Coletivo realiza 2ª jornada pelo fim da violência contra mulheres com deficiência

Cartaz com nome 2ª Jornada pelo Fim da Violência contra Mulheres com Deficiência. Foto de uma mulher agachada e com a cabeça apoiada nos joelhos. A sua esquerda a sombra do braço de um homem que está com a mão fechada.
Extensa programação de atividades em todo o país, entre os dias 22 de novembro e 10 de dezembro, pelo fim da violência contra mulheres com deficiência. (Foto: Reprodução / FNMD)

Jornada organizada pela Frente Nacional de Mulheres com Deficiência integra a iniciativa global “21 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra Mulheres.”

A violência de gênero, em particular contra as mulheres com deficiência, é uma questão alarmante no Brasil. De acordo com o Atlas da Violência de 2022 , os dados sobre violência contra mulheres são alarmantes e têm sido divulgados ano após ano. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2022 revela que o Brasil tem cerca de 18,6 milhões de pessoas com deficiência. Deste total, 10%, ou seja, 1,86 milhões, são mulheres. 

Em casos de violência doméstica contra mulheres com deficiência, em 20% dos casos o agressor é um familiar; em 27%, uma pessoa próxima; em 11%, um companheiro ou ex-companheiro. Esses números são preocupantes e destacam a necessidade de ações efetivas para combater a violência de gênero. Além disso, no último ano, a Rede de Observatórios da Segurança registrou 2.423 casos de violência contra a mulher . Ou seja, a cada quatro horas ao menos uma mulher foi vítima de violência. 

Publicidade

II Jornada pelo Fim da Violência Contra Mulheres com Deficiência

Nesse contexto, a Frente Nacional de Mulheres com Deficiência (FNMD) convida a sociedade para II Jornada de Combate à Violência contra Mulheres com Deficiência, que será realizada de 22 de novembro a 10 de dezembro. O evento faz parte dos 21 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, uma iniciativa global para combater e conscientizar sobre a violência de gênero.

A solenidade de abertura acontece nessa quarta-feira (22), às 19h, através do canal do YouTube da Frente Nacional de Mulheres com Deficiência . As atividades seguirão com atos diversos por todo o território nacional, debatendo, além de Políticas para o Combate à Violência, propostas para a construção da Política Nacional de Cuidados, no foco da Pessoa Com Deficiência.

Programação gratuita e acessível

Para esta nova edição da Jornada pelo Fim da Violência contra Mulheres com Deficiência, as membras do FNMD organizaram uma programação robusta com atividades potentes em todas as regiões do país, como mesas-redondas, lives e audiências públicas para debater políticas e ações efetivas para o fim da violência contra as mulheres com deficiência. Todos os eventos serão gratuitos e acessíveis, terão intérprete de Libras e transmitidos ao vivo pelas redes sociais.

A Frente Nacional de Mulheres com Deficiência é um coletivo formado por mais de 150 ativistas, mulheres com deficiência e mães de pessoas com deficiência, com representação em todo o território nacional, com articulação e mobilização junto ao poder público e sociedade civil, para o enfrentamento à violência contra mulheres e crianças com deficiência.

Mulher sentada em uma cadeira de rodas em um quarto escuro. O rosto dela tem um tom de melancolia e sofrimento, pela violência contra mulheres com deficiência. Logo do coletivo Frente Nacional de Mulheres com Deficiência.
Descrição alternativa #PraGeralVer: A imagem mostra uma pessoa de cabelos longos sentada em uma cadeira de rodas em um quarto escuro. O rosto dessa pessoa tem um tom de melancolia e sofrimento. A pessoa usa uma blusa e está apoiando a cabeça nas mãos. O fundo é escuro e parece ser um quarto com uma janela. No canto esquerdo inferior está a logo do coletivo FNMD. (Foto: Midjourney / ChatPCD)

Rosana Lago, uma das coordenadoras e fundadoras do coletivo FNMD, convida toda a sociedade a participar: “A participação de vocês é muito importante para o sucesso da nossa jornada. Faça a diferença na luta na sua cidade, no seu Estado. Juntas somos mais fortes!”.

Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher

A iniciativa global dos 21 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher é uma campanha anual que ocorre internacionalmente de 25 de novembro (Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres) a 10 de dezembro (Dia dos Direitos Humanos). Durante este período, atividades e eventos são realizados em todo o mundo para aumentar a conscientização sobre a violência de gênero e mobilizar pessoas e recursos para acabar com a violência de gênero.

A campanha foi iniciada em 1991 por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres como uma estratégia para promover a prevenção e eliminação da violência contra as mulheres e meninas. Desde então, mais de 5.167 organizações em aproximadamente 187 países participaram desta campanha.

Publicidade

Durante os 21 dias de ativismo, pessoas e organizações são incentivados a participar de eventos locais, compartilhar informações e histórias nas redes sociais e fazer doações para organizações que trabalham para acabar com a violência de gênero.

A campanha dos 21 dias de ativismo é uma oportunidade importante para as pessoas se unirem e tomarem medidas para acabar com a violência contra as mulheres e meninas em todo o mundo. É um lembrete de que a violência de gênero é uma violação dos direitos humanos e que todos têm um papel a desempenhar para acabar com ela.

Picture of Rafael F. Carpi
Rafael F. Carpi

Editor na Jornalista Inclusivo e na PCD Dataverso. Formado em Comunicação Social (2006), foi repórter, assessor de imprensa, executivo de contas e fotógrafo. É consultor em inclusão, ativista dedicado aos direitos da pessoa com deficiência, e redator na equipe Dando Flor e na Pachamen Editoria.

LinkedIn