Rapper cadeirante lança single abordando os direitos da pessoa com deficiência

Imagem do clipe com o rapper cadeirante e o texto: "Corpo Intruso. Billy Saga".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa é uma cena do clipe do rapper cadeirante. Sobreposto a imagem, aparece o texto, na cor vermelha. Texto: “Corpo Intruso. Billy Saga”. Homem branco com cabelos tipo dreadlock. Está sentado na cadeira de rodas, usa calça azul, blusa em tons de amarelo e verde, e faixa na cabeça. Atrás do músico há alguns prédios e árvores. Créditos: Reprodução/YouTube

Em "Corpo Intruso", Billy Saga reflete sobre processos de inclusão na sociedade

O rapper cadeirante aproveita o embalo dos jogos Paralímpicos de Tóquio e através da sua música faz uma provocação pela falta de equidade nos mecanismos sociais

E do fundo do abismo os normais me olharam confusos / Eu que estava no topo logo eu, um corpo intruso” são alguns dos versos que transmitem a mensagem de “Corpo Intruso” (escute aqui ), novo single do rapper Billy Saga, que já soma uma trajetória de duas décadas de dedicação ao rap e ao ativismo social. O músico cadeirante é considerado, atualmente, um dos mais autênticos e combativos rappers a abordar, nas entrelinhas de suas músicas com temas diversos, os direitos das pessoas com deficiência.

Publicidade

Inspirada em um conceito de mesmo nome, criado em 2019 pela coreógrafa Estela Lapponi, “corpo intruso” é um termo que se auto explica, ou seja, tudo aquilo que é visto como diferente e causa a resistência da sociedade.

De alguém que viveu na pele o veneno de uma lesão medular, devido a um acidente de moto, o rap de Billy Saga, que além de rapper, é também o responsável pela área de diversidade e inclusão da Claro e presidente da ONG Movimento e SuperAção, é uma verdadeira bandeira hasteada à resistência, capaz de sensibilizar e provocar uma espécie de consciência coletiva acerca da fundamental reflexão sobre o dever de combate à exclusão social, historicamente ressaltada pelo racismo, preconceito e violência com aqueles colocados à margem da sociedade.

A música chega acompanhada de um videoclipe (assista abaixo) que reflete cenas do rapper rimando na quadra de basquete e em uma mini rampa, enquanto um paratleta joga basquete e um skatista com deficiência pratica o esporte.

“Com minha música tenho a possibilidade de conquistar mais espaços, pois vou conseguir alcançar não só as pessoas com deficiência e simpatizantes do segmento, mas também todos os outros atores responsáveis pela construção da inclusão. Precisamos tirar o rótulo radical sobre pessoas com deficiência, de super-herói, como nossos medalhistas paralímpicos, ou no outro extremo, de coitadinho, com todos os seus direitos negados. Somos pessoas e ponto”, finaliza Billy Saga.

“Corpo Intruso” é, enfim, uma ode moderna à resiliência, capaz de sensibilizar e provocar a reflexão sobre a riqueza das diferenças, a urgência da acessibilidade e os deveres (de cada um e de todos) em relação às práticas e políticas inclusivas, para todos.

Capa do single Corpo Intruso, descrito na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Capa do single é uma ilustração em tons de vermelho, a imagem do rapper e texto em dourado. Texto: “Corpo Intruso. Billy Saga”. Na ilustração, o músico está de perfil, sentado em cadeira de rodas e cantando com um microfone na mão. Usa calça escura e camiseta clara. Créditos: Divulgação

Ficha Técnica: 

Clipe “Corpo Intruso”

  • Direção: Marina Amano e Murilo Amancio
  • Câmera: João Bonafé e Murilo Amancio
  • Assistente: Vitor Peracetta e Tuti Camargo
  • Consultoria sobre Inclusão: Billy Saga
  • Ator Basquete: Tite
  • Ator Skate: H. “John” (Atleta gentilmente cedido pela @jumperequipamentos)

Single “Corpo Intruso”

  • Beatmaker: Skeeter
  • Mix e Master: Luís Lopes (C4 Estudio)
  • Composição: Billy Saga

Capa “Corpo Intruso”

  • Direção de Arte: Lambuja
  • Agradecimentos:
  • Estela Lapponi (Corpo Intruso foi um conceito criado por essa artista em 2009)
  • Realização: Listo Music

Deixe um comentário