Dia Nacional do Voluntariado 2021: Fundamental na socialização de cães-guias para cegos

Silhueta de uma pessoa e um cão, ilustrando o Dia Nacional do Voluntariado 2021. Descrição detalhada na legenda.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Arte de capa ilustrando o “Dia Nacional do Voluntariado 2021”. Imagem com sobreposição da palavra “Voluntariado” (na cor amarela, no rodapé). A fotografia, contra a luz do sol, mostra a silhueta de uma pessoa, ajoelhada no chão, em frente a um cão. A pessoa está segurando uma das patas do animal. Créditos: Edição JI

Entenda a responsabilidade de empresas no impacto social que podem causar na comunidade

Data para conscientizar sobre a importância de doar tempo e habilidade para o próximo, o Dia Nacional do Voluntariado 2021 é celebrado em 28 de agosto e também busca um mundo mais inclusivo e acessível

O Dia Nacional do Voluntariado (Lei No 7.352/1985 ), celebrado em 28 de agosto, é uma data para conscientizar sobre a importância de doarmos nosso tempo e habilidade para ajudar o próximo, buscando a construção de um mundo mais inclusivo e acessível. Realizar trabalhos voluntários é uma maneira de combater a exclusão social, além de fortalecer a solidariedade e a cidadania, dedicando esforços a favor de quem necessita. A data foi instituída no país em 1985 e, desde então, reforça anualmente a importância da empatia e da solidariedade em prol de uma sociedade equitativa e mais humana.

Publicidade

As corporações têm seu papel cada vez mais claro quanto à responsabilidade pelo impacto positivo que causam nas pessoas e no planeta. Principalmente entre as novas gerações, que valorizam trabalhar em lugares nos quais sintam o propósito de estarem, o que faz com que o voluntariado esteja cada vez mais fortalecido dentro das empresas, e reflita no cotidiano fora delas.

A responsabilidade social faz parte do DNA da Adimax, por isso, a fabricante de alimentos para cães e gatos estimula diariamente que os funcionários e a comunidade sejam voluntários em ações sociais, muitas delas desenvolvidas pela própria empresa. A importância desse impacto é o resultado da criação de um departamento específico para atender as demandas sociais, comprometendo-se com questões que envolvem cidadania, inclusão, conscientização e convivência entre as pessoas e os animais.

Entre seus projetos que envolvem o trabalho voluntário está o Instituto Magnus , maior centro de formação de cão-guia da América Latina, localizado em Salto de Pirapora, interior de São Paulo. Graças à participação voluntária de famílias da região, desde sua inauguração, em 2018, já doou 35 cães para pessoas com deficiência visual de todo o Brasil, um número bastante expressivo, considerando que no país existem apenas 133 cães-guias em atividade e mais de 7 milhões de pessoas com alguma deficiência visual, segundo dados do IBGE. 

Pessoa descendo escada com cão-guia. Descrição detalhada na legenda abaixo, pelo Dia Nacional do Voluntariado 2021.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia de uma pessoa com um cão-guia, descendo escada em área externa. A pessoa aparece até a cintura. Usa calça jeans, sapato preto e casaco. Ela está segurando na guia do cão, um animal de pelagem branca. Créditos: Facebook/ Instituto Magnus

O processo para que o cão esteja apto a ser guia é longo e intenso, e neste caminho, o trabalho voluntário é fundamental. Antes de chegarem ao seu destino final, os cães são acolhidos por famílias socializadoras, que os recebem em suas casas pelo período de um ano e têm o papel de apresentá-los às mais diversas situações, para promover seu desenvolvimento e acostumá-los às atividades do dia a dia. Além, é claro, de darem a eles tempo e amor. “Me sinto abrindo portas. É um trabalho que dinheiro nenhum paga”, conta Sidinéia Venancio dos Santos, que já socializou dois cães do Programa Cão-Guia

Foto de uma mulher com um cachorro no colo. Descrição na legenda, abaixo.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia da Patrícia Machado, gerente administrativa da Adimax, em momento de descontração. Ela é uma mulher de pele branca e cabelos castanhos. Na imagem, ela está sentada no chão com um filhote de cachorro no colo. Usa roupa preta e está sorridente. Créditos: Acervo pessoal

Patrícia Machado, gerente administrativa da Adimax, é um exemplo de como a empresa a estimulou ao voluntariado: “Eu e meu marido buscamos deixar um legado para nossos filhos que vá muito além do que podemos tocar, mas está ligado ao que podemos sentir. Com o instituto, a Adimax me incentivou com o exemplo e com as experiências vividas na entrega dos cães-guias. Em uma das entregas que participei, ouvi a seguinte frase que levarei para A vida: ‘Nunca se esqueça de que uma pessoa com deficiência visual vai receber, por meio do animal em socialização, todo o amor que vocês entregaram para ele’. O sentimento de gratidão de quem recebe e o de amor de quem doa são imensuráveis”.

Depois de voltarem das casas das famílias voluntárias, os cães ainda ficam cerca de cinco meses em treinamento no instituto, para se tornarem aptos a serem guias e serem doados para transformar a vida de pessoas com deficiência visual de todo o Brasil. 

Publicidade

“Poder contar com a companhia de um cão-guia mudou demais a minha vida. Hoje sei o que é caminhar na rua com autonomia, liberdade e segurança, o que antes eu evitava, pois sempre que saia era uma tensão por medo de me machucar. Agora, tenho essa tranquilidade porque sei que a Baduska (labrador que o acompanha há dois anos e meio) cuida de mim. Ter um cão-guia é como se eu enxergasse de novo!”, afirma Murilo Delgado, assistente de relacionamento do Instituto Magnus e usuário de cão-guia. 

Foto de Murilo e seu cão-guia, descritos na legenda do Dia Internacional do Cão-Guia 2021.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia colorida, em área externa, de Murilo e o seu cão. Murilo é homem branco, tem barba, bigode e cabelos curtos pretos, e deficiência visual. Seu cão-guia, chamado Baduska, é da raça labrador e tem pelagem branca. Créditos: Divulgação

Ainda alinhado ao seu propósito, a Adimax desenvolveu o programa Lojista Solidário, promovendo campanhas de arrecadação e doação de ração para ONGs e protetores independentes, ajudando animais em situação de abandono. O programa convida e estimula que a sociedade seja voluntária e também contribua e, ao final de 30 dias, o volume arrecadado é somado ao montante também doado pela Adimax e entregue para o beneficiado. 

O Lojista Solidário, desde setembro de 2018, já beneficiou mais de 700 ONGs e protetores, tendo arrecadado e doado mais de 400 toneladas de alimentos para cães e gatos. “O programa foi extremamente importante, pois além de alimentar vários animais, fez com que a população tomasse conhecimento do quanto a doação é necessária”, explica Ivadelte Duarte, presidente da ONG APADA, de Altinópolis-GO. 

Cães do Instituto Magnus, com descrição na legenda, do Dia Internacional do Cão-Guia 2021.
Descrição da imagem #PraCegoVer: Fotografia em ambiente externo, sob a luz do dia, tirada próxima ao chão. A imagem mostra três cães, ainda filhotes, sobre gramado do Instituto Magnus. Um deles utiliza o colete na cor laranja, de identificação e fixação da guia. Créditos: Divulgação

Entre os projetos da Adimax que estimulam o voluntariado está ainda “Alimente o Bem”, uma ação voltada para a causa animal, que convida seus colaboradores, familiares e amigos a vivenciarem o dia a dia de uma ONG. A ação é uma forma de levar carinho a cães e gatos que ali residem, proporcionando uma melhor qualidade e momentos de alegria. Por conta das restrições impostas pela pandemia, a ação está temporariamente suspensa, mas deverá ser retomada assim que for possível. 

“Os projetos sociais desenvolvidos pela Adimax traduzem seu propósito, de amparar idosos carentes, pessoas e animais com deficiência. Assim, fortalecemos nosso papel genuíno como empresa cidadã, que proporciona oportunidades para promover a inclusão e diminuir as desigualdades”, orgulha-se André Sano, coordenador de marketing social da Adimax.

Este post tem um comentário

Deixe um comentário