fbpx

Especial Tóquio 2020: Glória nas águas

Imagem de capa do artigo “Glória nas águas”, terceiro da série “Especial Tóquio 2020”. Descrição na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem de capa do artigo “Glória nas águas”, terceiro da série “Especial Tóquio 2020” (tema sobreposto à imagem, na cor branca). Fotografia de uma pessoa segurando a bandeira branca Olímpica, com os arcos coloridos – que representam a união dos cinco continentes. A pessoa é branca, usa camiseta azul, e segura a bandeira acima da cabeça, com os braços esticados. A imagem ao fundo tem tons de azul e violeta. Na lateral direita aparece o logo oficial (em inglês): “Tokyo 2020, Paralympic Games”. Mais abaixo os nomes e os pictogramas das modalidades: “Paracanoagem, Remo Paralímpico e Natação Paralímpica”. Créditos: Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione a Maya, tradutora virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Um passeio pelos rios e piscinas da capital do Sol Nascente

Na nova edição da série sobre os Jogos Paralímpicos de 2020+1, Murilo Pereira convida os leitores a passearem pelos rios e piscinas, traçando o caminho para a glória nas águas

No terceiro artigo da série Especial Tóquio 2020+1, chega o momento de falarmos das modalidades aquáticas que trarão adrenalina aos Jogos: a Paracanoagem, o Remo Paralímpico e a Natação Paralímpica. Contando ou não com acessórios, fato é que as disputas são de tirar o fôlego, na mesma medida em que os competidores precisam ter uma boa capacidade física para se deslocarem nas águas e vencerem seus oponentes.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Para dar início, o assunto será o Esporte Adaptado das canoas . O caso da Paracanoagem é peculiar se comparado à outras práticas paralímpicas. A maioria das regras são semelhantes as do esporte convencional. O grande segredo fica mesmo por conta da classificação funcional. Podem participar das competições as pessoas que tem limitações físico-motoras. Elas são divididas em dois grupos principais, da seguinte forma:

O primeiro, denominado “KL”, agrupam os Paratletas que fazem o uso do caiaque. Por isso, a implementação da letra “K”. Dentro dessa categoria, existem três subdivisões: KL1, para indivíduos que remam apenas com a força dos braços, KL2 envolvendo participantes que utilizam também o tronco e KL3 para integrantes capazes de contar com a funcionalidade dos braços, tronco e pernas. É uma organização crescente, quando se pensa em força e mobilidade.

Além do “KL”, há outro grupo prioritário que compete em embarcações um pouco diferentes, chamadas de Va’a. A classe “VL” usa um caiaque com uma espécie de flutuador em um dos lados, visando auxiliar no equilíbrio e dinâmica das provas. As disputas da Paracanoagem sempre acontecem em águas calmas e em duas distâncias: 200 e 500 metros, tanto no masculino quanto no feminino. No Brasil, os nomes que são referências sobre os caiaques são Caio Ribeiro de Carvalho e Débora Raiza Benevides.

Fotografia do atleta Caio Ribeiro de Carvalho, nas Finais da Paracanoagem na Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ), nos Jogos Paralímpicos Rio2016.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do atleta Caio Ribeiro de Carvalho, nas Finais da Paracanoagem na Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ), nos Jogos Paralímpicos Rio2016. Caio é um homem negro de pele morena e cabelos raspados. Usa regata com o nome Brasil, no peito, e óculos de sol. Está dentro da canoa, na cor branca, segurando o remo para fora da água. Creditos: ©JMendesPhotoVideo

Para acabar com qualquer dúvida que exista na cabeça de muitas pessoas, a próxima modalidade a ser destrinchada será o Remo Paralímpico, o qual é constantemente confundido com a Paracanoagem. O Remo abrange dois tipos de deficiência: a física e a visual. A fim de garantir a igualdade nos confrontos, os atletas são agrupados com base no nível de seu comprometimento e, dessa forma, chega-se a um modelo de embarcação ideal para cada competidor. Como destaque, vemos duas categorias:

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

A “AS”, que engloba pessoas com deficiências nos braços e ombros e que, por isso, utilizam barcos com o assento e encosto fixos. São os chamados Single Skiff. Já para quem tem deficiência nos braços e tronco, a diferença é que não se tem o apoio do encosto e o barco é denominado Double Skiff.  A classe funcional é a “TA”. Com os remos nas mãos, algumas das principais figuras no cenário nacional são Cláudia Santos e Jairo Klug.

Patricia Santos CPB Claudia Santos
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia da remadora Claudia Santos, nos Jogos Paralímpicos Londres 2012, no Reino Unido. Ela é uma mulher negra de pele morena. Está dentro do caiaque, segurando os dois remos. Usa camiseta manga longa e boné brancos, e colete azul. Está olhando para lado. Creditos: Patrícia Santosl/CPB

Fechando as emoções aquáticas, a Natação Paralímpica é, sem dúvidas, um dos Paradesportos mais conhecidos da população e um dos que mais trazem medalhas em Jogos Paralímpicos para o Brasil. Nas piscinas, observa-se indivíduos com deficiências físicas, intelectuais e visuais.

As dimensões do local de prova são exatamente iguais às utilizadas no esporte não adaptado, com a diferença de que Paratletas com limitações mais severas podem realizar a largada já de dentro da piscina. No caso dos nadadores com Deficiência Visual, agrega-se o bastão espumado na ponta para que o auxiliar consiga avisá-los quando estão se aproximando da borda.

Ao todo, a Natação Paralímpica divide-se em 14 classes, guardando a proporção de que quanto menor a funcionalidade do indivíduo, menor será a sua classe. No Brasil, alguns sinônimos de bom desempenho e conquistas são Daniel Dias, da categoria “S5”, que inclusive já foi tema de um dos artigos aqui da coluna Sem Barreiras e Carol Santiago, ocupando o grupo “S12”.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 
Fotografia do nadador Daniel Dias, na segunda semana dos Jogos Paralímpicos Londres 2012, no Reino Unido.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia do nadador Daniel Dias, na segunda semana dos Jogos Paralímpicos Londres 2012, no Reino Unido. Na fotografia tirada de dentro da água, é possível ver uma raia, na cor amarela, e o atleta, homem branco, usando toca branca e óculos de natação. Creditos: ©Puro Esporte

Depois desse mergulho em três modalidades paralímpicas incríveis, você leitor, já pode se jogar nas águas juntamente com nossos Paratletas, os apoiando rumo a inúmeros pódios no Japão.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Murilo Pereira

Murilo Pereira

O Jornalista Murilo Pereira dos Santos é Paratleta pela categoria BC1 de Bocha Paralímpica Ituana. Ele é editor do "Prosa de Gol" (@prosadegol), nas redes sociais, e da página "Sem Barreiras" (@_sem_barreiras), esta última oriunda do seu blog, que também dá nome a sua coluna aqui no site Jornalista Inclusivo, sobre paradesporto e outras questões relacionadas a paralisia cerebral, acessibilidade e inclusão.

Todos os posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.