Especial Emílio Figueira: Digitando com um dedo (Parte 02)

Arte com foto do especial Emílio Figueira, parte 02. Texto: “Documentário Digitando com um dedo. O legado silencioso de Emílio Figueira à inclusão da pessoa com deficiência no Brasil”.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte do especial Emílio Figueira, parte 02, com fundo na cor marrom clara, foto e texto. À esquerda, canto superior: “Documentário Digitando com um dedo. O legado silencioso de Emílio Figueira à inclusão da pessoa com deficiência no Brasil”. Abaixo, a informação: Narração da atriz Nina Mancin. À direita, a fotografia de Emílio, homem branco e calvo, com cabelos, barba e bigode pretos. Usa óculos de grau, camisa clara e está sentado em uma poltrona preta. Abaixo, sobreposição da frase: Em cartaz no YouTube. Na lateral esquerda, ícones de câmera, rolo de filme e player de vídeo. (Imagem: Edição de arte. Foto: Acervo pessoal)

Documentário Digitando com um dedo: O legado silencioso de Emílio Figueira à Inclusão de pessoas com deficiência no Brasil; Atos Três e Quatro

BASEADO NO TEXTO DE DEISE TOMAZIN BARBOZA*

Nota do editor:

Emílio Figueira utiliza a cannabis medicinal há mais de um ano e publicou um vídeo sobre essa experiência. Em seu depoimento, ele fala como é ter mais de 50 anos de idade e viver com paralisia cerebral em um país que desconhece as consequências do envelhecimento da pessoa com deficiência. Ele utiliza os óleos de THC e CDB e os quais recomenda a outras pessoas com as mais variadas deficiências. 

O vídeo é resultado do VII Curso sobre Cannabis Medicinal, parceria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Movimento pela Regulamentação da Cannabis Medicinal (MovReCam ), Instituto Jurema e a Sociedade Brasileira de Estudo da Cannabis Sativa – SBEC. Assista ao final do texto.

*DEISE TOMAZIN BARBOSA – Licenciada em Matemática e Pedagogia, especialista em Tecnologias Assistivas e Deficiências e mestre em Deficiências e Psicanálise. Gestora no Departamento Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

Conteúdo do artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Boa leitura!

    Ato Três: Pessoas com Deficiência e Comunicação Social

    Emílio trocava muitas correspondências com pessoas do Movimento e pesquisadores da área. Foi de onde veio a sua primeira grande influência, ao conhecer o antropólogo João Baptista Cintra Ribas, o qual o orientou amigavelmente por muitos trabalhos.

    Em seguida, Figueira conheceria uma influência ainda maior, o assistente social Romeu Kazumi Sassaki que, antenado com tudo o que acontecia lá fora, traduzia e trazia para o Brasil todas as tendências e conceitos revolucionários referentes às pessoas com deficiência.

    Nesse período, Emílio, já como pesquisador-bolsista do Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Anomalias Crânio-Faciais (Centrinho-USP/Bauru), realizou sua primeira grande linha de pesquisa intitulada “Deficiência e Comunicação Social”. Nela, Figueira defendia a importância da normalização da imagem dessas pessoas nos meios de comunicação de massa, assim como a necessidade de surgirem mais publicações alternativas, focando todo o universo que as envolviam. Para o pesquisador, quanto mais informações veiculadas de forma correta, mais naturalmente ocorreria a inclusão em todos os níveis.

    Emílio Figueira, homem branco com óculos e camiseta bordô. Sentado ao lado de Romeu Sassaki. Homem branco de óculos e camiseta branca, em 1995.
    Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida em ambiente interno com sobreposição de legenda, no rodapé: “Emílio Figueira e Romeu Sassaki, seminário em Maringuá/PR (1995)”. Emílio está sentado à esquerda da imagem. Tem pele branca, cabelos pretos curtos, usa óculos de grau e camiseta bordô. À direita está Romeu, homem oriental com cabelos curtos e levemente grisalhos. Usa óculos de grau e camiseta branca. Seu braço direito está sobre os ombros de Figueira. (Imagem: Edição de arte. Foto: Reprodução. Créditos: Acervo pessoal)

    Em sete anos que Emílio Figueira permaneceu no Centrinho, produziu seis monografias de especializações, inclusive sobre a imagem das pessoas com deficiência na literatura infantojuvenil e publicou mais de trinta artigos científicos no Brasil e exterior.

    Surgiu a internet, permitindo ao Emílio ampliar consideravelmente o alcance desse jornalismo especializado, escrevendo colunas para diversos blogs de comunicação de massa, exemplo a Globo.com, além dele mesmo criar sites e blogs temáticos. E, com o advento do computador e estudando computação gráfica, Figueira ajudou entidades a criarem publicações alternativas.

    Iniciaria sua segunda linha de pesquisa, estudando o que intitulou de “Arte e Deficiência”, sobretudo dentro da história da arte, o que lhe rendeu novos artigos publicados em revistas especializadas e livros.

    E de suas participações em projetos artísticos, o mais significante foi como ator de “Olhos de Dentro”, grupo teatral inclusivo que mescla pessoas com e sem deficiências há duas décadas, tendo à frente a atriz e diretora Nina Mancin, esta narradora que vos fala!

    E dentre outras participações artísticas, Emílio Figueira participou de três exposições fotográficas sobre crianças com deficiência, escrevendo textos que acompanhavam as fotos de sua amiga, a fotógrafa Giselle Bohnen.

    Emílio Figueira, homem calvo com óculos e camiseta verde. Está em pé, ao lado de Romeu Sassaki. Homem branco de cabelos grisalhos, óculos, camisa branca e casaco, em 2018.
    Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida em ambiente interno com sobreposição de legenda, no rodapé: “Emílio Figueira e Romeu Sassaki, Memorial da Inclusão, São Paulo/SP (2018)”. Emílio está à esquerda da imagem, acenando com o polegar direito. Ele está calvo, usa barba, óculos de grau e camiseta verde. Ao lado está Romeu, com os cabelos grisalhos e óculos de grau. Usa camisa clara, jaqueta e calça jeans. Estão em pé. Ao fundo há diversas pessoas, cadeiras e murais. (Imagem: Edição de arte. Foto: Reprodução. Créditos: Acervo pessoal)

    Ato Quatro: O conceito de inclusão e a educação inclusiva

    Ainda na segunda metade dos anos 1990, o professor Romeu Sassaki apresentou-lhe ao conceito de Inclusão. A produção intelectual de Emílio Figueira voltada às questões das pessoas com deficiência passou a ser toda pautada por ela a partir dali.

    Ao resolver cursar psicologia, Emílio abriria horizontes para novas linhas de pesquisas. Ainda na faculdade, estudava e escrevia sobre o que ele chamava de “Arte e Loucura” e de como o fazer artístico poderia ajudar na saúde mental. Estudo que lhe rendeu vários artigos e dois livros.

    O importante mesmo, foi que, motivado pela memória da psicóloga uspiana Lígia Assupção Amaral, sua amiga da época da Revista Integração e que havia falecido na mesma semana em que ele prestou o vestibular, Figueira começou a estudar as relações entre psicologia e pessoas com deficiência, produzindo mais de cem textos, quatro livros. Linha de pesquisa que ele mantém até os dias atuais.

    Foi a partir de seu mestrado em Educação Inclusiva que Emílio iniciou sua grande jornada, escrevendo vários textos de apoios didáticos, treinamentos. Viajou para várias partes do país para palestras, onde devido a sua dificuldade de dicção por causa da paralisia cerebral, montava suas apresentações em vídeo e se fazia ser entendido.

    Teve cursos online em sites educacionais, além de montar os seus. Exemplo, foi um curso de Educação Inclusiva premiado pelo Memorial da Inclusão, que Emílio ofereceu por três anos gratuitamente e ajudou a treinar mais de 23 mil educadores no Brasil e exterior. Principalmente nas regiões norte e nordeste, onde sua obra e/ou história de vida tem sido referencial teórico para vários trabalhos e dissertações acadêmicas.

    Fazendo inúmeros cursos e formações, Emílio sempre aplicou esses conhecimentos ao mundo das pessoas com deficiência. Outra grande influência em suas pesquisas e escritas, foi a obra “A Epopeia Ignorada” de Otto Marques da Silva, pioneiro brasileiro em reabilitação profissional e seu amigo desde os anos 1980. Dentre outros exemplos dessa influência, foi o seu segundo doutorado que, no campo da teologia, focou a história do caminhar da pessoa com deficiência desde o início da Bíblia e ao longo de todo o cristianismo.

    E dentre suas obras, o livro “Caminhando em Silêncio”, que em sua quarta edição passou a se chamar “As pessoas com deficiência na história do Brasil – Uma Trajetória de Silêncios e Gritos”, é considerado por ele seu feito mais importante na área da inclusão.

    Assista ao vídeo com depoimento Emílio Figueira

    Sobre o autor
    Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo independente.

    Como escritor, Emílio é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de setenta títulos lançados. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira foi professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva. Atualmente dedica-se a Escrever Roteiros e projetos audiovisuais.

    Especial Emílio Figueira (Parte 03)
    Rafael F. Carpi
    Rafael F. Carpi

    Jornalista, editor nas iniciativas Jornalista Inclusivo e PCD Dataverso. Formado em Comunicação Social em 2006, foi repórter, assessor de imprensa, executivo de contas e fotógrafo. É consultor em acessibilidade e inclusão, ativista dedicado aos direitos da pessoa com deficiência e redator na equipe Dando Flor.

    LinkedIn
    • Siga nas redes sociais:

    Deixe um comentário

    Este post tem 2 comentários