fbpx

Não quero ser guerreira, por Dani Rorato

Foto de mãe e filho, descritos na legenda do artigo "Não quero ser guerreira", por Dani Rorato.
Descrição da imagem #PraCegoVer: O artigo “Não quero ser guerreira”, escrito pela Dani Rorato, é ilustrado pela fotografia de duas pessoas: A mãe solo Elaine Cristina da Silva e o seu filho, João Pedro. Elaine é uma mulher negra, tem cabelos compridos e usa óculos de grau. Está sorrindo, segurando a cabeça do filho, que está em seu colo. João tem a pele mais clara, e nasceu com Hemimegalencefalia, ou megalencefalia unilateral, um distúrbio congênito raro que afeta o hemisfério cerebral. Créditos: Acervo pessoal

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Um exercício de empatia sobre a mãe solo na pandemia

Ativista, jornalista, empreendedora social e gestora da Soluções Inclusivas Daniela Rorato ilustra o artigo “Não quero ser guerreira”, com fotos de mães solo do Recife para o site JI

De todas as violências sociais que existem no Brasil e que se tornam mais avassaladoras neste momento pandêmico, venho falar sobre uma que talvez seja invisível para a grande maioria e que, apesar de vivenciada por muitas mulheres, não é objeto de atenção, nem da alteridade coletiva. Gostaria de propor um exercício de empatia sobre “a mãe solo da criança com deficiência na pandemia”.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

A cultura patriarcal do Brasil banalizou o abandono paternal de um modo que cerca de 5,5 milhões de crianças não possuem o nome do pai na carteira de identidade.  O abandono de um filho pelo pai é descriminalizado na cultura de nosso país. E, a romantização de um homem que troca fralda ou dá uma mamadeira para o filho, fazendo seu papel de pai, pasme, é ainda objeto desta sociedade estruturalmente conservadora.

Procure no dicionário pelos sinônimos da palavra patriarcal e encontrarás uma infinidade de bons adjetivos: “respeitável, venerando, venerável, complacente, benevolente, benigno, bondoso, caridoso, generoso, humano, misericordioso, pacífico”, só para citar alguns.

Foto de mãe e filho, descritos na legenda de "Não quero ser guerreira".
Descrição da imagem #PraCegoVer: Na fotografia, em ambiente interno, estão as mesmas pessoas da imagem de capa deste artigo: a mãe solo Elaine Cristina e o seu filho, João Pedro. Desta vez, eles estão de frente, um ao outro. Créditos: Acervo pessoal

Agora faça a busca para sinônimos ou etimologia e significado da palavra matriarcado . O que se vê basicamente é um relato breve sobre as culturas antigas ou tribos onde a mulher seria líder da família. Somos enquadradas, na maioria das vezes, dentro da dimensão religiosa e moral, onde a palavra é associada à adoração de divindades e deusas femininas da fertilidade ou da maternidade. Etéreas e sublimes, mas nunca reais. O ponto de partida é este: coexistimos.

Assim, a etimologia e os conceitos de palavras tão poderosas foram ensinados por gerações. A todo momento estão sendo realizados estudos, novos documentos gerados por fatos e esforços que nós, mulheres, nos desdobramos para inserir na história da humanidade, como registro histórico de um tempo onde ainda temos que lutar para pertencer.  Como dizem por aí “dias mulheres virão”.

Então, assim é este meu relato íntimo de mãe solo, desabafo motivado por estes tempos pandêmicos, que almeja colocar holofotes sobre as suas sorores espalhadas por aí e em situação vulnerável, enfrentando a solidão de ser mãe e cuidar de alguém na pandemia.

Foto da mãe solo, Helen e seus filhos, com descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Foto em ambiente interno, com a mãe solo Helen Souza e seus filhos Fernando e Maria Fernanda. Helen é branca e tem cabelos cacheados em tom avermelhado. Está sorrindo e a sua frente está o Fernando, um garoto com cabelos pretos curtos e óculos de grau. Ele está atrás da irmã, Maria Fernanda, que está sentada. Ela tem Encefalocele Rota, Microcefalia, Paralisia Cerebral e Cegueira Cortical. Créditos: Acervo pessoal

Exaustão, medo e luta combinam com o adjetivo de “guerreira” que a sociedade teima em nos fixar.  Mas, a verdade é que não queremos ser guerreiras e é muito esgotante ter que lutar por um sistema social que deveria trabalhar a nosso favor.

Vivemos num país onde a condição de mãe cuidadora sequer é reconhecida e não existem políticas intersetoriais e de acolhimento dignas para essa mulher. A estatística piora quando nasce um filho com deficiência, onde 70% das mulheres são abandonadas pelo pai da criança e elas se tornam mães cuidadoras por 24h. A equação é simples: tem alguém que cuide do filho, ela pode pensar em trabalhar e fazer uma jornada tripla. Caso não, ela é cuidadora 24h.

Foto da mãe solo Andrea e o filho, colorindo desenho de um sol.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente interno, com a mãe Andrea Avelino e seu filho Tom, que tem Síndrome Congênita do vírus Zika (SCZ). Andrea tem pele parda e cabelos crespos pretos. Tom, seu filho, tem cabelos pretos e está no colo da mãe. Ela segura um caderno de desenhos e a mão do garoto, que está colorindo um desenho do sol. Créditos: Acervo pessoal

Muito se fala de como as mães estão sobrecarregadas na pandemia, com trabalho remoto e filhos dentro de casa. Tenho alguns questionamentos para fazer à mãe solo na pandemia. Sugiro um exercício de empatia, passando por um recorte socioeconômico. A situação mais dura e que menos se vê nas matérias da televisão. A mãe periférica, a mãe sem emprego, sem creche, dependente de auxílio emergencial que caiu pela metade, uma boa parte das mães solo brasileiras.

  • Com quem você deixará seu filho para ir trabalhar se as creches estão fechadas?
  • Como buscará uma fonte de renda?
  • Como fazer para ir ao supermercado e trazer todos os insumos e talvez ainda carregar uma criança pequena no colo, ou levar um ou mais filhos junto?
  • Você tem dinheiro para comprar os alimentos?
  • E os remédios? 
  • Tem internet?
  • E ânimo?
  • Como anda a sua saúde mental, principalmente depois de visitar a rede social e ver todos aqueles egos eufóricos fazendo dancinhas e exibindo suas vidas perfeitas? 
  • Você se sente sozinha?
Foto da mãe solo Jaqueline com os filhos. Descrição detalhada na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente interno com Jaqueline Vieira abraçada aos filhos, João Pedro e Daniel. Jaqueline é mãe solo, tem a pele parda e cabelos pretos. À esquerda da imagem está Daniel, que tem a Síndrome Congênita do vírus Zika (SCZ), e à frente da mãe está o João Pedro. Eles estão sorrindo. Créditos: Acervo pessoal

A dura realidade sobrecarregada da mãe solo, muitas vezes perpassa pela ausência de afeto. Não existe alguém que lhe enalteça os numerosos esforços diários em prol do filho ou com quem se divida a responsabilidade. Caso tivesse, lhe permitiria sair do estado de alerta constante e ter um sono mais tranquilo. A solidão e carência, muitas vezes, direcionam essas mulheres a relacionamentos abusivos. Vide as estatísticas de violência contra a mulher durante a pandemia.

Ser chamada de guerreira é ver uma dura rotina ser eufemizada com armaduras que não queremos carregar. Não aguentamos mais lutar. Queremos pertencer.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Daniela Rorato

Daniela Rorato

Mãe do Guto, empreendedora social e gestora da Soluções Inclusivas (@sejainclusivo ). Ativista em defesa dos direitos das pessoas com deficiência (PcDs), é especializada em políticas públicas para as PcDs e já trabalhou na assessoria da Frente Parlamentar em Defesa das PcDs do Estado de Pernambuco. Foi Vice-Presidente fundadora da ONG AMAR e já recebeu prêmios pelo trabalho em prol dessas pessoas em Pernambuco, como a Medalha do Mérito Heroínas do Tejucupapo, a mais alta comenda do estado de Pernambuco, na categoria Ação Social, e o Prêmio Tacaruna Mulher. Criou o projeto “mãelitante” onde busca, através da sororidade, ajudar e unir mães de crianças com deficiência.

Todos os posts

Um comentário

  1. 2 Via

    Me chamo Roberto, gostei muito do seu site e conteúdo,
    e até salvei aqui nos Favoritos para ler com calma outras
    postagens depois. Quero saber se Vocês aceitam parcerias
    para troca de Backlinks para aumentar as suas visitas reais?
    Se tiver interesse em melhorar seu posicionamento e o
    número de visitantes com Tráfego Orgânico, entre no meu
    site tambem (2viaGratis.com.br) e Cadastre-se Grátis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.