Hipertensão e os riscos do AVC: “Fugir do sedentarismo”, alerta especialista

Mulher negra sentada, com a mão na cabeça e expressão de dor. Tem cabelo chanel preto, usa regata cinza e calça jeans. Foto gerada por inteligência artificial, ilustrando a relação entre hipertensão e os riscos do AVC.
Em alerta sobre os riscos do AVC (Acidente Vascular Cerebral), a cardiologista Bruna Miliosse explica como a hipertensão arterial pode ser fator importante para o desenvolvimento da doença. (Imagem: Bing Image Creator/Adobe Generative)

Doença que recentemente acometeu o cantor Sidney Magal, durante um show, o AVC pode ser prevenido com mudanças no estilo de vida e hábitos saudáveis.

Recentemente, o cantor Sidney Magal ficou internado por cerca de dez dias após sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC) durante um show em São José dos Campos, no final de maio. Foi diagnosticado um “pequeno sangramento espontâneo agudo no cérebro”, sem sequelas, causado por uma crise de hipertensão arterial, conforme revelou o artista em entrevista ao Fantástico . Neste artigo, além de abordarmos os principais sintomas e fatores de risco, apresentaremos formas de prevenção dessa doença.

Publicidade

Quais são os riscos do AVC?

Vários estudos corroboram que a hipertensão arterial é um fator de risco importante para o desenvolvimento de um acidente vascular cerebral (AVC). Segundo a cardiologista do Hospital Icaraí, Bruna Miliosse, existem outros fatores de risco de grande importância para desenvolver o AVC, como o diabetes, a dislipidemia (quando as taxas de colesterol estão altas no sangue) e o tabagismo

“Condições bastante prevalentes da população brasileira, mas que podem e devem ser tratadas e controladas”, explica a médica.

Os verdadeiros perigos do AVC incluem sequelas como dificuldade para falar ou engolir alimentos e perda da coordenação motora . Além disso, o AVC pode causar déficit motor, déficit sensitivo e afasia. É importante ficar atento aos sinais e sintomas e procurar atendimento médico imediato para aumentar as chances de recuperação completa.

Principais sintomas de alerta

Os principais sinais neurológicos para qualquer tipo de AVC são: fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo; confusão mental; alteração da fala ou compreensão; alteração na visão (em um ou ambos os olhos); alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar; dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente.

Caso qualquer um desses sintomas apareçam, é fundamental ligar para o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU – 192), Bombeiros (193) ou levar a pessoa imediatamente a um hospital para avaliação clínica detalhada. Quanto mais rápido for o atendimento, maiores serão as chances de sobrevivência e recuperação total.

Prevenção: fugir do sedentarismo

Bruna alerta que a prevenção começa com mudanças no estilo de vida que incluem desde modificações na alimentação (consumo de frutas, verduras e legumes regularmente, evitar produtos ultraprocessados ou que sejam ricos em sal) até a prática de exercícios físicos regulares, como a caminhada, a corrida na praia, a natação, a hidroginástica etc.

“Ou seja, ao que a pessoa mais se adaptar. A ideia mais importante é que devemos fugir de uma vida sedentária”, pontua. 

O AVC pode acometer áreas diferentes do nosso cérebro, assim como o tamanho da área acometida pode ser diferente de pessoa para pessoa.

“Por isso, algumas pessoas podem ficar com sequelas e outras não. Porém, quem apresenta AVC que acomete uma área muito nobre do cérebro ou muito grande, pode ter sequelas irreversíveis e que podem afetar sua qualidade de vida. Por isso, a prevenção dessa doença é tão importante”, finaliza a cardiologista.

Homem negro sentado no sofá, com as mãos na cabeça e expressão de dor. Está com os olhos fechados e a cabeça inclinada para baixo. Foto gerada por inteligencia artificial, ilustrando a relação entre hipertensão e os riscos de AVC.

Descrição da imagem #PraGeralVer: Homem negro, sentado no sofá, com as mãos na cabeça e expressão de dor. Está com os olhos fechados e a cabeça levemente inclinada para baixo. Ele usa camiseta verde musgo e calça jeans. (Imagem: Bing Image Creator/Adobe Generative)

O que é um AVC e suas variáveis

De acordo com o Ministério da Saúde, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a paralisia da área cerebral que ficou sem circulação sanguínea. É uma das principais causas de morte, incapacitação e internações em todo o mundo .

Existem dois tipos de AVC: o AVC isquêmico e o hemorrágico. O AVC isquêmico ocorre quando há obstrução de uma artéria, impedindo a passagem de oxigênio para células cerebrais, que acabam morrendo. Essa obstrução pode acontecer devido a um trombo (trombose) ou a um êmbolo (embolia). O AVC isquêmico é o mais comum e representa 85% de todos os casos.

Já o AVC hemorrágico ocorre quando há rompimento de um vaso cerebral, provocando hemorragia. Esta hemorragia pode acontecer dentro do tecido cerebral ou na superfície entre o cérebro e a meninge. É responsável por 15% de todos os casos de AVC, mas pode causar a morte com mais frequência do que o AVC isquêmico.

Jornalista Inclusivo
Jornalista Inclusivo

Da Equipe de Redação

Deixe um comentário