ou alterações funcionais ou anatômicas comuns na síndrome. Diremos que 90 % destes pacientes apresentam alguma alteração funcional ou anatômica”, diz.

Matsuyama explica que pessoas com a síndrome tendem a ter mais dificuldade para eliminar secreções, apresentam maior congestão venosa e aumento da pressão arterial. Essas alterações favorecem quadros respiratórios infecciosos, tanto das vias aéreas superiores quanto das inferiores.

Médico especialista explica a relação entre a Síndrome de Down e doenças respiratórias
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do médico otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Dr. Cícero Matsuyama. Homem oriental de pele branca, levemente calvo e grisalho. Usa camisa azul clara, gravata azul com pontos pretos e terno azul escuro. Créditos: Divulgação

“A drenagem ou eliminação adequada das secreções baseia-se como de qualquer outro paciente, mas sempre levando em conta as dificuldades encontradas nas síndromes, com relação a parte cognitiva, anatômica e funcional. A utilização de nebulização com solução fisiológica, hidratação vigorosa e lavagem nasais frequentes também com soro fisiológico costuma minimizar os sintomas”, sugere o especialista.

Entre as principais doenças que podem aparecer estão a apneia, hipotonia na estrutura muscular (perda de tônus) e flacidez na cartilagem que recobre as vias aéreas. “É comum também aparecer quadros de otite de repetição, rinossinusites, traqueobronquites e pneumonias”, detalha o otorrinolaringologista.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Por essa maior predisposição, segundo o especialista, é importante haver sempre um acompanhamento médico, que deve começar já na gestação e persistir durante toda a vida. Uma alimentação saudável e a ida regular a um especialista são medidas que ajudam a evitar distúrbios respiratórios mais graves.

“A Síndrome de Down é uma das alterações cromossômicas mais frequentes na espécie humana. Hoje, temos novas terapias e medicamentos que são muito bem-vindos na assistência a esses pacientes, que têm uma melhor qualidade e mais expectativa de vida do que antigamente”, analisa Dr. Matsuyama.

Ilustração do artigo Síndrome de Down e doenças respiratórias, com um casal que tem a trissomia do 21
Descrição da imagem #PraCegoVer: O mesmo casal com a trissomia do cromossomo 21 da primeira foto, aparecem juntos, com seus rostos lado a lado. Os dois usam máscara hospitalar colorida. A mulher está com a mesma blusa de listras vermelhas e cinzas, com um dos braços por cima do ombro do rapaz, que usa suéter verde. Créditos: ShutterStock

Trissomia do 21 e a COVID-19

Em tempos de pandemia da COVID-19, doença causada pelo coronavírus (Sars-CoV-2), muito tem se falado sobre os perigos para pessoas com essa síndrome. Inclusive, estudo publicado em janeiro na revista Scientific Reports  mostra que indivíduos com síndrome de Down podem ser mais suscetíveis à infecção. A informação sobre o estudo foi publicada pelo site da revista Galileu , fevereiro.

A redação do JI perguntou se o coronavírus é mais perigoso para pessoas com a trissomia do 21, devido as malformações, e quais são as orientações do otorrinolaringologista, que reforçou:

“A melhor orientação ainda é a prevenção, limpeza das mãos com álcool gel ou água e sabão, o uso constante de máscara e a não aglomeração. Fica a ressalva com relação a obesidade, muito comum em quem tem a síndrome e por vezes de mau prognóstico nos casos graves de COVID-19, a amorosidade (pessoas com síndrome de Down adoram um abraço e beijos) e orientação sempre constante em relação ao contato com as mãos em objetos potencialmente contaminados”.

Por fim, o otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Dr. Cícero Matsuyama lembra que, na hipótese da presença do coronavírus, o mais importante é o tratamento adequado para cada fase da doença, “não existindo diferenciação da conduta para as pessoas com a síndrome de Down”, encerrou.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo

Jornalista Inclusivo

Da Redação jornalistainclusivo.com
Jornalista responsável (MTB: 0089466/SP)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.