fbpx

Mês da Mulher 2021: Maria da Penha recebe prêmio e homenagens

A cearense Maria da Penha, que cede seu nome à Lei brasileira contra a violência doméstica, recebeu o prêmio Hispano-Francês ‘Mujeres Avenir’. A cerimônia fez parte do “IV Congresso Internacional sobre Mulheres e Diplomacia em Madrid”, em colaboração com a Escola Diplomática da Espanha e a revista “Diplomacia Siglo XXI”.

Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustra o texto pelo “Mês da Mulher 2021”, a fotografia da Maria da Penha. Mulher branca de cabelos pretos curtos. Usa óculos de grau, cadeira de rodas, camiseta branca com o logo do IMP – Instituto Maria da Penha, casaco e calça escura. Ao lado da fotografia, que tem fundo branco, há um faixa lilás, de cima a baixo, com a inscrição: Lei Maria da Penha, e o símbolo de Vênus – conhecido por representar as mulheres. Créditos: Cid Moreira Fotografia/Edição JI

Utilize os recursos de Acessibilidade Digital da EqualWeb clicando no botão redondo flutuante, na barra da lateral esquerda. Para a tradução em Libras, acione o intérprete virtual da Hand Talk , no ícone quadrado à direita. Para ouvir o texto com Audima utilize o player de narração abaixo.

Símbolo de luta por uma vida livre de violência doméstica é reconhecida internacionalmente

Vítima de dupla tentativa de feminicídio, a farmacêutica cearense recebeu o prêmio hispano-francês 'Mujeres Avenir', foi homenageada pela ONU e também pela Prefeitura de SP, no Mês da Mulher 2021

Símbolo de resistência e de luta por uma vida livre de violência, a farmacêutica bioquímica Maria da Penha Maia Fernandes, nascida em Fortaleza (CE) no ano de 1945, foi premiada e homenageada nesse mês de março, pelo Dia Internacional da Mulher 2021.

Maria é conhecida por ceder seu nome à Lei Federal Nº 11.340 , que dispõe contra a violência doméstica, com um caso que representa milhares de mulheres submetidas a crimes de violência e feminicídio, em todo o Brasil. Sua trajetória em busca de justiça durante 19 anos e 6 meses faz dela um símbolo de luta por uma vida livre de violência.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Com história que significa mais do que um caso isolado, mas um exemplo do que acontece no Brasil sistematicamente sem que agressores sejam punidos, a cearense acaba de receber o prêmio Hispano-Francês ‘Mujeres Avenir’. A homenagem aconteceu durante cerimônia do “IV Congresso Internacional sobre Mulheres e Diplomacia em Madrid”, em colaboração com a Escola Diplomática da Espanha e a revista “Diplomacia Siglo XXI”.

“Em formato híbrido”, conforme informou a assessoria de imprensa, o evento contou com a participação virtual da Maria, que estava em Fortaleza. Além dela, a costarriquenha Elizabeth Odio Benito, presidenta da Corte Interamericana de Direitos Humanos, também foi agraciada com a premiação.

O prêmio Mujeres Avenir 2021 foi concedido à Maria da Penha por ela ter promovido a Lei Federal que leva seu nome, e que tem o objetivo de proporcionar instrumentos para coibir, prevenir e erradicar a violência doméstica e familiar contra a mulher, garantindo sua integridade física, psíquica, sexual, moral e patrimonial.

Maria da Penha no Mês da Mulher 2021
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia da Maria da Penha. Ela está em sua cadeira de rodas, levemente lateralizada. Tem o braço direito apoiado na cadeira, com sua mão esquerda por cima. Usa uma bata colorida, colar, óculos de grau. Está maquiada e sorrindo. Atrás há uma parede escura. Créditos: Jarbas Oliveira

“Também sou muito honrada, por ter recebido, em 2013, a Ordem de Cruz de Dama de Isabel La Católica, condecoração concedida pela Embaixada do Reino da Espanha. São iniciativas como essas que nos animam a continuar na luta por uma vida mais justa e igualitária, longe do medo e da opressão”, ressaltou Maria.

Ainda durante a fala no evento virtual, a farmacêutica compartilhou sua história de vida. “A minha luta começou muito solitária, mas ao final a recompensa não foi pessoal, mas para todas as mulheres do meu país”, finalizou Maria da Penha.

Entre os presentes, estavam a Diretora Adjunta da Escola Diplomática, María Palacios; a Presidenta da Mujeres Avenir, María Luisa de Contes; a Embaixadora do Reino de Marrocos, Karima Benyaich; a Embaixadora da República da Moldávia, Violeta Agrici; a Embaixadora da República da Guatemala, Mónica Bolaños Pérez; a Embaixadora da República da África do Sul, Thenjiwe Ethel Mtintso; e a Embaixadora da Missão Especial para a Igualdade de Gênero na Política Externa do Governo da Espanha, Clara Cabrera Brasero; e a secretária de Estado das Relações Exteriores e da América Latina e Caribe, Cristina Gallach Figueres.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

Entrega do prêmio hispano-francês ‘Mujeres Avenir’

Assista ao vídeo da cerimônia:

Se preferir, clique em “Assistir no YouTube”, e ative as legendas automáticas no ícone localizado no canto direito inferior do vídeo. A participação da brasileira Maria da Penha é a partir de 1:20:54.

Mujeres Avenir

A associação Mujeres Avenir trabalha com o propósito de dar voz às mulheres e contribuir para a igualdade em todas as áreas, junto à Embaixada da França na Espanha, do Consulado Geral da França em Madri e do Ministério da Igualdade na Espanha. Além disso, tem como objetivo promover a criação de uma rede de relações que contribua para a geração de valor na sociedade e o estreitamento dos laços entre a Espanha e a França, bem como a visibilidade para um combate mais eficaz às desigualdades.

Homenagem da ONU Mulheres e Prefeitura de SP

Maria da Penha foi escolhida, a convite da Secretaria Municipal de Relações Internacionais em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e a ONU Mulheres para ser homenageada na celebração do Dia Internacional das Mulheres, celebrado na última segunda-feira, 8.

A homenagem foi realizada por meio de uma projeção criada pela artista Letícia Pantoja, destacando mulheres emblemáticas que deixaram um legado. A ação teve o objetivo de dar visibilidade aos nomes femininos que têm transformado o mundo e podem inspirar tantas outras mulheres.

Maria da Penha, símbolo de Venus, Mês internacional da mulher
Descrição da imagem #OraCegoVer: Fotografia do rosto de Maria da Penha, que está sorrindo. Foi aplicado um filtro em tons de sépia, e no canto direito superior está o Símbolo de Vênus (♀), que consiste em um círculo com uma cruz embaixo, com origem na Antiguidade, depois usado como símbolo astrológico para o planeta Vênus, associado à deusa Vênus, que representa a beleza, o amor, o nascimento, a fertilidade e a feminilidade, utilizado também na Biologia para distinguir aspectos masculino e feminino. Créditos: Dani Lopes | Edição JI

Sem a presença do público, o evento contou somente com a projeção no Edifício Anchieta, localizado na esquina da Av. Paulista com a Rua da Consolação, em São Paulo. A celebração foi transmitida ao vivo, a partir das 19 horas, pelas redes sociais da @spinternacional

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE 

O crime

Em 1983, Maria da Penha foi vítima de dupla tentativa de feminicídio por parte de Marco Antonio Heredia Viveros.

Primeiro, ele deu um tiro em suas costas enquanto ela dormia. Como resultado dessa agressão, Maria da Penha ficou paraplégica devido a lesões irreversíveis na terceira e quarta vértebras torácicas, laceração na dura-máter e destruição de um terço da medula à esquerda – constam-se ainda outras complicações físicas e traumas psicológicos.

Jornais Maria da Penha
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia mostra a imagens de três jornais antigos com matérias publicadas sobre o caso da Maria. No jornal do centro, com papel já amarelado, a manchete diz: “Colombiano é novamente apenado no 2º julgamento”. Créditos: Reprodução/Site institutomariadapenha.org.br

No entanto, Marco Antonio declarou à polícia que tudo não havia passado de uma tentativa de assalto, versão que foi posteriormente desmentida pela perícia. Quatro meses depois, quando Maria da Penha voltou para casa – após duas cirurgias, internações e tratamentos –, ele a manteve em cárcere privado durante 15 dias e tentou eletrocutá-la durante o banho.

Instituto Maria da Penha

Fundado em 2009, com sede em Fortaleza e representação em Recife, o Instituto Maria da Penha (IMP) é uma organização não governamental sem fins lucrativos. O seu surgimento está diretamente ligado à história de vida de Maria da Penha, que se tornou um símbolo de luta no combate à violência doméstica contra a mulher. Diante desse contexto, o papel do IMP é estimular e contribuir para a aplicação integral da lei, bem como monitorar a implementação e o desenvolvimento das melhores práticas e políticas públicas para o seu cumprimento. Além disso, o Instituto busca promover e apoiar ações sociais que elevem o nível de qualidade da vida física, emocional e intelectual das mulheres; desenvolver um trabalho estratégico de conscientização sobre os conceitos ligados à cultura de gênero e violência sexista; e incentivar o debate para promoção de investimento social capaz de garantir os direitos de cidadania, justiça, trabalho, emprego e geração de renda da mulher e da família.

Mais informações:

Site: www.institutomariadapenha.org.br

Facebook: www.facebook.com/InstitutoMariadaPenha

Instagram: www.instagram.com/institutomariadapenha

YouTube: www.youtube.com/user/instmariadapenha

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Jornalista Inclusivo

Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação JI
Editor responsável (MTB: 0089466/SP)

Todos os posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa Cookies

Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. 

Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies e nossa Política de Privacidade.