Curso grátis de Roteiro e Cinema para Direitos Humanos abre inscrições

Cinco pessoas durante filmagem em área externa analisam imagens de câmera de vídeo. Algumas usam a camiseta do projeto Ginga, da instituição sociocultural Cinema Nosso, responsável pelo curso de Roteiro e Cinema para Direitos Humanos.
Projeto Ginga terá aulas no formato online e híbrido, de formação em Roteiro e Cinema para Direitos Humanos, respectivamente. (Foto: Divulgação. Créditos: Cinema Nosso)

Cinema Nosso oferece cursos de formação audiovisual do projeto Ginga, em novo formato, para jovens do Estado do Rio de Janeiro

A instituição sociocultural Cinema Nosso, uma das maiores escolas de audiovisual da América Latina, está com inscrições abertas para cursos gratuitos de formação em Roteiro e Cinema para Direitos Humanos, direcionados para jovens de 18 a 29 anos moradores dos municípios de Itaboraí, Macaé e Duque de Caxias, no estado do Rio de Janeiro.

Publicidade

Roteiro e Cinema para Direitos Humanos

O projeto “Ginga: Inovar para Transformar” oferece dois formatos de curso para 2023: Roteiro, com carga horária de 36 horas, e Cinema, com carga horária de 86 horas. As formações serão realizadas online para o curso de Roteiro e de forma híbrida (com aulas presenciais e online) para o curso de Cinema, das 18h às 21h, às terças e quintas-feiras. As inscrições podem ser feitas até 10 de maio, acessando o link.

Os cursos têm como objetivo estimular a produção de roteiros de curta-metragem com temáticas voltadas para os Direitos Humanos e promover a formação em diferentes áreas do audiovisual, como direção, fotografia, som e edição. Ao final do processo de formação, os alunos terão a oportunidade de realizar coletivamente um curta-metragem de até 15 minutos.

“O Cinema Nosso me trouxe um novo olhar para a arte, além de novas possibilidades de caminhos de futuro e boas conexões que vou levar para vida toda”, declara Kawane Chapetta Ferreira, aluna da turma de cinema do município de Itaboraí.

Expectativas e formatos do projeto Ginga

Para Isabel Rodrigues, Assistente de Formação Sênior do Cinema Nosso, o curso de Roteiro e Cinema do projeto Ginga são formações inovadoras:

“Esperamos ver grandes produções ao final de cada módulo. No ano passado vimos a riqueza de diversas narrativas, onde conseguimos navegar da intolerância religiosa ao assédio dentro dos transportes públicos. Para esse ano estamos ansiosos para saber quais temas os nossos alunos vão desenvolver – tendo em vista que é um projeto com produções voltadas para os Direitos Humanos. Itaboraí, Macaé e Duque de Caxias são três municípios que estão cheios de histórias que precisam ser roteirizadas e produzidas e o Ginga vem chegando nessa missão”, conta Isabel.

A formação será dividida em duas partes. A primeira parte será focada na produção de roteiros com temática dos Direitos Humanos, que é o tema gerador de todas as formações do projeto Ginga, além de abordar técnicas de escrita cinematográfica. A segunda parte passará pelas diferentes áreas da realização audiovisual, como direção, fotografia, som e edição. A expectativa é que, ao final desse processo, seja realizado, de forma coletiva, um curta-metragem de até 15 minutos.

Publicidade

Saiba mais sobre o Cinema Nosso

Criado no ano de 2000, por cineastas e atores a partir da experiência do filme “Cidade de Deus”, o Cinema Nosso é um centro de inovação e tecnologia que promove iniciativas voltadas para crianças e jovens, com enfoque em programas de empreendedorismo e empregabilidade. Seu objetivo é combater as desigualdades sociais e oferecer acesso à tecnologia e experiências inclusivas para a produção de narrativas juvenis, impulsionando a indústria audiovisual no Brasil.

Essa instituição sociocultural já foi premiada em eventos como o “11th China International Children’s” e o Prêmio Itaú-Unicef, além de possuir uma metodologia premiada e certificada no “Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2019”, alinhada com o movimento STEAM, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030 e o respeito às trajetórias e vivências de todos os públicos envolvidos com a instituição.

Deixe um comentário