OIT e MPT lançam guia sobre empregabilidade PcD

Foto com o guia sobre empregabilidade PcD, com o título “Incluir: O que é, como e por que fazer?” e pessoa em cadeira de rodas.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia ilustrando lançamento de guia sobre empregabilidade PcD. À esquerda da foto, dois exemplares do guia em formato de livro físico, com capa em tons de azul e símbolos de deficiências diversas. No canto esquerdo superior da capa está o título. Texto: “Incluir: O que é, como e por que fazer?”. No canto direito estão os logos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Ministério Público do Trabalho (MPT). À direita da fotografia há uma pessoa de pele branca, em cadeira de rodas. Usa calça escura, camiseta laranja e camisa xadrez, cinza e preto. Seu rosto não aparece. Foto: Freepik | Vectorium | Edição JI

Publicação online e gratuita orienta empresas na inclusão desses profissionais no mercado formal de trabalho

Com padrões de acessibilidade digital, o guia sobre empregabilidade PcD “Incluir: O que é, como e por que fazer?” traz conceitos básicos, legislação, dicas para programas de inclusão e cuidados relativos à COVID-19, entre outros

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT), em parceria com o Instituto Amankay lançam o guia “Incluir: o que é, como e por que fazer? “. O objetivo é orientar e facilitar o acesso a informações confiáveis e atualizadas que contribuam para ampliar a inserção de pessoas com deficiência (PcDs) e reabilitadas pelo INSS no mercado formal de trabalho.

Publicidade

O guia é voltado para empresas, órgãos públicos, sindicatos, pesquisadores(as), instituições de defesa dos direitos e sociedade civil organizada, incluindo pessoas com e sem deficiência.

“O MPT busca assegurar a inclusão da pessoa com deficiência no mundo do trabalho, também auxiliando as empresas na superação de barreiras arquitetônicas, comunicacionais e, principalmente atitudinais. O guia será um mecanismo importante de capacitação de gestores e profissionais de RH para efetivar o cumprimento da reserva de vagas prevista na Lei Nº 8.213/1991 e combater a discriminação no trabalho ”, disse Adriane Reis, coordenadora Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, ao explicar a atuação do MPT na promoção dos direitos das pessoas com deficiência.

Segundo dados da OIT, as pessoas com deficiência representam cerca de um bilhão ou 15% da população mundial. Aproximadamente 80% delas estão em idade permitida para o trabalho. No entanto, frequentemente, o direito das pessoas com deficiência ao trabalho decente é negado.

Capa do guia sobre empregabilidade PcD, com o título “Incluir: O que é, como e por que fazer?”, com descrição na legenda abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Ilustração quadrada com a capa do guia. No canto esquerdo superior, o título. Texto: “Incluir: O que é, como e por que fazer?”. No canto direito superior, os logos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Ministério Público do Trabalho (MPT). A capa em degrade com tons de azul tem os símbolos de deficiências física, auditiva, visual e intelectual, entre outros. Créditos: Divulgação

“As pessoas com deficiência, especialmente as mulheres, enfrentam enormes barreiras de atitude, físicas e de informação que dificultam a igualdade de oportunidades no mundo do trabalho. Sabemos que, comparadas às pessoas sem deficiência, elas experimentam taxas mais altas de desemprego e inatividade econômica e correm maior risco de ter proteção social insuficiente. O guia inédito insere-se no compromisso de longo prazo da OIT para promover a justiça social e o trabalho decente para as pessoas com deficiência hoje e sempre”, segundo Thaís Dumêt Faria, oficial Técnica em Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho para América Latina e Caribe da OIT.

Dividido em 12 blocos de ágil consulta, o guia traça um amplo panorama da empregabilidade PcD no Brasil e apresenta conceitos básicos sobre inclusão, legislação nacional e documentos internacionais sobre acessibilidade e direito ao trabalho, além dicas para a empresa implementar comitês e programas de inclusão, convivência e cuidados relacionados à COVID-19, visando um retorno seguro ao trabalho. Os dados da RAIS 2018, referentes ao grupo de pessoas com deficiência também são analisados e comparados com os trabalhadores e as trabalhadoras sem deficiência.

Para a procuradora Sofia Vilela, a promoção e proteção dos direitos das pessoas com deficiência e reabilitadas é fundamental para corrigir os impedimentos sociais impostos à esta parcela da população. E também para promover sua efetiva participação na vida econômica, social e cultural, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas.

Banner oficial de divulgação do guia, com informações detalhadas na legenda abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Banner oficial de divulgação, com foto do guia e informações. Texto: “Você se interessou e quer saber mais? Baixe o guia gratuitamente. www.ilo.org/brasilia”. Na lateral esquerda, a imagem do guia. No rodapé, os logos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Instituto de Estudos e Pesquisa Amankay. Créditos: Divulgação

“O MPT, ao apoiar esse projeto e esse guia, oferece, junto com os demais parceiros, à sociedade brasileira, aos órgãos públicos e às empresas públicas e privadas um material de qualidade e uma excelente oportunidade de refletir sobre a importância do combate à discriminação e de corrigir as profundas desvantagens sociais dessa parcela da população”, acrescentou.

Outra inovação do guia é a usabilidade e a adoção de padrões de acessibilidade digital no material para possibilitar que todas as pessoas tenham o acesso ao conteúdo com autonomia.

“Adotamos rigorosos procedimentos, utilizando o padrão WCAG 2.1, no nível de conformidade AA, desde a concepção gráfica. A observância deste padrão garante que pessoas com deficiência visual ou outras condições acessem o conteúdo com autonomia. A acessibilidade digital foi verificada por analistas que enxergam e com deficiência visual. O nível de qualidade alcançado é bastante alto”, explicou Marta Gil, coordenadora executiva do Amankay.

“Essas ferramentas possibilitam que qualquer pessoa, independentemente de uma deficiência, possa ter acesso às informações do guia, entender seu conteúdo, e com isso, compartilhamos mais conhecimentos sobre a inclusão de pessoas com deficiência no mundo do trabalho”, destacou.

• Siga nas redes sociais: