fbpx

Especial Tóquio 2020: Mãos que triunfam

Imagem de capa do artigo “Mãos que triunfam”, segundo da série “Especial Tóquio 2020”, descrita na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa do artigo “Mãos que triunfam”, para a série “Especial Tóquio 2020” (tema sobreposto à imagem, na cor branca). Fotografia de uma pessoa segurando a bandeira Olímpica com os arcos coloridos – que representam a união dos cinco continentes. A pessoa é branca, usa camiseta azul, e segura a bandeira acima da cabeça, com os braços esticados. A imagem ao fundo tem tons de azul e violeta. Na lateral direita aparece o logo oficial (em inglês): “Tokyo 2020, Paralympic Games”. Mais abaixo os nomes e os pictogramas das modalidades: “Esgrima, Tênis em CR e Tênis de Mesa”. Créditos: Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

O conhecimento essencial sobre três Paradesportos que têm as mãos como protagonistas

Na série sobre os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, Murilo Pereira aborda as principais regras de esportes onde são as mãos que triunfam

Continuando a abordagem sobre as modalidades paralímpicas, nossa segunda edição do Especial Tóquio 2020+1 desvendará alguns esportes praticados com as mãos e que necessitam de acessórios marcantes. São eles: Tênis de Mesa Paralímpico, Tênis em Cadeira de Rodas e Esgrima Paralímpica.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Uma das práticas mais frenéticas entre as adaptadas, o Tênis de Mesa Paralímpico é dividido em 11 classes funcionais . As cinco primeiras são destinadas aos cadeirantes, da sexta à décima estão as pessoas sem dificuldades de locomoção e na décima primeira os Atletas com Deficiências Intelectuais Andantes. Lembrando que o grau é decrescente, ou seja, quanto maior a classe, menor é a limitação do Paratleta.

Já as partidas são organizadas em cinco sets de dez pontos cada. Caso haja empate, aquele jogador que abriu uma diferença de dois pontos é declarado vencedor. As demais regras são semelhantes às da versão olímpica. Duas das referências no Tênis de Mesa são: Danielle Rauen, da classe 9 e Israel Stroh, ocupando a classe 7.

Fotografia da mesatenista paralímpica Danielle Rauen, descrita na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia da mesatenista paralímpica Danielle Rauen, medalha de bronze - Classe 9, nos Jogos Paralimpicos Rio 2016. Mulher branca de cabelos loiros, presos atrás da cabeça. Na imagem está comemorando, de olhos fechado, com a boca aberta, enquanto grita, e a mão esquerda fechada. Usa uniforme da competição, nas cores verde e verde claro. Créditos: ©Daniel Zappe/MPIX/CPB

Saindo das mesas e chegando às quadras, observamos o Tênis em Cadeira de Rodas. As dimensões do local de jogo e alguns dos princípios são idênticos ao tênis convencional. A diferença mais relevante são os toques que a bola pode dar no chão antes de ser rebatida para a quadra adversária. Com a intenção de tornar a modalidade mais dinâmica, chegou-se em um consenso que seriam permitidos dois quiques no solo.

Todas as pessoas que são impedidas de jogar o tênis não adaptado por alguma limitação física podem ser elegíveis ao Tênis em CR , que se divide em duas grandes categorias: aberta, para deficiências em membros inferiores e quad, quando o participante possui três ou mais extremidades comprometidas. Dois nomes marcantes nas quadras são: Daniel Rodrigues, da classe aberta e Ymanitu Silva, da quad.

Fotografia do tenista paralímpico Ymanitu Silva. Descrição na própria legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do tenista paralímpico Ymanitu Silva, na Rio Open 2020. Ele é negro, de pele morena e cabelos dreadlock. Na fotografia, usando uniforme azul e preto, ele está rebatendo uma bola baixa, perto do solo. Créditos: @Fotojump

Além da raquete, outro instrumento sinônimo de Paradesporto é a espada. Assim, chegamos na Esgrima Paralímpica, disputada por indivíduos com lesões medulares, paralisados cerebrais e amputados. A modalidade exige o uso de uma cadeira de rodas durante as disputas em passarelas de 1,5 metros. O principal objetivo é tocar o corpo do adversário em um determinado local, variando de acordo com a categoria. A primeira delas é o florete, que precisa encostar no tronco do oponente. Nos duelos com espada, o foco é em qualquer ponto acima da cintura e no sabre precisa-se chegar até o quadril.

Com isso, então, a divisão dos grupos para garantir a lealdade dos confrontos de Esgrima em CR é feita da seguinte forma: A, englobando os atletas com maiores funcionalidades, B significa intermediário e no C estão os integrantes com comprometimentos mais severos. Jovane Guissone e Mônica Santos são dois dos Paratletas que representam o Brasil na esgrima.

Fotografia do esgrimista paralímpico Jovane Guissone. Veja a descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do esgrimista paralímpico Jovane Guissone. Ele é branco, tem cabelos pretos e usa roupa branca da disputa. Na fotografia da Paralimpíada 2012, em Londres, Reino Unido, ele está comemorando com o braço esquerdo para o alto, com a mão fechada. Na competição de Esgrima em Cadeira de Rodas, ele vence o francês Latreche na Semifinal. Créditos: Luciana Vermell/CPB

Pronto! Agora você, leitor, já pode vibrar com esses três esportes de tirar o fôlego e que sempre rendem medalhas e conquistas para o nosso país. No Paradesporto, o conhecimento é muito mais intuitivo do que teórico. Sendo assim, mãos à obra e olho em Tóquio.

Confira mais sobre o Especial Tóquio 2020, do JI, e o conteúdo da coluna Sem Barreiras, por Murilo Pereira.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Murilo Pereira

Murilo Pereira

O Jornalista Murilo Pereira dos Santos é Paratleta pela categoria BC1 de Bocha Paralímpica Ituana. Ele é editor do "Prosa de Gol" (@prosadegol), nas redes sociais, e da página "Sem Barreiras" (@_sem_barreiras), esta última oriunda do seu blog, que também dá nome a sua coluna aqui no site Jornalista Inclusivo, sobre paradesporto e outras questões relacionadas a paralisia cerebral, acessibilidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.